terça-feira, 23 de outubro de 2018

Celpa investe na cultura de Santarém.


Na segunda-feira (22), ocorreu a assinatura do Termo de Cooperação entre a Celpa e a Associação Artístico-Cultural Maestro Wilson Fonseca, para o início da reforma do prédio onde funciona o Instituto Maestro Wilson Fonseca. A ação faz parte do Projeto “Celpa Mais Desenvolvimento Social”, que contemplará várias instituições do Estado, porém a primeira a iniciar a revitalização será o espaço artístico santareno, que receberá um investimento social na ordem de R$ 600 mil. Além da repaginação completa do imóvel, a concessionária também viabilizará a compra de novos equipamentos e instrumentos musicais para o Instituto WF.

As obras devem iniciar ainda este ano, e a Analista da Área de Responsabilidade Social da Celpa, Claudia Michelle Miranda, ressalta a importância de investir em projetos artísticos e culturais e o quanto a Celpa vem trabalhando para ser muito melhor para toda a comunidade. “Esse tipo de incentivo é transformado em um legado para os envolvidos. Quem vive a cultura consegue captar boas práticas e ensinamentos que atravessam gerações. Por isso, temos a honra em oferecer melhores condições às pessoas beneficiados pelo Wilson Fonseca, mostrando que a Celpa é uma empresa humana e que se preocupa em oferecer além de energia elétrica de qualidade”, avalia Michelle.

O Instituto Maestro Wilson Fonseca foi fundado em 1993, e atende atualmente a cerca de 500 estudantes a partir dos quatro anos de idade nos mais variados cursos das áreas de música, dança e teatro. Atualmente, o Instituto WF abrange, além de Santarém, outros Polos de Extensão, no oeste do Estado, com vários segmentos do ramo musical e artístico como, por exemplo, orquestra sinfônica, musicalização infanto-juvenil, coral, banda sinfônica, grupos camerísticos diversos, curso profissionalizante entre outras capacitações musicais.

O presidente da Associação WF, Paulo Marcelo Pedroso, afirma que a obra vai beneficiar diretamente cerca de mil alunos atendidos pelo Instituto WF e, indiretamente, toda a comunidade santarena. “A nossa qualidade técnica e artística já foi consolidada por esses 25 anos de atuação, mas, nossos alunos, professores e a sociedade mereciam uma infraestrutura melhor, com condições dignas de trabalho e estudo, e de atendimento que agora, chegou a vez de anunciar esses excelentes resultados, por meio dessa parceria com a Celpa”, afirma.

CELPA MAIS SOCIAL - Em um intervalo de dois anos, esta será a segunda vez que a Celpa faz um investimento social de grande porte em Santarém. A primeira foi quando viabilizou a reforma da Associação Santarena de Estudos e Aproveitamento dos Recursos da Amazônia - SEARA. Na oportunidade, também foi entregue uma nova sala de informática para a Associação, com equipamentos novos e mais modernos. O investimento foi de mais de R$ 300 mil na época e beneficia até hoje cerca de 500 crianças e jovens atendidas pela instituição.

A solenidade de assinatura do termo entre a Celpa e o Instituto Maestro Wilson Fonseca ocorrerá na Casa da Cultura, às 19h, com a presença do diretor de Distribuição, Chrysthyan Almeira, da gerente de Gente e Gestão, Ana Carolina Reis e executivos da Celpa, além de membros da Associação Artístico-Cultural Maestro Wilson Fonseca e do Instituto Maestro Wilson Fonseca. Os trabalhos de reforma estão previstos para serem finalizados em até seis meses.

Fonte: Divulgação/Celpa
Compartilhar:

Jornada de formação para o ativismo juvenil reúne mais de 60 participantes na Floresta Ativa


Durante três dias, jovens integraram rodada de discussões sobre problemas e ações necessárias na defesa de direito das populações tradicionais da região. No segundo ciclo, moradores da Resex Tapajós Arapiuns, Flona, Planalto e PAE Lago Grande se encontraram na Floresta Ativa Comunidade Carão - Resex Tapajós-Arapiuns

Lixo, território, agronegócio e pesca predatória estão entre os temas discutidos no encontro que visa formar jovens articuladores e defensores dos próprios direitos e territórios. Os participantes da jornada de ativismo juvenil são indígenas moradores de comunidades tradicionais que enfrentam desafios para manter a cultura local com acesso aos direitos garantidos por lei.

No encontro os jovens participaram de diversas atividades voltadas a formação crítica para identificar possíveis problemas que atingem as comunidades a qual fazem parte e sugestões de ações que possam reverter a situação atual. Divididos em grupos de temas específicos, foram estimulados a usar a metodologia do Mob Lab que aponta problemas, causas e efeito com foco ao mundo ideal nas esferas individual, coletivo e político.



Os indígenas consideram a comunicação como ferramenta essencial para avanço do ativismo na região, e por isso mapearam os tipos de comunicação existentes dentro da comunidade e o que precisam fazer para melhorá-la. Para o facilitador do encontro Walter Oliveira: “Com essas ferramentas a galera da Amazônia pode ser ouvida. É importante para as populações tradicionais planejar o futuro por meio dessas ações” – explica.

Oliveira destacou os tipos de manifestação ativista que desaprova a “baderneira e violenta. Usamos estratégias para atingir o alvo”. Por meio de teatro, banner humano, flash mob o facilitar mostrou aos participantes como a criatividade pode ser aliada na transformação da realidade por meio da ação prática.

A formação é uma parceria do Projeto Saúde e Alegria com a organização de liderança jovem Engajamundo, sem fins lucrativos que promove formações, mobilização e ações de ativismo, com foco ao empoderamento da juventude para reivindicar melhorias em diversas esferas de poder. Este foi o segundo ciclo da Jornada de formação para o ativismo juvenil de um total de cinco que devem ocorrer nas comunidades.

Fonte: Sapopema/Samela Bonfim
Compartilhar:

domingo, 21 de outubro de 2018

Concurso do Ibama deve oferecer 1.888 oportunidades com salários de até R$ 7,7 mil




O certame do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) deve trazer postos nos cargos técnico e analista, que exigem níveis médio e superior. As últimas seleções para o órgão ambiental ocorreram em 2012 e 2013, ano em que foram oferecidos dois postos no Pará.

O processo seletivo ainda segue em avaliação no Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPDG) o pedido do concurso do Ibama pretende receber a autorização de 1.888 vagas. No total, o órgão solicitou 759 oportunidades para a função de técnico administrativo, 832 para analista ambiental e 297 para analista administrativo.

Os cargos de analista ambiental e analista administrativo do concurso do Ibama exigem nível superior, enquanto a colocação de técnico administrativo aceita profissionais com ensino médio. Atualmente, as remunerações iniciais correspondem a R$ 3.712,72 para técnico e a R$ 7.760,45 para analista. Nesses valores já está incluso o auxílio-alimentação de R$ 458.

Espera-se que o Ministério do Planejamento libere o mais rápido a autorização para o concurso do Ibama, até porque o órgão não tem nenhuma seleção vigente.

A seleção anterior para analista ambiental do Ibama foi aberta em 2012, anunciando uma oferta de 108 vagas para o Distrito Federal e Rio de Janeiro. Já para analista administrativo, o último certame foi em 2013, com 61 postos, distribuídos em vários Estados, entre os quais o Pará, com duas vagas.
Compartilhar:

Mensalidades no ensino superior privado subiram mais de 6%, aponta estudo

A Quero Educação publicou o Panorama do Ensino Superior Privado, levantamento que aponta os cursos mais buscados pelos brasileiros, evasão e o perfil do estudante da pós-graduação. A pesquisa mostrou que, apesar de um sinal de recuperação do setor de educação superior privada no país, os preços das mensalidades das faculdades particulares apresentaram alta de 6,3% na modalidade presencial e 7,7% no ensino a distância (EaD). Os números dizem respeito ao segundo semestre de 2018, na comparação com o mesmo período do ano passado.




