Santarém - 356 anos

Santarém - 356 anos

..

..

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

O PIB em 2008 crescerá em 5% para os investimentos

Ontem, terça-feira, dia 18, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou o boletim “Economia Brasileira – Desempenho e Perspectiva”, onde mostrouque o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve atingir 5% em 2008.

A estimativa da CNI para o crescimento da economia brasileira no ano de 2008 coincide com a previsão do Ministério da Fazenda, que também projeta uma ascensão de5% para o PIB do ano que vem.

Na avaliação do mercado financeiro, entretanto, ocrescimento do próximo ano deverá ficar em 4,40%. Porém, esse aumento representa queda em relação ao esperado pela entidade para aelevação deste ano, que é de 5,3%. Em setembro, a CNI previa expansão de 4,7% paraeste ano, número que foi revisado ontem.
Compartilhar:

Seduc prorroga pré-matrícula até dia 04/01

A Secretaria de Educação prorrogou até o dia 4 de janeiro o processo de pré-matrícula. A medida visa atender um maior número de alunos, principalmente da região metropolitana de Belém, "já que as aulas desses alunos só encerram na próxima semana", explica Suley Domont, coordenadora da matrícula.

Até agora já foram matriculados cerca de 43 mil alunos novos nas escolas da rede estadual. O processo que começou no dia 26, encerra no dia 31 de janeiro para os que não se matricularam dentro do calendário apresentado pela secretaria.

Este ano, a Seduc vai destinar mais de 240 mil novas vagas para os alunos que estão fora da rede. Os interessados também podem realizar suas matrículas através do Call Center 08007220078, de segunda a sábado, de 8 as 20h, pelo site: www.seduc.pa.gov.br.

Mais informações: www.seduc.pa.gov.br 32015181
Compartilhar:

Governo do Pará renova licenças de instalação da Mina de Juruti

Excelência ambiental, ações sociais e 10 milhões de horas trabalhadas sem incidentescom afastamento marcam a conclusão de 60% das obras em Juruti.

A Alcoa Mina de Juruti conclui o ano de 2007 com expressivas conquistas que refletema seriedade do trabalho e a constante busca pela excelência profissional. No últimodia 13 de Dezembro, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Pará concedeu arenovação das Licenças de Instalação de todas as estruturas do empreendimento,abrangendo terminal portuário, rodovia e ferrovia, bem como infraestrutura paralavra e beneficiamento do minério de bauxita. A chancela do órgão ambiental confirmaque a implantação da Mina de Juruti obedece rigorosamente aos parâmetros legais, atésuperando-os, tendo como referência os elevados padrões da Companhia.

Monitoramentos periódicos são realizados sobre a qualidade da água, ar, solo, clima,ruído, fauna e flora em diversos pontos de amostra em Juruti. Importantes ações naárea sócio-econômica também estão em andamento, abrangendo desde o incentivo aculturas tradicionais, como a criação de peixes e quelônios, o aproveitamento deprodutos florestais não-madeireiros e o artesanato, até o estímulo aodesenvolvimento de novas alternativas de geração renda, como o cultivo de hortaliçase a qualificação de empresários para o aperfeiçoamento do comércio local. Juruti ébeneficiada, ainda, com outros programas que contam com parcerias entre a Alcoa einstituições de referência nas áreas de saúde, cultura, segurança e educaçãoambiental, pública e profissionalizante.

Além dessas ações que integram os Planos de Controle Ambiental (PCAs), comorequisitos legais, a chancela da Secretaria de Meio Ambiente fundamentou-se nosbenefícios complementares da Agenda Positiva, implementada pela Alcoa em parceriacom a Prefeitura Municipal e na constatação de que a Empresa está consolidandoespaços de diálogo constante que asseguram o engajamento de todas as partesinteressadas. A Agenda Positiva prevê investimentos estruturais importantes que jáestão resultando na superação de problemas históricos do município, que tem 124 anosde existência e onde mais da metade da população de 35 mil habitantes vive na zonarural.

10 milhões de horas sem incidentes

Segundo Mauricio Macedo, gerente de Sustentabilidade e Assuntos Institucionais daAlcoa Mina de Juruti, somando-se à excelência ambiental e todas as ações sociais,atingiu-se a significativa marca de 10 milhões de horas trabalhadas sem incidentescom afastamento, nas obras da Mina de Juruti. A marca foi alcançada em 17 deDezembro e constitui uma conquista extraordinária, tendo em vista os desafios dasatividades de construção e sob as peculiaridades da região amazônica, como asintensas chuvas e os desafios logísticos.

O empreendimento Alcoa Mina de Juruti conclui 2007 evidenciando avanço robusto, comcerca de 60% das obras concluídas em total segurança, superando as exigênciasambientais, dialogando com as comunidades e com suas Licenças de Instalaçãorenovadas”, conclui Tiniti Matsumoto Jr., gerente geral de Desenvolvimento da AlcoaMina de Juruti.
Compartilhar:

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Federal prende traficantes

Agentes federais prenderam na manhã da última quinta-feora, três pessoas acusadas de tráfico de droga em Santarém. Adali da Silva Magno, Adelon da Costa Sales e Maria do Socorro Vaz foram presos em flagrante. Em poder dos elementos, os policiais apreenderam uma pistola e dois aparelhos celulares.

A delegada da Polícia Federal, Luciana Carvalho Mota, informou que havia algum tempo que a PF fazia o monitoramente do trio, porém, somente na quinta-feira, com mandado de busca e apreensão deferido pelo juiz da 6ª Vara Penal, Gabriel Veloso, os federais efetuaram a prisão.

Os traficantes foram transferidos para o Centro de Recuperação Agrícola "Silvio Hall de Moura", em Cucurunã.
Compartilhar:

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Polícia desmonta tráfico de drogas em Santarém

Uma operação realizada em conjunto por policiais civis e militares resultou na captura em flagrante, nesta sexta-feira, em Santarém, de uma quadrilha formada por doze pessoas, entre elas uma adolescente de 17 anos, acusada de praticar tráfico de drogas.

Em poder dos presos, os policiais apreenderam petecas de pasta-base de cocaína, além de diversos objetos, como balanças de precisão, televisores, celulares, câmeras digitais e dinheiro.Policiais civis da 19ª Seccional Urbana e da Superintendência Regional do Baixo e Médio Amazonas, e militares da 16a Zona de Policiamento atuaram em quatro pontos diferentes da área urbana da cidade.

Eles cumpriram mandados de prisão, bem como de busca e apreensão contra acusados de fornecimento e distribuição de drogas na região. As ordens judiciais foram emitidas com base em investigações e levantamentos feitos pelos policiais sobre a atuação de traficantes de drogas na região.