O aumento ficou acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que foi de 1,8% no acumulado de 12 meses terminados em maio deste ano. Os dados são do Índice Nacional de Preços de Mensalidades - Quero Bolsa (INPM-QB), que calcula a inflação do setor, divulgado pela Quero Educação, startup de tecnologia e especializada em marketing educacional.

O índice mapeou mais de 1.300 Instituições de ensino superior (IES), o que representa mais de 80% do mercado nacional, em todos os estados do país, e levou em consideração o preço de tabela dos cursos, antes de qualquer desconto.

Nas categorias de cursos, todas as áreas: ciências sociais, negócios e direito; educação; saúde e bem-estar social; serviços; humanidades e artes; ciências, matemática e computação; engenharia, produção e construção; e agricultura e veterinária - apresentaram inflação real positiva, com destaque para ciências, matemática e computação e para educação que registraram inflação nominal acima de 10%. Por sua vez, a área de engenharia, produção e construção apresentou a menor inflação nominal (3,1%).

O panorama também trouxe um ranking dos cursos mais buscados. De acordo com o levantamento, direito, enfermagem, administração, psicologia e pedagogia seguem sendo os cinco cursos mais buscados. O ranking dos 10 mais inclui ainda educação física, fisioterapia, nutrição, ciências contábeis e farmácia.

Os cursos de engenharia civil e arquitetura e urbanismo são os que apresentaram maior queda. arquitetura recuou duas posições no último ano - de 16ª para a 18ª colocação. A engenharia civil caiu três lugares para ficar em 15º mais buscados, em 2018.

Evasão
Com o cruzamento de dados dos Censos da Educação Superior do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) desde 2011, o Panorama do Ensino Superior identificou que a evasão sofreu uma piora a partir de 2015. A alta de 19% (em 2011) para 23% (em 2015) é explicada, principalmente, pela crise econômica no país e, no caso específico da educação presencial, por causa da redução nos contratos do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) no fim de 2014.

Entre os principais motivos para a evasão de alunos no ensino superior estão: não pagamento de mensalidades, compromissos pessoais / profissionais e falta de identificação com o curso escolhido. A pesquisa mostrou também que os estudantes que nunca trabalharam são menos propensos a evadir. Em pós-graduação, o panorama trouxe dados de que o público da pós é majoritariamente feminino (63%) e a renda média entre os alunos é de R$ 1.970. Destaque ainda para a demanda por cursos de gestão, principalmente os do tipo master of business administration (MBA), que representam 30% das matrículas. (CB)
Compartilhar:

5 mil processos de exploração mineral pressionam áreas protegidas e terras indígenas na Amazônia

Área danificada por mineração no Parque Nacional do Tumucumaque, no Amapá. Foto: Zig Koch / WWF
Ao cruzar dados de títulos minerários ativos com as Unidades de Conservação e Terras Indígenas do país, a organização ambiental WWF-Brasil encontrou sobreposição de 5.675 pedidos de pesquisa e até autorizações de lavras. O estudo alerta para as pressões de setores de mineração e garimpeiros ilegais para que as áreas sejam reduzidas, alteradas ou extintas.

Foram utilizados dados da própria Agência Nacional de Mineração (ANM), responsável por autorizar a atividade mineral em todo o país e apesar de afirmar, aos responsáveis pelo estudo, que o bloqueio é automático quando há sobreposição, apenas 24% dos pedidos de lavras, pesquisa e exploração mineral foram de fato bloqueados em unidades de proteção federal, 46%, nas UCs estaduais e 76% nas Terras Indígenas. O restante dos títulos são considerados ativos ou em áreas de futura disponibilidade para mineração.

“Num momento em que aumentam as pressões para impedir a criação e reduzir o tamanho e o status de proteção de Unidades de Conservação no país, a existência de pedidos de pesquisa e autorizações de lavra, ainda que suspensas, representam um risco potencial”, destaca o diretor executivo do WWF-Brasil, Maurício Voivodic.

Segundo o levantamento, Roraima concentra grande parte dos interesses minerários. A Unidade de Conservação Parque Nacional do Monte Roraima, na fronteira do Brasil com a Venezuela e Guiana tem uma área de 447 quilômetros quadrados, o equivalente a 40% da área total, sobreposta por registros em diferentes estágios. Os parques nacionais do Jamanxim e Serra do do Pardo, no Pará, aparecem em seguida no ranking feito pela organização ambiental.



Fonte: WWF

A Terra Indígena Yanomami, em Roraima, possui quase cem pedidos que alcançam uma área de 11 mil quilômetros quadrados. Além da ameaça de quase 10% do território, os indígenas já denunciaram atividades de garimpo ilegal no território. A Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, aparece na sequência no ranking das terras indígenas mais ameaçadas.

Protegidos pela Constituição, os indígenas têm assegurada a posse de suas terras e a exploração dos minerais só pode ser realizado com autorização do Congresso Nacional e consulta prévia à comunidade, mas há pressões no Congresso para que o acesso às empresas seja facilitado, como Projeto de Lei do Senado 121/95 do senador Romero Jucá (MDB-RO). “Se aprovado, o projeto colocará em risco a floresta e os modos tradicionais de vida dos povos indígenas”, prevê Jaime Gesisky, especialista em Políticas Públicas do WWF-Brasil, coordenador do estudo.

Leia o estudo na íntegra

Fonte: Amazônia.org.br
Compartilhar:

Justiça obriga fiscalização, repressão e prevenção contra garimpos ilegais em área do povo Z’oé, no oeste do Pará

A Justiça Federal determinou, em sentença favorável ao Ministério Público Federal (MPF), que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis(Ibama), a Fundação Nacional do Índio (Funai), a União e o estado do Pará apresentem um plano para fiscalização, prevenção e repressão de garimpos ilegais dentro e no entorno da terra indígena Z’oé, no oeste do estado. O plano deve contemplar tanto a área demarcada quanto a chamada zona intangível (o entorno onde não pode haver nenhuma atividade econômica), e o prazo para apresentação à Justiça é de 90 dias, a contar da notificação da sentença.

Além da proteção à terra indígena, os entes públicos também foram condenados a pagar indenização por danos morais coletivos em favor do povo indígena Z’oé, no valor de R$ 50 mil, pelo garimpo ilegal que existia na região e provocou conflitos e levou doenças aos indígenas. A Agência Nacional de Mineração foi condenada a não emitir novas autorizações de pesquisa dentro da zona intangível no entorno da área Z’oé, onde atividades extrativas e financeiras são proibidas.

A ação do MPF demonstrou que, desde 2012, a atividade garimpeira se intensificou na região. Foi nesse ano que se identificou uma pista de pouso de aproximadamente 400m de extensão, a 14 km do limite sudoeste da terra Z’oé, dentro da zona intangível, permitindo o transporte de ouro extraído ilegalmente em garimpo próximo. A pista era irregular e o garimpo não tinha licença minerária ou ambiental, apenas autorização de pesquisa.

A pista e o garimpo foram destruídos em 2016, mas, antes disso, foram registrados incidentes envolvendo indígenas e garimpeiros. Os indígenas teriam tentado fechar a pista de pouso clandestina, por conta própria, mas não obtiveram êxito, fato que apenas aumentou a tensão com os garimpeiros. “Em fevereiro de 2016”, diz a sentença, “alguns indígenas desapareceram por uma semana e retornaram para a aldeia gripados, colocando em risco a vida do grupo”.

A sentença, do juiz Érico Rodrigo Freitas Pinheiro, da 2ª Vara da Subseção Judiciária de Santarém, é datada de 28 de agosto.

Processo 0000788-21.2016.4.01.3902

Íntegra da sentença.

Fonte: Ministério Público Federal
Compartilhar:

Enem: estudantes podem confirmar inscrição a partir desta 2ª feira

A partir desta segunda-feira (22), os estudantes que vão fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 podem acessar os cartões de confirmação da inscrição. Para consultar o documento, é necessário acessar a página do participante, onde deve ser colocado o CPF e senha ou baixar em seu celular o aplicativo Enem 2018. A primeira etapa do exame será aplicada no domingo, dia 4 de novembro.

O cartão contem os dados do estudante, o endereço do local, a data e hora da aplicação da prova, além das informações sobre a língua estrangeira escolhida e recursos de acessibilidade, se tiverem sido solicitados. Caso tenha problema com as informações do cartão ou dificuldade de acesso ao documento, o estudante pode entrar em contato com o MEC pelo telefone 0800616161 ou pelo link Fale Conosco, no site do Enem.

Com a entrada em vigor do horário de verão no mesmo dia da primeira etapa do Exame, em 4 de novembro, o Ministério da Educação recomenda que os inscritos fiquem atentos aos horários de abertura e fechamento dos portões dos locais de prova em cada estado.

Para evitar imprevistos, o MEC recomenda que o estudante planeje o trajeto até o local da prova. O ministério sugere também que os participantes comecem a ajustar o horário de sono e dormir mais cedo uma semana antes do dia da prova.

Confira os horários do fechamento dos portões

No Distrito Federal e nos estados do Espírito Santo, de Goiás, Minas Gerais, do Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e São Paulo, os portões abrem às 12h e fecham às 13h.

Nos estados de Alagoas, do Amapá, da Bahia, do Ceará, Maranhão, de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, da Paraíba, de Pernambuco, do Piauí, Rio Grande do Norte, de Sergipe, do Tocantins, os portões abrem às 11h e fecham às 12h.

No Amazonas, em Rondônia e Roraima, os portões abrem às 10h e fecham às 11h. No Acre, os portões abrem às 9h e fecham às 10h, no horário local. (ABr)
Compartilhar:

Rosa Weber contesta questionamentos sobre segurança das urnas



A uma semana da realização do segundo turno das eleições, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, declarou que a Justiça Eleitoral “não tem partido” e que vai combater de forma constitucional qualquer tentativa de desacreditar ou deslegitimar o processo eleitoral brasileiro. Em declaração à imprensa neste domingo (21), a ministra reafirmou que o sistema eleitoral é seguro e repudiou as iniciativas que visam questionar a segurança das urnas eletrônicas.

“Vou dizer o óbvio, porque o óbvio precisa ser dito. Nessa eleição haverá vencedores e vencidos, o confronto de ideias e a diversidade são próprios da democracia. As regras do jogo devem ser respeitadas por todos. A Justiça Eleitoral não é e não tem partido, não é espectadora de eventos que envolvem as eleições, nem é parte interessada no mérito do desfecho”, declarou.

Ao destacar que a Constituição Federal completou 30 anos neste mês, Rosa Weber ressaltou que qualquer “desinformação deliberada ou involuntária que visa o descrédito da Justiça Eleitoral” será combatida com “informação responsável e objetiva”. A ministra reafirmou que o processo eleitoral é confiável e nunca registrou nenhuma irregularidade desde que foi implantado.

“Estão exacerbadas as paixões políticas? Estão acaloradas as discussões? Os níveis de discórdia atingiram graus inquietantes? Tudo isso é inevitável e é próprio do embate eleitoral. O certo é que o primeiro turno já transcorreu em clima de normalidade e as campanhas estão postas, com os projetos de cada candidato à escolha livre e consciente de cada eleitor”, disse.

Em seu pronunciamento, Rosa Weber também declarou que “a Justiça Eleitoral não combate boatos com boatos” e que “há um tempo para a resposta responsável”. A ministra destacou que as ações judicais devem observar as regras do processo legal e que devem ter respostas fundamentas na Constituição Federal.
Investigações

Questionada se a Justiça Eleitoral falhou no combate às notícias falsas (fake news) durante a campanha, a ministra respondeu que não viu falhas na ação do tribunal, mas reconheceu que não esperava que a onda de desinformação se voltasse contra a própria instituição e que ainda não há uma solução para impedir o problema.

“Nós entendemos que não houve falha alguma da Justiça Eleitoral no que tange a isso que se chama fake news. A desinformação é um fenômeno mundial que se faz presente nas mais diferentes sociedades. Gostaríamos de ter uma solução pronta e eficaz, de fato, não temos”.

Rosa Weber se negou a comentar sobre a ação ingressada pelo PT para investigar a denúncia de que empresas teriam atuado na disseminação em massa nas redes sociais de notícias falsas contra o candidato Fernando Haddad (PT) em favor de seu oponente, Jair Bolsonaro (PSL).

Segundo o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, o caso está sendo investigado e não é possível dar detalhes sobre o processo, pois o inquérito corre sob sigilo.

O ministro apresentou ainda um balanço das denúncias de crimes eleitorais durante o primeiro turno. Segundo ele, a Polícia Federal lavrou 245 termos circunstanciados e 469 inquéritos policiais. Além disso, 455 pessoas foram conduzidas para depoimentos e outros 266 apreendidos. Os principais crimes registrados foram propaganda eleitoral irregular, promoção de informações falsas e compra de votos.

“Aqueles que têm interesse de produzir notícias falsas fiquem sabendo que não existe anonimato na internet e a Polícia Federal tem tecnologia e recursos humanos para chegar neles aqui ou em qualquer lugar do mundo”, alertou o ministro.

O ministro também adiantou que o centro integrado de controle para as eleições retomará os trabalhos a partir desta segunda-feira (22), a partir das 15 horas e que os representantes dos dois candidatos à Presidência foram convidados a acompanhar a atuação do centro, que funcionará 24 horas por dia até o fim do segundo turno, no próximo dia 28 de outubro.

Também participaram da entrevista os ministros do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cláudio Lamachia, o vice-procurador do Ministério Público Eleitoral, Humberto Jacques, os ministros do Superior Tribunal de Justiça, Og Fernandes e do TSE, Tarcício Mello, o delegado da Polícia Federal, Elzio Vicente da Silva, além de técnicos de segurança da informação do Tribunal. (ABr)
Compartilhar:

Aplicação do Enem terá quatro horários diferentes



O Ministério da Educação (MEC) alerta os estudantes inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 que a partir do primeiro dia da aplicação das provas, 04 de novembro, o país terá quatro fusos horários diferentes. Devido ao horário de verão, que entrará em vigor no mesmo dia da prova, os portões dos locais de realização do exame serão abertos e fechados em horários diferentes nos estados.

O relógio deverá ser adiantado em uma hora à meia noite de sábado (3) para domingo (4) pelos estudantes do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Neste grupo de estados, com exceção de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, a abertura dos portões dos locais das provas será às 12 horas e o fechamento às 13h.

Para estudantes do Amapá, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe, os portões serão abertos Às 11h e o fechamento Às 12h, seguindo o horário local.

Nos estados do Amazonas, Rondônia e Roraima, os participantes poderão ingressar os locais de prova entre 10h e 11h, de acordo com o horário local. E no Acre, que tem fuso horário de três horas a menos em relação a Brasília, os portões serão abertos às 9h e fechados às 10h, também seguindo horário local.

Os cartões de confirmação da inscrição estarão disponíveis para consulta a partir da próxima segunda-feira (22), na página do participante. No cartão, são informados os dados dos estudantes, local de prova, data e horários de aplicação da prova. A segunda etapa das provas será aplicada em 11 de novembro. (ABr)
Compartilhar:

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Santarém e Juruti recebem segunda etapa do projeto Conexão Sustentável Alcoa, com teatro e cinema gratuitos


Os municípios de Santarém e Juruti, no oeste do Pará, recebem nas próximas semanas a segunda etapa do Conexão Sustentável Alcoa. O Cinemóvel, sala itinerante climatizada, com 30 poltronas e espaço para cadeirantes, vai visitar o Pará a partir do dia 22 de outubro. Na programação, voltada principalmente a estudantes da rede municipal de ensino, estão previstas sessões diárias de teatro e cinema, com apresentação de filmes e de espetáculo especialmente criado para divertir o público e disseminar mensagem sobre a importância da preservação do meio ambiente. Na primeira etapa do projeto, em setembro, o Palcomóvel passou pelo Pará e recebeu um público de 5000 pessoas.