Durante três meses, os policiais levantaram informações contidas em inquéritos policiais, além de dados recebidos pelo Disque-Denúncia, Núcleo de Inteligência Policial e Centro Integrado de Operações (Ciop). Os policiais foram comandados pelo delegado Carlos Augusto Mota Lima, superintendente regional do Baixo e Médio Amazonas.

Conforme Mota, a operação contou com 27 policiais civis, entre delegados, investigadores e escrivães da Policia Civil, efetivo da 16ª Seccional Urbana de Santarém e Superintendência Regional, alem do efetivo da ZPol.

Os agentes estiveram em casas apontadas como pontos de venda de drogas no município, onde apreenderam também materiais usados no preparo, refino e armazenamento de drogas, cofres-fortes, celulares e outros objetos sem procedência comprovada.

Ao todo, foram confeccionados três procedimentos flagranciais com base na Lei Anti-Drogas. Os adultos foram identificados como Ângela Mota dos Santos, Cláudio Oliveira do Canto, Francisco Lopes de Souza, Ivan dos Santos Picanço, José Airton Barbosa, Manoel Pereira da Silva, Marcicléia Costa Martins, Marcos Paulo dos Santos, Ronildo dos Santos Picanço, Sarah Priscila Santos da Costa e Soliane Najara Castro Vasconcelos.

Após a conclusão dos procedimentos, os presos foram encaminhados ao presídio local, enquanto que a menor de idade foi colocada à disposição do Juizado da Infância e Juventude de Santarém.

Fonte: Díário do Pará
Compartilhar:

Empresários fazem reunião de avaliação com Alcoa

Uma reunião ocorrida na noite da última quinta-feira, 29, na sede da Associação Comercial e Empresarial de Santarém (ACES), avaliou a relação da mineradora Alcoa com as empresas paraenses em relação à aquisição de produtos e serviços para a implantação do seu projeto de bauxita no município de Juruti, oeste do estado.

Apesar de a empresa ter revelado que as empresas localizadas no Pará já faturaram mais de R$ 200 milhões com o projeto, os empresários cobraram uma valorização ainda maior das empresas localizadas nos municípios do oeste paraense, onde está o empreendimento.

Participaram da reunião os integrantes da diretoria executiva da ACES, cerca de 50 empresários, representantes da Associação Comercial de Juruti, o coordenador do Programa de Desenvolvimento de Fornecedores (PDF), David Leal, e gerentes da Alcoa e da Camargo Corrêa, principal construtora contratada pela mineradora.

O gerente de Aquisições e Logística da Alcoa, Cláudio Vilaça, informou que a empresa já adquiriu R$ 212,6 milhões de produtos e serviços de empresas paraenses. Vilaça informou que deste montante anunciado pela Alcoa, 17.24% foram faturados por empresas do município de Juruti.

A maior fatia, no entanto, ficou com as empresas da Capital, Belém, que faturaram 25.48% do total, cerca de R$ 54,1 milhões. Outros municípios que tiveram vendas expressivas à Alcoa foram Ananindeua (13.77%), Oriximiná (13.38%) e Monte Alegre (12.37%).

Santarém ficou com apenas 6.77% do bolo. Este volume de compras de empresas santarenas foi considerado baixo, principalmente comparando com as aquisições feitas em localidades mais distantes, como Belém.

Para o presidente da Associação Comercial de Santarém, Olavo das Neves, não deve haver uma disputa dos municípios pela divisão destas vendas, mas sim um aumento das compras em toda a região, contribuindo com o desenvolvimento do oeste do Pará. "Queremos aumentar a participação de Santarém neste bolo, sim, mas queremos que aumente também a participação de todos os municípios da região", disse o empresário.

O gerente de Sustentabilidade e Relações Institucionais da Alcoa, Maurício Macedo, avalia que houve um avanço muito grande na relação da Alcoa com as empresas da região desde março, quando houve uma primeira reunião para tratar do assunto. Na época, os empresários chegaram a denunciar que a Alcoa não estava cumprindo com as promessas feitas nas audiências públicas e que estava valorizando mais as empresas de fora do Pará. "Havia também muita desinformação de ambos os lados. A empresa está cumprindo o seu papel social e econômico na região e nosso compromisso é com todo o Pará", disse Macedo.

Segundo Macedo, o objetivo da Alcoa não é ser conhecida como uma empresa de mineração, mas reconhecida como uma empresa de desenvolvimento. "Nós trabalhos a cada dia, a cada segundo, para conquistarmos o direito de operar o empreendimento", disse.

Segundo ele, as críticas feitas ao projeto são importantes para a correção de possíveis erros e para correção de rotas. Macedo ainda apresentou aos empresários um plano geral sobre a implantação do projeto, informando que 55% das obras estão concluídas e que a operação deve começar em agosto do próximo ano.

O presidente da Associação Comercial de Juruti, Otávio Barbosa Macedo, concorda que houve um incremento significativo nas aquisições feitas pela Alcoa das empresas regionais. Segundo ele, a situação hoje é bem diferente da vivida no começo do ano e as empresas de Juruti conseguiram estabelecer uma boa relação com a Alcoa e as contratadas.

No entanto, Otávio acredita que esta relação pode melhorar ainda mais, sugerindo à Alcoa que abra mais espaço para a participação das empresas da região no projeto. Na avaliação de Cláudio Vilaça, as empresas de Juruti evoluíram muito e por isso conseguiram aumentar de forma significativa as vendas para a Alcoa e contratadas.

Segundo o gerente, a participação das empresas da região deve aumentar muito, principalmente em virtude das obras da Agenda Positiva, um conjunto de ações que visa dotar o município de infra-estrutura física e social para receber o empreendimento.

Vilaça informou que a empresa está investindo R$ 50 milhões nesta agenda e deste total, R$ 45 milhões ainda serão investidos a partir de agora, gerando uma grande demanda junto às empresas regionais.

Para o coordenador do PDF, David Leal, a capacitação é a palavra chave para que as empresas possam se qualificar de forma a atender as necessidades do empreendimento. Ele destacou a importância do PDF, orientando as empresas que se cadastrem no programa e participem do Procem, o Programa de Certificação de Empresas realizado pela Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa).

Segundo Leal, o acompanhamento feito pelo PDF aponta um aumento grande da participação das empresas paraenses nos grandes empreendimentos implantados no estado, especialmente na área da mineração.
Compartilhar:

Nota à Imprensa

Informamos que em 29 de novembro, a partir da constatação da existência de óleo combustível no rio Trombetas, a Mineração Rio do Norte, a agência de navegação da Vale e a Petrobrás iniciaram trabalhos de limpeza de seis quilômetros da margem direita do rio Trombetas.

Quarenta profissionais estão em fase final da limpeza do material das margens e do leito do rio. Para isso, bóias de contenção e mantas de absorção foram dispostas para recolher o óleo que estava presente na água.