Em Santarém, o Cinemóvel vai estacionar em três locais: no bairro Prainha (junto ao quartel do Corpo de Bombeiros, de 22 a 24 de outubro); no Centro (junto à APAE, dia 25) e em Alter do Chão, no dia 26. Depois o projeto parte para Juruti, onde haverá apresentações no Tribódromo e em nove comunidades.

A atração teatral será a Cia Trip, com a peça O Caso da Tartaruga Marbela. Os palhaços Tutulio e Rose Lopes encontram uma tartaruga marinha intoxicada com plástico e levantam uma discussão sobre os danos que gestos como jogar o lixo em local impróprio podem causar. A programação de cinema inclui sucessos como Trolls e Os Sem Floresta, que também podem levar as crianças a repensar gestos e atitudes. A sala onde ocorrem as apresentações tem sistema de som estéreo e telão de 120 polegadas.

“ A conscientização sobre as diferentes formas de preservar o meio ambiente é muito importante para toda a sociedade. Com o projeto, buscamos estimular que isso ocorra nas localidades onde atuamos, de forma lúdica”, diz a gerente de Programas do Instituto Alcoa, Tatiana Bizzi. Antes de chegar ao Pará o Conexão Sustentável Alcoa esteve no Maranhão. A próxima parada será em Santa Catarina (Campo Belo do Sul).

Aprovado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, com produção da Magma Cultura, o Conexão Sustentável Alcoa chega à quarta edição em 2018. O projeto iniciou em agosto e a expectativa para o ano é promover 168 apresentações de teatro e 84 sessões de cinema. Em Santarém a iniciativa tem apoio do Governo do Estado. Em Juruti, o projeto tem parceria com a Prefeitura Municipal.

Programação

Santarém/PA

22 a 24/10 - Quartel do Corpo de Bombeiros – 4º GBM
Av. Dom Frederico Costa, 647 – Prainha
Horários: 8h30 – 10h – 14h – 15h30 – 19h

25/10 - APAE
R. Vinte e Quatro de Outubro, 2668 – Centro
Horários: 8h30 – 10h – 14h – 15h30 – 19h

26/10 - Alter do Chão
Horários: 8h30 – 10h – 14h – 15h30 – 19h
3- Juruti/PA
29 de Outubro a 02 de Novembro – Tribódromo
8h30 – 10h – 14h – 15h30 – 19h
05/11 – Comunidade São Benedito

06/11 – Comunidade São Paulo

07/11 – Comunidade Café Torrado

08/11 – Comunidade Galiléia

09/11 – Comunidade PomPom

10/11 – Comunidade São Pedro

12/11 – Comunidade Jabuti

13/11 – Comunidade Urucurana

14/11 – Comunidade Curuai

Duas sessões diárias

Fonte: Divulgação/ All Press - Comunicação Integrada
Compartilhar:

Com 136 médicos, HRBA é referência em procedimentos de alta complexidade


Em pouco tempo, o Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém (PA), se consolidou como referência em atendimentos de alta e média complexidades na região norte do Brasil. Inaugurado em dezembro de 2006, o Hospital é considerado pelo Ministério da Saúde e a Revista Exame, como uma das 10 melhores Unidades de saúde do país. Somente em 2017, foram mais de 814 mil atendimentos. O resultado é fruto do trabalho de quase 1.400 profissionais, sendo que 136 médicos integram a equipe.

Para comemorar o Dia do Médico, lembrado em 18 de outubro, o Hospital Regional do Baixo Amazonas realizou um café da manhã especial para os profissionais. Na ocasião, também foram entregues cartas escritas pelos usuários, agradecendo pelos cuidados recebidos ao longo dos tratamentos. “Hoje, especialmente, eu quero dizer aos nossos médicos: muito obrigado! Se o hospital atingiu esse nível de excelência, mesmo estando em Santarém, com todos os desafios geográficos impostos pela região, nós provamos ser ainda melhores, porque superamos esses desafios. Tudo isso só é possível graças ao trabalho de vocês”, reconhece o diretor Hospitalar Hebert Moreschi.

O diretor ainda destaca a importância do Hospital para a formação dos futuros profissionais. Atualmente, o HRBA conta com 42 residentes médicos. A residência é disponibilizada pela Universidade do Estado do Pará (Uepa), em 12 especialidades. “Nosso hospital não é só assistência. Nós vivemos na região do país que tem a menor relação médico por população. A necessidade é ter 1.500 médicos atuando, nós temos 300”, explica Moreschi.

O diretor Técnico, Epifanio Pereira, reforçou a importância da atuação dos profissionais. “Ser médico é uma missão. Eu vejo a história de cada profissional daqui e fico muito orgulhoso em fazer parte desta família. Eu tenho certeza que este Hospital, dentro da sua trajetória, vai alcançar níveis de excelência cada vez maior. A nossa missão aqui não é uma missão qualquer, é deixar um legado. Isso é, talvez, a parte mais importante que nós seres humanos podemos fazer pela nossa sociedade”, afirma.

Para o otorrinolaringologista Paulo Eli, o princípio básico da profissão é saber servir. “Na hora que nós nos conscientizarmos de que a nossa função é de simplesmente servir, nós teremos alcançado a real estatura de sermos médicos.”

Fonte: Ascom/HRBA
Compartilhar:

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

MPF denuncia estudante de economia da Ufopa por racismo no Facebook



O Ministério Público Federal (MPF) denunciou um estudante de economia da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) pelo crime de racismo, por ter feito um comentário racista na página da universidade no Facebook, durante uma transmissão ao vivo que mostrava o ritual indígena de recepção dos calouros indígenas e quilombolas, na manhã do dia 11 de maio deste ano. O ritual ocorreu em Santarém.

O aluno, identificado como Francisco Albertino Ribeiro dos Santos, entrou na página da Ufopa durante a transmissão e escreveu o seguinte comentário: “Povo besta se fazendo de coitado. Levanta a cabeça e estuda. Mostra que embaixo dessa pele negra tem cérebro e não um estômago faminto”. O comentário ofensivo, diz o MPF, é criminoso de acordo com a lei 7.716/1989, que estabelece o crime de racismo no Brasil.

O artigo 20 da lei prevê penas de 2 a 5 anos de prisão e multa para quem “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou o preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”, “por intermédio dos meios de comunicação ou publicação de qualquer natureza”. O crime é imprescritível e inafiançável.

“O comentário proferido pelo denunciado, e os termos utilizados, ao menosprezarem suas inteligências e tratá-los como ‘famintos’, além de inferiorizante, traz à tona realidades que o Estado brasileiro tende a ultrapassar, e vai de encontro aos esforços sociais e institucionais que visam ao combate da discriminação e à justiça social”, diz a denúncia do MPF.

“Em tempos como o presente, em que a intolerância e o ódio são amplamente disseminados nas redes sociais, sobretudo por um dos candidatos à presidência da República nas eleições gerais de 2018 e por vários de seus apoiadores, a presente denúncia, além de visar a punição do acusado no caso específico destes autos, tenciona alertar a sociedade brasileira que não há invisibilidade de crimes eventualmente cometidos no meio cibernético. Busca alertar, ainda, pela necessidade de se cultivar práticas cotidianas de maior empatia e respeito à diversidade, em todas as suas formas”, complementa o texto da ação.

O estudante, de acordo com a investigação do MPF, é aluno do curso de bacharelado em ciências econômicas da Ufopa. Os dados recolhidos foram enviados à Universidade para que ela tome as providências institucionais e administrativas que julgar cabíveis, de acordo com seu próprio regimento interno.

O MPF lembra, ainda, que a Ufopa tem um papel fundamental na promoção da igualdade étnico-racial por receber, por meio de ações afirmativas, um grande contingente de alunos indígenas e quilombolas. “A ação realizada pela instituição, que fora transmitida ao vivo via Facebook na qual o denunciado proferiu os comentários de cunho racista, estava voltada a recepcionar e acolher estes alunos que fazem parte destes povos que, historicamente vulnerabilizados e a duras penas, hoje têm o mínimo de acesso à educação”, diz a denúncia.

Processo nº 0003691-58.2018.4.01.3902 – 1ª Vara da Justiça Federal em Santarém (PA)

Íntegra da ação

Consulta processual

Fonte: Ministério Público Federal no Pará
Compartilhar:

Frente partidária de Santarém lança manifesto para 2°turno


A Frente Partidária Pela Defesa da Democracia encabeçada pelas direções municipais do PT, PCdoB e PSOL em Santarém, lança esta semana Manifesto de Apoio à candidatura do professor universitário Fernando Haddad, que concorre ao cargo de Presidente da República.

A Frente vem liderando desde o dia 08/10 o trabalho de mobilização e divulgação das propostas de Haddad, que disputa o 2º Turno das eleições presidenciais.

“Entendemos que não se trata apenas de uma simples disputa eleitoral partidária, e sim a defesa da Democracia e dos direitos trabalhistas, diante do discurso defendido pelo candidato militar à Presidência”, explica a presidente do PT, Socorro Pena, uma das coordenadoras da Frente.

“Não podemos aceitar que um candidato que desrespeita as mulheres e as minorias, com discursos que disseminam o ódio, vencer as eleições e pôr em risco todas as conquistas sociais de décadas”, afirmou Heloíse Rocha, presidente do PSOL Santarém.

Para o secretário geral do PCdoB em Santarém, Jota Ninos, “o candidato militar é despreparado e se utiliza apenas de mentiras forjadas na internet, as Fakenews, o que é um perigo para a democracia brasileira”.

Além dos três partidos de esquerda (o PCdoB integra a mesma coligação do PT, e o PSOL apoiou o candidato Guilherme Boulos, no 1º turno), lideranças de outros partidos, inclusive vários vereadores municipais, além de vários sindicatos e entidades do movimento social também vão participar do manifesto.

A imprensa será convidada para registrar o evento, que também será exibido pela internet através do Facebook, na fanpage: https://www.facebook.com/tapajoshaddademanu/

Serviço:

Evento: Manifesto pela Democracia.
Local: sede do Sindicato dos Urbanitários, Av. Borges Leal, 670, entre Rua José Agostinho e Rura Rosa Passos (Prainha).
Horário: 18h00
Compartilhar:

Programação celebra 20 anos do Campus da Uepa, em Santarém



A Universidade do Estado do Pará (Uepa) comemora 20 anos de implantação em Santarém. Para celebrar o aniversário, a coordenação do Campus realizará uma agenda de eventos esportivos, científicos e culturais entre os dias 19 e 22 de outubro. Durante a programação, haverá homenagens aos servidores que contribuíram com essa trajetória.

Alunos, técnicos e professores participarão da Gincana Universitária prevista para ocorrer às 17h desta sexta-feira, 19 de outubro. As equipes se preparam para um jogo de perguntas e respostas sobre a história do Campus, gritos de guerra e show de talentos.

No sábado, 20, e no domingo, 21, haverá o torneio esportivo nas modalidades vôlei, futebol e natação. Já na segunda, 22, será a solenidade oficial com culto ecumênico e entrega de certificado aos funcionários com mais de 10 anos de efetivo exercício no campus. Durante o evento também será discutida a mesa redonda “ A Universidade no interior da Amazônia”, além da exibição de um memorial fotográfico de resgate histórico com imagens das primeiras turmas da Instituição.

Inaugurado no dia 22 de outubro de 1998, o Campus iniciou as atividades com o curso de Educação Física. Atualmente a instituição oferta vagas em Licenciatura em Música; Enfermagem; Fisioterapia; Medicina, além do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor) em Licenciatura em Geografia e Educação Física. O Campus é dotado de laboratórios, biblioteca, ginásio poliesportivo, piscina semiolímpica, sala de dança, academia, campo de futebol, auditório e sala de videoconferência.

SERVIÇO:

Aniversário de 20 anos da Uepa em Santarém
Local: Avenida Plácido de Castro, 1399 - Aparecida.

Datas:
19 de outubro - Gincana Universitária, às 17h.
20 e 21 de outubro - Torneio esportivo, às 8h.
22 de outubro - Solenidade, às 18h.

Fonte: Ascom/Uepa
Compartilhar:

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Prefeito assina ordem de serviço para as obras de urbanização da Vila Arigó


O prefeito de Santarém Nélio Aguiar e o secretário Municipal de Infraestrutura Daniel Simões assinaram nesta quarta-feira (17) a ordem de serviço para o início das obras de urbanização da Vila Arigó, no bairro Prainha, em Santarém, no oeste do Pará. A assinatura também contou com a presença de lideranças da Associação do Bairro da Prainha, representante da empresa responsável pela obra e de engenheiros da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminfra).

"Estivemos junto com os moradores vendo no local a situação da Vila Arigó e os impactos, principalmente, relacionados à poeira produzida na operação portuária tanto das empresas que estão operando na Vila Arigó, quanto das empresas já instaladas no bairro da Prainha e que trabalham com carga e descarga, com transporte de cargas pesadas. A obra consiste num projeto urbanístico voltado para a contemplação turística e paisagística", ressaltou o gestor municipal Nélio Aguiar.

O secretário de Infraestrutura destacou a participação efetiva da comunidade para a realização desse projeto. "Os representantes estiveram em todas as reuniões para juntos elaboramos o projeto de urbanização. A partir da próxima semana a equipe da empresa Peixoto Construtora já estará no local. Na obra constam quiosques, banheiro, quadra poliesportiva, playground, bancos e estacionamento numa área de 4.189,47m2. Serão investidos R$ 1.926.226,74, com a contrapartida da prefeitura no valor de R$ 75.359,79 e com o repasse de R$1.850.800,95", explicou.

Para o presidente da associação de moradores do bairro da Prainha, Raimundo Adevaldo, essa obra vai além do turismo, representa mais qualidade de vida para aproximadamente 7 mil pessoas que moram na Grande Área. "Essa obra representa a solução de vários problemas que o bairro apresenta, tanto na Vila Arigó quanto para moradores da parte de cima (Borges Leal). Quero destacar que acompanhamos o processo do projeto desde o início e temos que agradecer também a equipe de manutenção de vias, que mesmo antes de ser aprovado o projeto de urbanização os funcionários estiveram nos ajudando com a recuperação de algumas vias. Contaremos com mais um ponto turístico na cidade", agradeceu. (Ag. Santarém)
Compartilhar:

Leis que normatizam serviços de inspeção garantem segurança alimentar à população


Considerando a necessidade de regulamentar os Serviços de Inspeção dos Produtos de Origem Animal (Simpoa) e dos de Origem Vegetal (Simpov) no município Santarém, o prefeito Nélio Aguiar sancionou no dia 10 de setembro de 2018 as leis nº 20.438 (Simpoa) e nº 20.439 (Simpov).