O Ibama tem acompanhado de perto as ações. Ainda não há confirmação, mas provavelmente o óleo combustível tenha vazado de uma embarcação de grande porte. A estimativa inicial indica que o volume vazado seja inferior a mil litros.

A mancha foi identificada a cerca de 1,5 quilômetro de distância - rio abaixo - do porto de embarque de navios da MRN. Não há indicação de impactos significativos ao meio ambiente.

A MRN solicitou à Marinha do Brasil, por meio da Delegacia Fluvial de Santarém, o envio de peritos para análise da origem do vazamento.

Mineração Rio do Norte – MRN
Compartilhar:

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Justiça devolve servidores do Incra ao cargo

O Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, através da decisão do juiz Ney Bello, da Quarta Turma, devolveu ao cargo servidores da Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Santarém (PA). A decisão, datada de 22 de novembro deste ano, foi comunicada oficialmente ao órgão no último dia 23.

O juiz Ney Bello, em sua decisão, entende que o afastamento provisório de gestores públicos é medida excepcional e se dá quando demonstrado que, permanecendo o agente no exercício do cargo, emprego ou função prejudica a instrução do processo, situação esta não evidenciada nos autos, segundo o magistrado.

“Atribuo efeito suspensivo ao recurso, até final julgamento do recurso pela Turma, porque evidenciado risco de dano irreparável ao agravante com o afastamento dos demandados dos cargos e/ou funções que exercem na Autarquia, a fim de que os demandados sejam mantidos ou reconduzidos aos respectivos cargos e/ou funções”, acrescenta o juiz Ney Bello, ao responder ao recurso ajuizado pelo Incra.

Com a decisão do TRF da 1ª região, que suspende a anterior proferida pelo juízo federal de Altamira (PA), Pedro Aquino de Santana volta à titularidade do cargo de superintendente do Incra em Santarém. Raimundo de Araújo Lima, que respondia pela Superintendência na interinidade, volta a Brasília, onde atua como Diretor de Programas da Presidência do Incra.

Também retornam às atividades Sílvio Carneiro de Carvalho, Luiz Edmundo Leite Magalhães, Dilton Tapajós (procurador jurídico) e Bruno Kempner (chefe da Unidade Avançada em Altamira).



Compartilhar:

Pé-de-Pincha coleta 66 mil ovos em outubro

Cerca de 66 mil ovos de quelônios foram recolhidos em outubro nas praias de Oriximiná e Terra Santa, municípios do Oeste do Pará, onde a Mineração Rio do Norte (MRN) apóia as atividades do projeto Pé-de-Pincha, desenvolvido pela Universidade Federal da Amazônia (UFAM) em parceria com o Ibama, as comunidades ribeirinhas e as prefeituras das duas cidades.

Já em novembro, começou a eclosão de parte dos ovos recolhidos e depositados em berçários de areia, que reproduzem o ambiente original da praia. “Os ovos eclodem num local seguro, o que acarreta mais indivíduos sobreviventes”, explica o Assessor de Relações Comunitárias da MRN, José Haroldo de Paula. Depois de nascer, os filhotes são transferidos para tanques onde passam três meses para ganhar peso. Em março, têm início as solturas, que acontecem em nove comunidades de Oriximiná e sete de Terra Santa.

Desde 1999, quando o projeto foi criado até hoje, mais de meio milhão de quelônios, entre tartaruga, jabuti, tracajá, pitiú, calalumã e perema, já foram devolvidos aos rios da Amazônia. A idéia do projeto é promover as ações de forma participativa, envolvendo comunidades e instituições locais, sempre com a participação de voluntários. Para os filhos dos participantes do projeto, bolsas de estudo no valor de R$ 80,00 são distribuídas como forma de incentivo às crianças de 1ª a 4ª série, por meio de incentivo do projeto Jovem Cientista, do Fundo de Amparo à Pesquisa do Amazonas.
Compartilhar:

sábado, 24 de novembro de 2007

Especulações

PMDB
Rumores nos bastidores políticos de Santarém dão conta que o PMDB vai rachar com o PT a partir de 1º de janeiro, quando o partido entregará todos os cargos que ocupa no governo municipal. Fontes afirmam que os acordos para uma canditura própria já estariam sendo firmados entre os deputados Jader Barbalho, Antonio Rocha e Lira Maia, este último na condição de indicar o vice, na chapa encabeçada por Rocha.

PDT
Outras informações dão conta que o PDT, sabendo do interesse do PT em fechar com o PMDB, indicando-lhe a vaga de vice na reeleição da prefeita Maria do Carmo, mandou um recado aos caciques petistas: a vaga é do PDT.
Compartilhar:

A África é aqui, diz jornal português

Santarém do Pará fica sobranceira a um rio e, na época das chuvas, as águas inundam-lhe a avenida marginal, chegando a interromper o trânsito, tal como o Tejo perturba por vezes a zona baixa da nossa Santarém e inquieta as localidades ribeirinhas próximas. Mas ficam-se por aí as eventuais parecenças entre as duas cidades homónimas.

A principal cidade do Oeste do Pará é um deslumbramento, quanto a enquadramento paisagístico. Mas, de tão degradada, fornece motivos que baste à tentação de a compararmos, por exemplo, a Freetown ou Conakry na África Ocidental. E se focarmos a atenção em Santarenzinho, o seu bairro maior dos subúrbios e onde vivem umas 35 mil pessoas, o mínimo que pode dizer-se é que mete medo.

Aqui, quase nem se pode dizer que haja um centro, social e comercial, mais arrumado e limpo que o conjunto da terra. A não ser a parte antiga, perto da catedral e num dos extremos da Avenida Tapajós, o que se encontra são buracos na rua, bairros quase favelas e favelas mesmo, tristonhas e miseráveis, com esgotos a céu aberto, ruas feitas ribeiros e intransitáveis.

Uma exemplo de como (não) funciona Santarém: muitas ruas de sentido único não têm sinal de proibição algum, para o virtual sentido contrário. O resultado é entrar-se à confiança e daí a pouco ver o pessoal a fazer sinais desesperados do passeio e um ou outro veículo a buzinar desenfreadamente, para afastar o intruso. O que vale é que, como só se chega a Santarém de avião ou barco, na maior parte do ano, os poucos automóveis que lá circulam são dirigidos por residentes, que conhecem bem a pequena cidade. Não fora isso, e haveria desastres em barda, até regularizarem a sinalização.

E é pena, este desleixo e abandono, pois o enquadramento da cidade na natureza é um deslumbramento. Logo em frente à marginal é possível ver o espectáculo do encontro das águas, no lago onde dois grandes rios se misturam: de um lado o Amazonas, com suas águas barrentas e de outro, o Tapajós, azul-esverdeado.