Conheça os serviços
Serviço de Inspeção Municipal de Origem Animal (Simpoa)

Você sabia que a carne que chega até a sua mesa é fiscalizada e inspecionada? Pois é, ela precisa ter sua produção inspecionada para que esteja adequada ao seu consumo. Por isso, o Serviço de Inspeção Municipal de Santarém (SIM) que é vinculado à Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca (Semap), preza pela qualidade dos produtos que você consome. A secretaria dispõem de médicos veterinários e agentes que são capacitados para o acompanhamento na produção e fabricação do produto.

No ano de 2009, a Prefeitura de Santarém instituiu o Serviço de Inspeção Municipal de Produtos de Origem Animal (Simpoa), através da Lei nº 18.333 de 14 de dezembro de 2009. Desde então, a normativa regula a obrigatoriedade da prévia inspeção e fiscalização dos produtos de origem animal, comestíveis e não comestíveis no município. No entanto, a lei precisava de uma reformulação para que pudesse atender de uma forma mais clara as indústrias e abranger, principalmente, todas as espécies animais de matérias primas que poderiam ser processadas dentro do município.

No dia 10 de setembro de 2018, a lei nº 18.333 de 14 de dezembro de 2009 foi revogada e passou a valer a nova lei nº 20.238 de 21 de junho de 2018. A nova lei estabelece normativas a serem cumpridas em todo o território municipal, quanto a inspeção industrial e sanitária de produtos de origem animal, comestíveis e não comestíveis. Também compõe o registro sanitário dos estabelecimentos que produzem matéria prima, manipulação, industrialização, distribuição e venda dos produtos de origem animal, bem como seus rótulos e embalagens.

A médica veterinária e coordenadora do SIM Derliany Duarte afirma que a reformulação da lei foi essencial, pois agora o SIM terá condições de atender um número maior de industrias e todas as espécies de origem animal. "Fez necessário essa revogação para que nós pudéssemos ter uma abrangência maior em todos os setores na parte de processamento, fiscalização, inspeção e registros. Porque a lei anterior registrava apenas pessoas jurídicas empresas e agora atenderemos pessoas físicas, onde elas poderão ter o seu produto registrado no SIM", concluiu a coordenadora.

Qual a importância do consumo de alimentos inspecionados?
Para garantir que o alimento forneça os nutrientes necessários e evite problemas à saúde humana, ele deve estar em boas condições de consumo. Para isso, são necessários cuidados na produção, elaboração, armazenamento e distribuição, pois em qualquer fase pode ocorrer contaminação dos alimentos por microrganismos, toxinas, parasitas, substâncias químicas e outros agentes nocivos à saúde, que podem provocar doenças.

Como funciona o serviço?
Imagine um produtor rural ou uma cooperativa que necessite colocar seu produto no comércio local. Para que isso aconteça ambos precisam se inscrever para obter registro no Serviço de Inspeção Municipal, documento que atesta que as condições higiênico-sanitárias do processamento artesanal e/ou industrial foram obedecidas, conforme estabelece a legislação. Assim, um produto que obteve o registro passou pelos processos de manipulação, beneficiamento, industrialização, fracionamento, rotulagem e armazenamento, de acordo com os critérios de segurança e qualidade.

Quem possui o Simpoa em Santarém?
Atualmente onze estabelecimentos em Santarém possuem o Simpoa, sendo estes: cinco frigoríficos de abate de bovídeos, um abatedouro de aves, uma usina de leite e derivados, uma granja processadora de ovos e 3 unidades de beneficiamento (carnes, aves e pescados). Desde a sua criação em 2009 até o ano de 2017 apenas 6 empresas de industrias tinham cadastro no SIM. Na gestão atual, em menos de 2 anos houve um crescimento expressivo, com o registro de mais 5 empresas, totalizando 11 atualmente.

Vale ressaltar que a inspeção dos produtos de origem animal não se restringe apenas ao setor de produção (frigoríficos de bovídeos e aves), mas também inclui estabelecimentos que recebem e industrializam ovos, leite e derivados, pescados, mel, cera de abelhas entre outros.



Serviço de Inspeção Municipal de Origem Vegetal (Simpov)

Em Santarém não havia uma lei que regulamentasse o Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal que pudesse atender as demandas das indústrias, principalmente as que comercializam polpas de frutas e também alguns derivados que são preparados, manipulados e comercializados em feiras e mercados do município.

Agora os santarenos já podem comemorar. A criação da lei nº 20.439 de junho de 2018 regula a obrigatoriedade da prévia inspeção e fiscalização dos produtos de origem vegetal, comestíveis e não comestíveis no município. Serão sujeitos a fiscalização produtos e subprodutos de origem vegetal, frutas, polpas, cereais, verduras, raízes, tubérculos, legumes e outros produtos de origem vegetal.

"A lei que cria o Simpov é de grande importância para os nossos pequenos e médios agricultores do município de Santarém. Com esta legislação, temos a possibilidade de estar regulamentando o serviço de inspeção e levando saúde pública a toda a população. Tendo em vista, que o serviço hoje já instituído terá um controle rigoroso no processo de fiscalização da cadeia produtiva, desde o campo até o processamento", explicou o secretário da Semap, Bruno Costa.

O Simpov também estará vinculado à Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca (Semap) através de uma coordenação geral onde os trabalhos serão realizados por profissionais da área especifica e treinados para a execução dos serviços. Pelo fato de ser recente, a equipe ainda está sendo montada pela pasta.

Fonte: Agência Santarém
Compartilhar:

Jacaré com mais de 3 metros de comprimento é devolvido à natureza


Um jacaré-açu - Melanosuchus niger - de 3 metros e 30 centímetros de comprimento foi solto no início da tarde desta quarta-feira (17) por equipe de fiscalização da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), ZooUnama e Corpo de Bombeiros. O animal foi encontrado na manhã de hoje nas imediações da área da Sudam, bairro Salé.

Trabalhadores da área tomaram um susto ao se depararem com o jacaré de grande porte e acionaram o Corpo de Bombeiros que fez o resgate.

Após a captura, o animal foi levado para o ZooUnama onde passou por avaliação veterinária. Apresentando excelentes condições de saúde, o exemplar foi liberado para reintrodução ao habitat natural.

"Trata-se de um macho. Constatamos apenas algumas escoriações devido a contenção física por moradores da área, onde foi encontrado", informou a veterinária Ianne Posiadlo.

A equipe da Semma, Corpo de Bombeiros e ZooUnama seguiram de lancha até a ponta do Urubú, onde realizaram a soltura do animal nas águas do Rio Amazonas.


Fonte: Agência Santarém
Compartilhar:

Instituto Alcoa incentiva educação ambiental em escolas de Juruti


O Instituto Alcoa realizou a doação de materiais pedagógicos para as cinco escolas participantes do Programa ECOA – Educação Comunitária Ambiental em Juruti. O programa vem sendo desenvolvido em parceria com a Prefeitura Municipal de Juruti e a empresa Evoluir desde 2014.

O Programa ECOA incentiva a transformação da cultura escolar a partir de temas como aprendizagem social, formação de educadores, aprendizagem baseada em projetos e engajamento comunitário. Para o gerente geral da Alcoa Juruti, Brett Hodges, o ECOA vem contribuindo para ajudar a sociedade a pensar no seu futuro. “Criar consciência ambiental nas nossas crianças, nos dá a certeza de que teremos futuros cidadãos e profissionais com potencial para uma convivência ambientalmente responsável”, destacou.

O vice-presidente Global de Operações de Bauxita da Alcoa, Michael Gollschewski, que esteve recentemente em visita às operações da mina de bauxita de Juruti, entregou os materiais pedagógicos aos alunos e educadores da Escola Rosa de Saron.

A diretora da unidade escolar, Antonia Maria Rodrigues de Sousa, agradeceu pelos materiais recebidos: “o kit traz verdadeiras joias para nossa escola e vieram na hora certa”. Os materiais serão usados pelas 420 crianças, de 8 a 13 anos de idade, em atividades de leitura e produção textual. “Esses livros são muito importantes no processo de aprendizado dos nossos alunos. Com certeza serão muito úteis para incrementar nosso conteúdo”, disse a diretora, acrescentando que por meio desse incentivo à prática ambiental, a escola começou, em 2017, a produção de hortaliças e este ano vai incentivar o cultivo de plantas ornamentais no ambiente escolar.

Destacando a importância da água para o planeta, o kit contém um tabuleiro gigante onde os alunos podem participar de jogos que estimulam práticas da conservação ambiental. O kit também abrange 50 exemplares do livro “Heróis em Defesa da Água” e 14 bichinhos de pelúcia com elementos da fauna marítima. O mesmo kit foi entregue às escolas Batista e Nossa Senhora da Saúde (cidade), Getulio Vargas (Comunidade Castanhal) e Gregório Araújo (Comunidade São Pedro).

Rosângela Barbosa, educadora de campo do ECOA, explicou que através da Aprendizagem Baseada em Projetos o programa trabalha a educação da criança prezando a autonomia e o respeito aos indivíduos. “Crianças que antes manifestavam dificuldade no relacionamento com alunos e professores, agora se transformaram, demonstrando todo o seu potencial que a gente descobre e as incentiva a desenvolver”, observa. Em Juruti, o programa ECOA é desenvolvido em parceria com a Prefeitura Municipal.

Fonte: Comunicação | Alcoa Juruti
Compartilhar:

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Famílias comemoram a chegada da energia no ramal da Rocha Negra


O projeto implantado pela Celpa no bairro Cambuquira, vem permitindo que mais de 18 famílias do ramal Rocha Negra, localizado a 18 quilômetros do centro da cidade, tenham acesso à energia elétrica de qualidade e segura.

No local, a empresa implantou um quilometro de rede elétrica e trabalhou na melhoria de 800 metros do sistema, com a instalação de 38 postes e 16 transformadores. O investimento foi de aproximadamente R$ 56 mil.

O agricultor José Souza, 81 anos, mora no ramal desde que nasceu e agora ele agrade e comemora. “Não há felicidade maior, porque graças a Celpa, podemos demonstrar essa alegria de todo mundo tá no claro, hoje”, reforça.


O serviço da concessionária também garante maior agilidade na identificação de eventual interrupção no fornecimento e no atendimento às solicitações dos clientes. O sistema implantado na Rocha Negra usa tecnologia de ponta que diminui os riscos de curto-circuito em dias de chuva, por exemplo.

Junto com a energia, os moradores do ramal também foram contemplados com diversos serviços da Celpa, como o da tarifa de energia elétrica que garante até 65% de desconto na conta de energia para a população baixa renda.

Maria Pereira, tem 75 anos, e há 40 mora no ramal da Rocha Negra. Antes da luz chegar na casa dela, a aposentada lembra dos R$ 70 que pagava, toda semana, por um pacote de gelo, que servia para salgar pescado e, de vez em quando, garantir água gelada para ela, o marido e o filho. Hoje, além do conforto com o uso de eletrodomésticos, os gastos reduziram. “A gente não tinha nada em casa, e, agora, temos geladeira, televisão, liquidificador...Aos poucos, vamos comprando nossas coisinhas porque a energia nos permite viver melhor. Não sabemos mais viver sem a energia que a Celpa trouxe pra gente", comemora.

Para o executivo de Expansão da Celpa Lúcio Oliveira, a empresa visa um atendimento mais humanizado e mais próximo dos clientes. “É uma obra que agrega mais valor à região que ficou economicamente mais ativa, portanto, a Celpa mostra o papel que tem, nas esferas social e econômica, e transforma sonho em realidade”, conclui.

Fonte: Divulgação/Celpa
Compartilhar:

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Barbearia Mr. Oliver apresenta tributo a Renato Russo



Para celebrar os 22 anos sem Renato Russo, a Barbearia Mr. Oliver faz nesta sexta-feira (12), uma homenagem ao líder da banda Legião Urbana com um show em tributo ao poeta que permanece no meio de nós, com suas canções eternizadas em versos e poesias.

Há exatos 22 anos, o Brasil dava adeus ao artista que morreu em consequência de complicações causadas pela Aids, no dia 11 de outubro de 1996.

Renato Russo morreu jovem, no auge da sua carreira e compondo canções que retratavam a realidade vivida por muitos de seus fãs, que até hoje cultuam o ex-vocalista da Legião Urbana.

Foi-se o artista e ficou sua obra. E que obra!

E foi pensando em relembrar um pouco do legado do poeta Renato Russo, que a Barbearia Mr. Oliver programou para amanhã, dia 12, feriado, um show especial com a banda Capitão Barbosa, com repertório todo da Legião Urbana para a alegria dos fãs.



A programação começa a partir das 21 horas com a apresentação da banda Vey Keller de Altamira. Em seguida, a banda Capitão Barbosa tocando os maiores sucessos da Legião.

A Barbearia Mr. Oliveira está localizada na avenida Marechal Rondon canto com a travessa 7 de Setembro, no bairro de Aparecida, em Santarém.

A entrada custa R$ 10,00.
Compartilhar:

Pediatras pedem uso racional de exames por imagens em crianças

Uma campanha da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) alerta para os riscos da exposição excessiva de crianças e adolescentes a exames de diagnóstico por imagem como tomografias computadorizadas e raios x.

A proposta é estimular o uso racional dessas ferramentas, contando com o apoio de pais e profissionais de saúde. Também há a preocupação, por parte de pediatras, em fazer com que técnicos responsáveis pela execução dos exames façam as adaptações necessárias aos equipamentos, adequando-os às características físicas desses pacientes.


Campanha alerta para riscos da exposição excessiva de crianças e adolescentes a exames de diagnóstico por imagem como tomografias computadorizadas e raios x. Meta é estimular uso racional dessas ferramentas (Arquivo/Agência Brasil)

“Para os médicos, os exames de imagem (raios x, tomografias, ultrassonografias e ressonância) são muito úteis à medicina e, por vezes, essenciais ao diagnóstico em adultos e crianças. Entretanto, alguns desses exames emitem radiação nociva à saúde e, por isso, a SBP, em parceria com outras entidades nacionais e internacionais, lança uma campanha que alerta sobre o uso racional dessas ferramentas. Além dos pediatras, os radiologistas e outros técnicos envolvidos no processo também devem ser bem orientados”, explicou a entidade, por meio de comunicado.

Para a presidente da SBP, Luciana Rodrigues Silva, é preciso cautela para não expor crianças e adolescentes a riscos desnecessários. Essa população, segundo ela, possui tecidos e órgãos ainda em desenvolvimento e apresenta, portanto, maior sensibilidade aos efeitos da radiação ionizante sobre o corpo humano. Quanto mais jovem for o paciente, maiores são as chances de desdobramentos adversos.

A orientação é que, durante a consulta, os especialistas façam uma investigação atenta e solicitem o exame apenas quando sinais e sintomas exigirem. Pediatras e demais médicos devem ainda alertar os pais sobre os riscos.

“Não são raros os casos em que os procedimentos decorrem de um pedido da própria família”, lembrou Luciana, ao destacar ser fundamental individualizar a situação de cada paciente, com bom senso crítico e uma boa hipótese diagnóstica, antes de solicitar exames complementares e, em muitas oportunidades, até discutir a possibilidade com o radiologista.
Números

Dados do Sistema de Informações Ambulatoriais do Sistema Único de Saúde (SUS) mostram que cerca de 350 milhões – 4% de todos os procedimentos médicos por imagem nos últimos dez anos – foram realizados em crianças e adolescentes de até 19 anos. Um ponto que chama a atenção, segundo a SBP, é que, embora o tamanho dessa população tenha diminuído no período, o volume de exames de diagnóstico por imagem aumentou em todo o país.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2008 havia no Brasil 67,9 milhões de crianças e adolescentes de 0 a 19 anos, algo em torno de 36% da população daquele ano. Já em 2017, o número passou para 63 milhões, baixando a representatividade do grupo pediátrico para 30% da população brasileira. Ao comparar os dois números, a queda foi de 7%.