Ainda resistem na cidade alguns belos prédios históricos e monumentos, herança da colonização portuguesa na região. Os jesuítas andaram por aqui, a catequizar os índios Tapaiussu (depois Tapajós).
O município é constituído pelos distritos de Santarém, Alter do Chão, Belterra, Boim, Curuai e Mojuí dos Campos, que somam no total 241,7 mil habitantes. Há meia dúzia de hotéis, dois ou três muito bons, e outros quanto baste para as necessidades do turismo. Quem vem à região só a passeio ou turismo, mais rápido parte para Alter do Chão, a 35 km de distância, do que se queda em Santarém.

O texto está na página do jornal Expresso, de Portugal.
Compartilhar:

Projeto "Tanque Rede" apresenta primeiros resultados

Um mês e sete dias depois de ser iniciado, o projeto ‘Tanque Rede’ já apresenta os primeiros resultados. Na última quarta (22) a equipe que coordena o projeto, juntamente com dois biólogos, estiveram nas comunidades de Anã e Vila Brasil, ambas localizadas no Rio Arapiuns, para realizar a medição, pesagem e cálculo de ração necessária para alimentação dos peixes (biometria) que são criados em cativeiro.

Os biólogos e a equipe da SEMAB se surpreenderam com os excelentes resultados a começar pela sobrevivência dos alevinos. Nenhum, dos cerca de 2 mil peixes, morreram até o presente momento, além da biometria que apontou números surpreendentes e acima da média, segundo os coordenadores do projeto.

O maior peixe está com 16 centímetros de comprimento e o menor com 11. O peso ficou na média de 27 gramas. Números animadores, levando em conta o pouco tempo que os animais foram depositados nos tanques.

“A ração que é dada aos animais contribui bastante para o excelente resultado e sem contar com os comunitários, que têm se dedicado plenamente ao desenvolvimento do projeto”, disse Erivam Ademar Santos, um dos coordenadores do projeto.
Compartilhar:

PF faz apreensão de 8o quilos de cocaína em Monte Alegre

A Polícia Federal prende, por volta das 21 horas da última sexta-feira, em Monte Alegre, uma quadrilha de traficantes que vinha do estado do Amazonas transportando 80 quilos de cocaína.

A prisão foi comandada pelo departamento de repressão a entorpecentes da Polícia Federal de Belém com o apoio de agentes de Santarém e da Polícia Militar realizaram uma operação na cidade de Monte Alegre.

Foram presos Gabriel Magabeira, natural de Tabatinga; Dubelei Fernandez, natural de Letícia – Colômbia; Gilberto da Silva, natural do Amapá; Mathias Laurente, também de Tabatinga; Lucivaldo de Souza, do município de Breves – Pará; Beijamim Duran, Cucuta, na Colômbia; e Gustavo Ramires e José dos Santos, de Manaus.

A droga foi distribuída em 62 pacotes. A quase dez dias os agentes estavam monitorando os envolvidos no tráfico.

A droga vinha da cidade de Tabatinga e seguia para Belém e Macapá.

De lá, segundo informações da PF, iria para o Nordeste brasileiro. Ainda segundo a Polícia Federal, essa não é a primeira vez que os traficantes tentam usar essa rota.

Compartilhar:

Comunidades ribeirinhas fazem despescas

As comunidades Ajará e Castanhal, no município de Oriximiná, tiveram fartura na última despesca de tanques-rede: 2 toneladas de tambaquis cada uma. Essa é a etapa final da criação de peixes em cativeiro pelo Projeto Piscicultura, desenvolvido em 12 comunidades ribeirinhas dos municípios de Oriximiná, Faro, Óbidos, além da região do Alto Trombetas e Lago Batata.

O projeto, financiado pela Mineração Rio do Norte (MRN), capitalizou R$ 243 mil nos últimos quatro anos, resultado da venda de 41 toneladas de peixes. O investimento anual da MRN é de R$ 80 mil e toda a renda é revertida para os produtores.

"Esse é o momento de coroação do projeto. Hoje temos aproximadamente 200 famílias participando dessa iniciativa e muitas delas já realizaram despescas. Cada período de retirada gera cerca de duas toneladas de peixes por comunidade. É um momento em que você vê o resultado acontecer", afirma José Haroldo.

A Mineração Rio do Norte é responsável por fomentar e financiar o projeto, que existe desde 2002. A empresa doa tanques-rede, alevinos e rações às comunidades beneficiadas, além de oferecer a assistência técnica necessária.

A comunidade entra em ação com a mão-de-obra, realizando a retirada e o tratamento dos peixes para a venda. Todo o dinheiro arrecadado é destinado às famílias participantes, sendo que uma parte dele deve ser investida no trabalho, o que estimula a auto-sustentabilidade do projeto.
Compartilhar:

Alcoa promove cultura paraense no 5º Ciclo Multicultural, em São Paulo

Antes de seguir para São Paulo, neste domingo, dia 25 de Novembro, para uma apresentação no 5º Ciclo Multicultural, promovido pelo Centro de Cultura Judaica, as tribos de Juruti estarão em Santarém para um city tour e um encontro com a Imprensa local. O evento conta com o patrocínio da Alcoa. Será a primeira apresentação das tribos fora da região Norte.

Com o espetáculo “Ritual da Criação do Mundo na Visão Tupi”, as Associações Folclóricas Muirapinima e Mundurukus têm apresentação programada para 27 de Novembro, às 19h30, no Centro de Cultura Judaica de São Paulo. Dessa vez não haverá a tradicional rivalidade entre as tribos, que dançarão juntas, defendendo as mesmas cores e a rica cultura amazônica.

O 5º Ciclo Multicultural, que acontece de 26 de Novembro a 2 de Dezembro, será uma semana de intensa programação com espetáculos teatrais, dança, música, cinema, culinária, gastronomia, literatura, fotografia e artes plásticas. “Queremos mostrar um pouco da força e da cultura da Amazônia, representadas pelas tribos tradicionais de Juruti. Esse nosso apoio está inserido nos Valores da Alcoa, que incentiva e valoriza a preservação da cultura em cada unidade onde atua”, afirma Franklin L. Feder, presidente da Alcoa América Latina e Caribe.

Com população de 34 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Juruti é o município onde a Alcoa está implementando uma unidade de mineração de bauxita, baseada em intenso processo de diálogo com a comunidade e nos compromissos pelo desenvolvimento regional sustentável assumidos por meio de uma Agenda Positiva, que visam à melhora da qualidade de vida da população local.

Tradição- Em Juruti, assim como em todo o Pará, as tribos indígenas Mundurukus e Muirapinima são conhecidas pela tradição que representam da cultura amazônica. São atrações do Festival das Tribos Indígenas de Juruti (Festribal), que acontece todos os anos no mês Julho e está na 13a edição. Em 2007 o evento, patrocinado pela Alcoa, teve participação de 30 mil pessoas.

O Festribal nasceu em 1993, substituindo o Festival Folclórico de Juruti, tradicional festa da região. Naquele ano foi criada uma dança com coreografia indígena denominada “Tribo Mundurukus”. Como não havia essa categoria no festival folclórico, em 1994 surgiu outro grupo: a Tribo Muirapinima, para concorrer com os Mundurukus.

Muirapinima é o nome de uma árvore cuja madeira era utilizada para fabricação de móveis no período colonial.

Mundurukus homenageia uma tribo que deu origem à cidade de Juruti.
Compartilhar:
Sobre a baleia encontrada nas águas do rio Tapajós e que morreu à espera de socorro, o gerente regional do Ibama, Daniel Cohenca explica o seguinte:

Baleia minke-anã encontrada no rio Tapajós

Histórico Resumido
Em 14 de novembro de 2007 uma baleia foi avistada na comunidade de Piquiatuba, município de Belterra, no rio Tapajós na Floresta Nacional (FLONA) do Tapajós. A equipe da Flona foi informada por volta das 16:00 horas, do mesmo dia, quando solicitou apoio do Centro Mamíferos Aquáticos (CMA), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Uma equipe composta pelo CMA, NUFAS/IBAMA-Santarém e Flona Tapajós se deslocou imediatamente para o local, verificando que o animal se tratava uma baleia-minke-anã (Balaenoptera acutorostrata). Assim que retornou a Santarém, a Diretoria de Conservação da Biodiversidade - DIBIO/ICMBio foi avisada e ainda na madrugada do dia 15 solicitou o apoio do Instituto Baleia Jubarte (IBJ)para auxiliar no resgate deste animal. Para isso o IBJ enviou o médico veterinário Milton Marcondes que se deslocou de Caravelas - BA para Santarém - PA, chegando na madrugada do dia 16.

A baleia permaneceu em Piquiatuba no dia 15, porém, mesmo com a insistente solicitação de que fosse mantida distância da baleia pela equipe do ICMBio, IBAMA, ZOOFIT e Corpo de Bombeiros de Santarém, a presença de embarcações e pessoas ao seu redor provocou o deslocamento do animal no início da noite, só voltando a ser localizada no dia 17 em Jaguarituba, na outra margem do rio Tapajós.

A equipe de resgate se dirigiu ao local utilizando um helicóptero do IBAMA, mas ao chegar lá a baleia já havia se deslocado devido aos maus-tratos infringidos por um ribeirinho que a chutou e feriu com uma vara. Segundo relato dos moradores de Jaguarituba, o animal deixou o local sangrando. Foi feito um esforço para localizá-la neste mesmo dia, tendo sido utilizado o helicóptero e uma lancha rápida, porém sem sucesso.

Na manhã do dia 18 a baleia apareceu na comunidade de São José do Arapixuna, na entrada do rio Arapiuns distante cerca de 80 km de Jaguarituba. A equipe de resgate se deslocou de helicóptero ao local e encontrou o animal sendo mantido em água em torno de um metro de profundidade, próximo à margem do rio.

Enquanto a equipe de resgate realizava os primeiros exames do animal e prestava os primeiros-socorros, uma lancha saiu de Santarém trazendo cerca de 500 metros de rede de malha grossa que seria usada para cercar o animal e mantê-lo em semi-cativeiro pelo tempo necessário para que fosse avaliado seu estado de saúde, realizada a estabilização de seu quadro e autorizado seu embarque para transporte até o mar. A baleia minke-anã mediu 5,51 metros de comprimento, e foi estabelecido que se tratava de um indivíduo de sexo masculino.

A turbidez da água não permitiu a visualização do animal, motivo pelo qual o veterinário do IBJ mergulhou e através de palpação examinou todo o corpo do animal, determinando o local da ferida produzida no dia anterior e constatando que era um ferimento superficial. Por se considerar que um animal sob estresse apresenta queda da resposta imunológica, estando mais sujeito a processos infecciosos, foi iniciado tratamento com antibiótico de largo espectro de ação (oxitetraciclina, 20 mg/Kg) por via intramuscular.

A baleia foi medicada, seu dorso que estava exposto, foi coberto com lençóis brancos umedecidos para evitar queimaduras pelo sol. Sua freqüência respiratória foi monitorada por uma hora, inclusive durante a aplicação dos medicamentos. Pretendia-se coletar amostras de sangue para realização de hemograma e bioquímica sérica, a fim de se avaliar a possibilidade do animal apresentar alguma infecção e para se avaliar o funcionamento do fígado e dos rins.

Estas informações iriam permitir avaliar se o animal estava apto para ser transportado para o mar nos dias subseqüentes ou se seria necessário algum tratamento antes que de se tentar o transporte. Antes que o sangue fosse coletado o animal se agitou e começou a se deslocar, se afastando da margem e ficou nadando em círculos em águas com cerca de 2 metros de profundidade. O animal foi acompanhado e monitorado pelos técnicos do IBJ, ICMBio, IBAMA, Bosque Rodrigues Alves (Prefeitura Municipal de Belém - PA) e ZOOFIT.

O monitoramento foi feito a partir de canoas movidas a remo, evitando a utilização de motor para não estressá-lo. Aguardou-se a chegada da lancha com a rede antes de se fazer qualquer nova tentativa de manejo com o animal. Isto possibilitou que ele se acalmasse e voltasse a ter uma freqüência respiratória normal.

Com a chegada da lancha foi iniciada a tentativa de conduzir a baleia para um igarapé onde a entrada seria fechada com a rede. A baleia inicialmente acompanhou uma canoa por parte do caminho, como já havia feito naquela manhã, mas depois se afastou e voltou a nadar em círculos. Iniciou-se a tentativa de cercá-la com a rede, porém com os constantes deslocamentos do animal e com a aproximação do final do dia, e a presença de ventos muito fortes a operação teve que ser suspensa para evitar o risco da baleia se emalhar na rede no escuro o que poderia causar seu afogamento e apresentar risco de vida para a equipe de resgate.

Optou-se por interromper as atividades para que nova tentativa fosse realizada no dia seguinte. A baleia foi vista pela equipe de resgate pela última vez por volta das 17:30 horas (19:30 no horário de verão) e segundo relatos dos moradores ela ainda foi vista com uso de lanterna às 22:00 horas (meia-noite no horário de verão). Na manhã do dia 19 a equipe de resgate entrou em contato com os moradores de São José do Arapixuna e eles informaram que a baleia não fora mais vista. Eles fizeram uma busca na região e informaram que não houve sinal da baleia.

Na manhã do dia 20 a baleia apareceu morta, cerca de 200 metros de onde ela havia sido vista pela última vez, estando em decomposição. Uma equipe de três veterinários realizou a necropsia da baleia neste mesmo dia, enquanto os biólogos realizaram registros fotográficos e anotações em planilhas.

Resultados Preliminares da necropsia
A necropsia foi realizada pelo médico veterinário Milton Marcondes, do Instituto Baleia Jubarte, auxiliado pelo veterinário Jairo Moura de Oliveira, do Bosque Rodrigues Alves - Prefeitura Municipal de Belém, e pela veterinária Ana Ely E. de O. Melo, do Núcleo de Fauna do IBAMA - Santarém. Esta espécie de baleia ao morrer afunda, sendo necessária a formação de gases para que sua carcaça volte a flutuar.

A morte foi estimada como tendo ocorrido entre a noite de domingo e a amanhã de segunda-feira, estando a baleia morta a aproximadamente 30 a 36 horas quando se iniciou a necropsia. O animal estava em decomposição moderada, o que comprometeu o exame de vários órgãos e a coleta de amostras para exame histopatológico.
Os principais achados macroscópicos da necropsia foram:
- Área hemorrágica na musculatura abdominal, formando uma cavidade com aproximadamente 0,5 metros de comprimento;
- Área hemorrágica no flanco direito aproximadamente a 43 centímetros baixo do bordo posterior da nadadeira dorsal, formando uma cavidade entre a camada de gordura e a região muscular, do tamanho de um punho e necrose do tecido adjacente;
- Pulmões congestos;
- Estômago vazio, com áreas hemorrágicas na mucosa;
- Presença de epífises dos ossos não fusionadas, cartilagem da borda daescápula com cerca de 3 cm de comprimento;
- Órgão reprodutivo pouco desenvolvido;
- Todos os órgãos em autólise avançada.

Discussão do Caso
Os achados permitem concluir que se tratava de um animal jovem, ainda em fase de crescimento e não maturo sexualmente, provavelmente tendo entre 3 e 6 anos de idade.Pela distância do oceano e pela velocidade de natação é possível concluir que este animal deve ter levado um mínimo de 10 dias para atingir a região, estando, portanto em água doce a no mínimo 15 dias.

A área hemorrágica observada no flanco direito é compatível com um trauma contundente que ocasionou a formação de um hematoma, sem que ocorresse solução de continuidade da pele. Este achado é sugestivo de uma colisão com embarcação. O estado de decomposição do animal não permitiu determinar se esta contusão ocorreu antes ou após o animal ter entrado em água doce.A

área hemorrágica na musculatura abdominal pode ser devida aos períodos em que este animal esteve encalhado e que se debateu para conseguir voltar para águas mais profundas, batendo com o abdômen no leito do rio.A ausência de alimento no estômago era esperada, uma vez que esta espécie se alimenta em águas das regiões polares, e utilizando sua reserva de gordura como fonte de energia quando se encontra em águas tropicais. As áreas hemorrágicas na parede estomacal são sugestivas de gastrite devido a estresse.

Chamou a atenção o rápido processo de decomposição da carcaça. A literatura reporta que alguns fatores podem acelerar o processo de decomposição de um animal, entre eles teríamos o calor (tanto do ambiente quanto o oriundo de um quadro febril) e a proliferação de bactérias no organismo, como nos quadros de septicemia.

As amostras de tecido coletadas serão encaminhadas para exames em laboratórios especializados e somente após os resultados será emitido um relatório final com as conclusões.

Santarém, 22 de novembro de 2007.
Compartilhar:

Br-163: R$10 milhões serão investidos

Reunião entre DNIT e Exército discutiu ações para obras na BR-163/PA e na BR-319/AM O Diretor Geral do DNIT, Luiz Antonio Pagot, Diretores e Coordenadores do Órgão se reuniram com o Diretor de Obras de Cooperação do Exército, General de Divisão Paulo Kazunori Komatsu, na manhã de quarta-feira, 21, na Sede da Autarquia, para programar e monitorar as obras nas rodovias BR-319/AM e BR-163/PA.

Durante a reunião foi definido o projeto de mais 20 quilômetros de obras de pavimentação da BR-163, entre os municípios paraenses de Rurópolis e Santarém. Para esse trecho estão garantidos recursos na ordem de R$ 10 milhões. O próximo passo é elaboração do plano de trabalho, que irá possibilitar o início das obras.

O encontro teve o objetivo de acelerar o ritmo de execução dos empreendimentos, principalmente na solução das questões ambientais. Na ocasião, o Diretor Geral frisou a necessidade de acompanhar de perto o andamento dos processos de concessão de licenças pelo IBAMA.

As obras de pavimentação da BR-163 no Pará estão avaliadas em R$ 1,5 bilhão e são executadas pelos 8º e 9º Batalhões de Engenharia e Construção (BEC) do Exército. Serão asfaltados 937 quilômetros da rodovia, entre a divisa com o estado de Mato Grosso e o município de Santarém/PA. Os serviços irão permitir a conclusão da rodovia, que tem uma extensão total de 1.764 quilômetros entre Santarém/PA e Cuiabá/MT. Nessa região, um dos pólos agrícolas mais importantes do país, vivem cerca de 2 milhões de habitantes. A pavimentação irá reduzir os custos do transporte da produção local em, aproximadamente, 35%.

Já a BR-319/AM receberá serviços de pavimentação e melhoramentos em 694 quilômetros, entre Manaus/AM e Porto Velho/RO. O investimento previsto para os próximos três anos é de R$ 697 milhões. A rodovia é a única ligação rodoviária do Amazonas com o Centro-Oeste do país. No momento, três lotes de obras estão em andamento na BR-319, sob responsabilidade dos 5º, 6º e 7º BECs, totalizando 140 quilômetros. O Governo Federal investirá, nesses segmentos, R$ 282,5 milhões, dos quais R$ 40 milhões já foram assegurados.

Fonte: A notícia
Compartilhar:

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Castelo de Areia

Hoje fizeste sentir-me pequeno
Provei o gosto amargo do teu veneno
Tua fúria me destruiu por dentro
O que eu fiz?
Eu não entendo
Eu te amo e continuo te querendo
Não será isso que me fará cair
Pra ti tudo está cedendo
Mas o meu amor é sólido
Continua crescendo
É maldita essa dor, é por isso que
Estou sofrendo
Era bom quando falávamos a mesma língua
- Quero ficar contigo!
Pra mim isso continua valendo
É gostoso te amar num domingo
Passar um dia inteiro de alegria
Mas veja só que o teu ódio
Está fazendo
O coração supera
Eu consigo
Mas está doendo.
O que eu fiz?
Eu não entendo
Eu te amo e continuo
Te querendo.
Compartilhar:

Jorge Vercilo em Santarém

O cantor Jorge Vercilo será a atração do Iate Clube de Santarém, no próximo dia 14. O show é inédito.
Compartilhar:

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

A Flor e o Medo

Tanta ansiedade
Escondida na vontade
Controlada pelo medo
Presa no desejo
Acorrentada na dor
Vigiada pelo amor
Num dia sem cor
Como uma flor
Esquecida no sossego.
Compartilhar:

Efeito Rota

No último dia 2, um programa local, cujo apresentador lê as notícias aos berros, aprontou mais uma das suas. Veiculou uma matéria sobre a situação do asfalto no complexo viário da Fernando Guilhon. Até aí tudo bem, não fosse um detalhe: Fontes afirmam que as faixas colocadas nas proximidades da entrada da praia do Maracanã foram encomendadas pelo próprio programa, que é financiado pelo ex-prefeito Lira Maia. É o efeito Rota de fazer terrorismo, digo, jornalismo.
Compartilhar:

Malária

A Secretaria Municipal de Saúde – SEMSA, através do Pólo Base de Saúde Indígena, realiza nos dias 07 e 08 de novembro de 2007, no auditório do Centro de Controle de Zoonoses, uma Oficina de Atualização em Malária.

O evento é voltado para todos os profissionais da SEMSA que trabalham com a saúde indígena, coordenado pelo Pólo Base.Os organizadores da iniciativa justificam sua realização em face de ser a malária a doença de maior incidência nas populações indígenas desta região, e ainda pela introdução de novos esquemas terapêuticos a partir de 2007.

A oficina reunirá os profissionais que atuam no controle e tratamento da malária, com a finalidade de atualizar seus conhecimentos e favorecer troca de experiências entre eles.

A proposta da oficina é atualizar a equipe multiprofissional que atua na área de saúde indígena, nas ações do Programa de Malária e melhorar o desempenho das ações do Programa de Malária desenvolvido junto à população indígena e nas áreas endêmicas da região.

O evento terá como facilitadores Mariana Quiroga, infectologista do Núcleo de Medicina Tropical/ USP, Melissa Masheretti, infectologista do Núcleo de Medicina Tropical/ USP, Joaquim Martins, Agente de Saúde Pública – Pólo Base Santarém, e Maria Gracineide, Técnica em Laboratório / Divisão de Endemias da 9ª RPS-SESPA.

Compartilhar:

Asfaltamento da Transamazônica

O ministro os Transportes, Alfredo Nascimento, e a governadora Ana Júlia Carepa visitam, nesta segunda-feira (05), a obra de construção e pavimentação da Transamazônica (BR-230), no trecho de 84,4 quilômetros entre os municípios de Altamira e Medicilândia.

A partir das 9h, as autoridades estarão no canteiro da empresa Andrade Gutierrez para acompanhar o início do asfaltamento da pista, uma demanda antiga da população da região por onde passa a rodovia.

A obra conta com R$ 90 milhões do Programa Aceleração do Crescimento (PAC) e do Programa Piloto de Investimentos (PPI). O trecho ficará pronto no final de 2008.

A qualidade da obra segue um padrão nacional, com pista asfaltada, drenagem, acostamento, sinalização vertical e horizontal e alto padrão de segurança. Essa é uma exigência do Ministério dos Transportes que será conferida.

A espessura do asfalto é de 5 cm no meio da pista e 3 cm no acostamento. No percurso, quatro pontes de concreto serão construídas, substituindo velhas pontes de madeira que já não apresentam condições de tráfego. P

ara o evento, foram mobilizadas as prefeituras, câmaras municipais, sindicatos e associações de Altamira, Medicilândia, Brasil Novo, Anapu, Senador José Porfírio, Placas, Uruará, Porto de Moz e Vitória do Xingu.
Compartilhar:

Aquecimento global

Acontece amanhã, em Alter do Chão, Santarém, o debate “Mudanças Climáticas: pontos de partida e desafios para a cooperação alemã no Brasil”. O evento tem o objetivo de discutir, entre outras questões, os impactos do aumento da temperatura do planeta para o Norte e o Nordeste do país; a situação dos direitos humanos das populações dessas regiões diante dos problemas causados por essas alterações atmosféricas; e os desafios e possíveis iniciativas da cooperação alemã no Brasil para minimizar os efeitos negativos desse contexto.

O evento está sendo promovido pelo DED - Serviço Alemão de Cooperação Técnica e Social.O resultado do debate irá colaborar na discussão interna do DED a respeito do fortalecimento de suas estratégias de atuação, para os próximos anos, principalmente na região amazônica, em conjunto com os parceiros brasileiros e da cooperação internacional. O evento é para um público restrito, de 50 pessoas.

A iniciativa integra a Assembléia Geral Interna do Serviço Alemão, que acontece de 6 a 9 de novembro, no mesmo local. Entre os participantes da mesa estarão o gerente executivo da Large Scale Biosphere Atmosphere Experiment in Amazônia (LBA), Antônio O. Manzi , o antropólogo Euclides Pereira (Macuxi), o coordenador da GTZ para o Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais no Brasil, Helmut Eger, e o conselheiro chefe do Departamento de Cooperação Técnica e Financeira da Embaixada da Alemanha, Michael Grewe.
Compartilhar:

Ação de cidadania

Desde sexta-feira (2), o catamarã Pará, totalmente reformado pela Marinha de Guerra do Brasil e adaptado para servir de hospital flutuante, está fundeado defronte de Alter-do-Chão, em município de Santarém.
Está desenvolvendo ações de saúde e cidadania, em parceria com o governo do Pará, através da Secretaria de Saúde, da Secretaria de Segruança Pública e outros órgãos estaduais.


Proximas metas

Nesta segunda-feira (5), o "Pará" sai de Santarém, com destino a Gurupá, no Baixo Amazonas, com o mesmo objetivo. Nessa etapa da viagem receberá o secretário de Saúde, Homélio Sobral. Em seguida, vai a Melgaço e São Sebastão da Boa Vista, município da região de Marajó.

A messão do catamarã está se revestindo de pleno êxito e a procura por atendimento é grande, em t odos os portos.

Rodovias

Nesta segunda-feira, o vice-governador vai percorrer as rodovias estaduais Santarém-Curuá-Una e São José - Mojuí, que estão sendo pavimentadas pela Secretatria de Transportes, à frente Valdir Ganzer.
São obras importantes para o escoamento da produção agricola da região e que estão ajudando a elevar a auto-estima da população local. Odair será acompanhado pelo vice-prefeito de Santarém, Delano Riker, uma vez que a prefeita Maria do Carmo estará fora da cidade.

Aeropoto

Na próxima semana, desembarcaré em Santarém o enegenheiro-chefe do departamento de obras aeroportuárias da Infraero, para definir o local em que será construída a nova estação de passageiros do aeroporto Maestro Wilson Fonseca.
Compartilhar:

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Agenda 21 será tema de seminário

Professores e alunos da Rede Municipal de Ensino vão participar do 2º Seminário deEducação Ambiental promovido pela Prefeitura de Santarém, através da Secretaria deEducação. O encontro terá como tema “Agenda 21 na escola: participando para promovera qualidade de vida”.

O Seminário será realizado nos dias 8 e 9 de novembro no auditório do IESPES. Daprogramação vai participar o professor Rainero Xavier, da Secretaria de EducaçãoContinuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação – SECAD/MEC.

A Agenda 21 na Escola é um processo participativo e um Plano de Ação para inserir aEducação Ambiental no cotidiano escolar. A coordenadora da Educação Ambiental naSemed, professora Nelcilene Palhano, disse que o seminário será um espaço paradiscussão e exposição do processo de construção da Agenda 21 desenvolvido nasescolas da Rede Municipal.
Compartilhar:

Prefeitura garante energia e água no interior

Abastecimento de água e energia elétrica com qualidade é direito também do povo que mora no interior. Garantir que esses direitos sejam cumpridos é uma das metas do Governo da Cidade da Gente, através da Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento.

Diariamente investimentos são feitos para levar água encanada às torneiras dos moradores das comunidades mais distantes. As comunidades de Vista Alegre e Anumã, localizadas na região do Rio Tapajós, receberam em menos de um mês sistema de água completo e também energia elétrica.

Foram utilizados na execução dos projetos bombas submersas (1 CV) e caixas d´água de 10 mil litros e outra de 5.000 litros. Na mesma Região, também foi beneficiada a comunidades de Pedra Branca com conclusão do sistema de energia, para o qual foram utilizados 5.540 metros de fios (ANG 2). Piraquara, que fica localizada na Região do Lago Grande, recebeu quadro de instalações que equivale a 3.202 metros de fios (ANG
2 e 15 luminárias).

Também foram finalizados os serviço na comunidade São Pedro no Arapiuns com a instalação de um grupo gerador (25 hp - 20 CVA) mais 3.000 metros de fios por onde a energia é levada.

A Semab reconhece as dificuldades que o povo que mora longe da zona urbana da cidade enfrenta no dia a dia e tenta, dentro de suas atribuições, minimizá-las. Com isso garante qualidade de vida aos santarenos que moram no interior.

Compartilhar:

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Presidente da Emater se reúne com produtores e movimentos sociais de Santarém

O presidente da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estadodo Pará (Emater-Pará), Williamson Lima (Zuca), viajará para Santarém, na segunda-feira (29), para participar da abertura da 1ª Conferência Municipalde Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário, visitar projetos do órgãona região e se reunir com os movimentos sociais locais.

A Conferência será realizada na quarta-feira (31). O evento, promovido peloescritório regional da empresa e preparatório para a conferênciaterritorial, contará com a presença de pelo menos 150 produtores rurais -que assistirão a palestras científicas, farão oficinas e apresentarão propostas.

Williamson Lima (Zuca) aproveitará a ocasião em Santarém para conhecer pessoalmente projetos da empresa no município, como o da Comunidade do Cucurunã, em que as 100 famílias moradoras aprofundaram a parceria com a Emater e implantaram um sistema pioneiro e exemplar de autogestão – com resgate das tradições, diversificação da produção e beneficiamentoagroindustrial.

Até quinta-feira (31) em Santarém, o presidente da Emater também terá audiências com os movimentos sociais, inclusive sindicatos, para identificaras demandas e estabelecer parcerias.
Compartilhar:

Três reservas extrativistas serão legalizadas no Pará

Depois da oficialização das reservas extrativistas (resex) de Acaú, no litoral entre Paraíba e Pernambuco, e Chapada Limpa, no Maranhão, o governo federal se debruça sobre a criação de seis resex e a ampliação de mais uma outra. Os processos, cujas etapas já foram totalmente concluídas, estão na Casa Civil à espera apenas de publicação no Diário Oficial da União.

O Instituto Chico Mendes acompanha tudo por meio da Diretoria de Unidades de Conservação de Uso Sustentável. As reservas a serem oficializadas são Montanha-Mangabal, em Itaituba, na região do alto Tapajós, no Pará; Médio Xingu, em Altamira, na bacia do rio Xingu, na região chamada de Terra do Meio, no Pará; Médio Purús, em Lábrea, no Amazonas; Ituxi, também em Lábrea, no Amazonas; Baixo Rio Branco-Jauaperi, na divisa dos Estados de Roraima e Amazonas; e Cassurubá, nos municípios de Caravelas e Nova Viçosa, na Bahia. Há ainda a proposta de ampliação da reserva de Ciriaco, em Cidelândia, no Maranhão.

As reservas extrativistas são um modelo de área protegida genuinamente brasileiro, resultado das lutas dos movimentos de comunidades extrativistas da Amazônia pelo direito à terra, principalmente de seringueiros nas décadas de 70 e 80. Essa categoria de unidade de conservação visa "proteger os meios de vida e a cultura de populações extrativistas e assegurar o uso sustentável dos recursos naturais".

Como têm potencial econômico, as resex costumam ser foco de conflitos e tensões. Por isso, a intervenção do governo federal, por meio do Instituto Chico Mendes, é fundamental em todas as etapas da oficialização da unidade.

O processo começa com o levantamento fundiário, ambiental e socioeconômico da região, passa por consultas públicas e pelo crivo do Ministério do Meio Ambiente e, só depois, chega à Casa Civil, última parada antes da publicação do decreto de criação.
Compartilhar:

Advogado agiota

O advogado agiota agora deu para praticar alguns pecados capitais: a inveja, a avareza e a cobiça. Para quem já se considerou o supra-sumo do Direito em Santarém, o agiota, digo, advogado, está caindo pelas tabelas. Ele é visto correndo atrás de garotinhas nos colégios da cidade, desde que largou a mulher para não ter que dividir os bens com ela.
Compartilhar:

Fidelidade

Com a decisão do Supremo Tribunal Federal, podem perder o mandato senadores, governadores e prefeitos que mudarem de partido a partir de 16 de outubro. A decisão não atinge nenhum senador, já que não houve troca de legenda após essa data. Assim, sendo, o vice-governador santareno, Odair Corrêa, pode ficar tranqüilo.
Compartilhar:

terça-feira, 23 de outubro de 2007

Rota turística

A Secretaria Municipal de Turismo eIntegração Regional (SEMTUR), inicia a recepção aos navios de cruzeiros que trarãoturistas de vários países. A expectativa é que nesta temporada trintatransatlânticos aportem em Santarém.

Segundo o Secretário de Turismo, Arnoudo Andrade, objetivo é fomentar a atividadeturística adotando um modelo sustentável, consolidando Santarém como destinoregional, nacional e Internacional, buscando uma política de implementação deprogramas e projetos que viabilizem a inclusão social.

A temporada inicia em 25 de outubro e prossegue até 11 de maio de 2008. Em média,400 turistas por navio devem desembarcar na Companhia Docas do Pará (CDP), quando receberão as boas vindas com músicas e danças regionais.

No roteiro dos turistas estão os atrativos culturais e naturais da região