Apesar da mudança no perfil demográfico, no caso das tomografias computadorizadas, o volume de exames realizados em pacientes com idade até 19 anos dobrou nesse intervalo de tempo, passando de 225,4 mil em 2008 para 466,9 mil no ano passado. As maiores variações percentuais foram observadas no Espírito Santo (aumento de 466%), no Rio de Janeiro (420%), no Acre (351%), em Santa Catarina (249%), em Mato Grosso do Sul (214%), no Amazonas (190%), em Alagoas (186%), no Paraná (167%), em Goiás e no Tocantins (ambos com 143%).

Já as unidades da Federação onde o aumento percentual foi menos significativo foram Paraíba (com alta de 48%), Distrito Federal (47%), Ceará (25%), Minas Gerais (13%) e Sergipe, onde não foi percebida mudança no número de exames realizados. Em São Paulo, estado que responde pela maior produção desse tipo de procedimento no país, o número cresceu 94%, saltando de 71.420 em 2008 para 138.838 em 2017.

“A SBP reconhece que uma parte dessa alta produtividade pode ser consequência da ampliação no número de equipamentos disponíveis para exames, em especial, nos estados menos desenvolvidos ou onde a rede pública recebeu investimentos mais consistentes na área. Contudo, argumentam os especialistas, o aumento proporcional é muito maior do que o crescimento da infraestrutura disponível, o que sugere a utilização dos procedimentos de modo não racional.”

De acordo com o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, atualmente existem 4.588 tomógrafos computadorizados em funcionamento no Brasil. Destes, 2.007 (44%) estão disponíveis no SUS, que atende a 160 milhões de brasileiros. No caso dos aparelhos de raios-X, são 25.243 unidades, das quais 10.286 (41%) estão na rede pública.

Os números mostram que a Região Sudeste, sozinha, concentra 40,5% dos tomógrafos computadorizados de todo o país. No caso dos equipamentos de raios x, o percentual chega a 41%. Só o estado de São Paulo concentra um quinto dos equipamentos de todo o país, com mais tomógrafos computadorizados (392) e raios x (1.900) no SUS do que a soma das regiões Norte e Centro-Oeste: 311 tomógrafos computadorizados e 1.775 raios x.
Calibragem

A médica radiologista Dolores Bustelo, uma das organizadoras da campanha, alerta que falhas na calibragem de equipamentos também constituem um problema frequente. Segundo ela, estudos confirmam ser possível reduzir as doses de radiação aplicadas durante os exames de tomografias computadorizadas, sem perder a qualidade do resultado e nem interferência no diagnóstico.

Ainda de acordo com a especialista, quando uma tomografia ou um exame de raio x são estritamente necessários para uma criança, devem ser usados aparelhos que permitam a sua adequação em função do peso do paciente e da extensão da área a ser analisada. Se bem manuseados, é possível reduzir significativamente a exposição à radiação. (ABr)
Compartilhar:

Mais de R$ 180 mil em prêmios para quem está com a conta de luz em dia


Celpa lança a promoção “Muito Melhor pra Você Ficar em Dia”, com sorteios de motos, geladeiras, televisores, celulares e um carro zero quilômetro

Todos os clientes da Celpa já podem se cadastrar na promoção “Muito Melhor pra Você Ficar em Dia”, que concederá cerca de R$ 180 mil em prêmios no período de 12 meses para quem estiver em dia com a conta de energia. Terão ainda mais vantagens os clientes que possuírem débito automático e quem optar por receber a fatura por e-mail. Ao final da promoção, em setembro de 2019, haverá o sorteio de um carro zero quilômetro.

Para participar dos sorteios, que serão realizados pela Loteria Federal, os clientes deverão entrar no site da empresa, owww.celpa.com.br, clicar na imagem da promoção “Muito Melhor para Você Ficar em Dia” e cadastrar os dados pessoais do titular da conta contrato. No ato da inscrição, o cliente receberá um número da sorte, que servirá para identificá-lo. O cliente que cadastrar sua conta no débito automático receberá dois números da sorte extras por mês e R$ 50,00 reais em bônus de celular, validos para contas do tipo controle e pré-pago. Já o cliente que se cadastrar para receber a fatura por e-mail, receberá um número da sorte extra.

OS PRÊMIOS – Os sorteios do “Muito Melhor pra você Ficar em Dia” ocorrerão mensalmente e ao longo dos 12 meses de promoção serão sete motos, 28 celulares, 28 geladeiras e 28 televisores de LED. Os contemplados receberão vales-compras no valor dos itens listados.

O sorteio final, que ocorrerá em setembro de 2019, será de um carro zero quilômetro, no modelo Renault KWID, para os clientes que estiverem em dia por três meses consecutivos no dia do sorteio do automóvel.

Para o presidente da Celpa, Marcos Almeida, a promoção é uma forma da Celpa mostrar que é uma empresa humana, justa e que respeita seus clientes. “É muito importante a gente valorizar e respeitar os consumidores que mantém a conta em dia mesmo com um cenário econômico não muito favorável no país. Então, a promoção, que no ano passado foi um enorme sucesso, é um reconhecimento aos clientes que entendem o valor da energia como serviço essencial e priorizam o pagamento da conta”, finaliza o presidente.

Fonte: Divulgação/Celpa
Compartilhar:

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Homologado acordo para realização de estudos sobre território reivindicado por indígenas no Pará



Área reivindicada pelos Munduruku do planalto santareno (fonte: ação do MPF)
A Justiça Federal homologou, no último dia 4, acordo entre o Ministério Público Federal (MPF) e a Fundação Nacional do Índio (Funai) que prevê o início de estudos que resultarão no Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação (RCID) do território reivindicado pelo povo indígena Munduruku na área conhecida como planalto santareno, em Santarém, no oeste do Pará.

O acordo estabelece que a portaria de constituição do grupo técnico responsável pela elaboração dos estudos será publicada até 3 de dezembro deste ano. O RCID será concluído e avaliado tecnicamente até 3 de dezembro de 2020. Esse prazo poderá ser prorrogado por, no máximo, um ano, mediante justificativa técnica previamente apresentada no processo judicial.

Concluída a avaliação técnica, o RCID será imediatamente remetido à presidência da Funai, e essa remessa será informada no processo, prevê o texto da conciliação judicial. Também está previsto que a presidência da Funai deve se manifestar sobre o RCID, aprovando ou desaprovando-o de forma fundamentada, no prazo de quinze dias contados da data que receber o documento, conforme determina a legislação.

Caso o RCID for aprovado, a presidência da Funai deve publicar resumo do relatório no Diário Oficial da União e no Diário Oficial do Estado do Pará, acompanhado de memorial descritivo e mapa da área. Nesse mesmo prazo, a publicação será afixada na sede da prefeitura do município em que a área estiver localizada.

O acordo judicial estabelece, ainda que a Funai apresentará, no processo, relatório semestral simplificado com descrição resumida das atividades realizadas no período, devendo ser concedida vista dos relatórios ao MPF.

“A providência judicial que ora se requer – a elaboração e avaliação de Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação – é um imperativo para a efetivação do direito à terra do povo indígena Munduruku, mas também é etapa imprescindível e insubstituível para encaminhamento de uma resolução dos conflitos fundiários no local e no combate aos crimes ambientais, assim como para garantir segurança jurídica a todos os envolvidos”, destacou o MPF na ação.

Processo nº 1000141-38.2018.4.01.3902 – 1ª Vara Federal Cível e Criminal da Justiça Federal em Santarém (PA)

Íntegra da decisão de homologação do acordo

Consulta processual

Fonte: Ascom/MPF
Compartilhar: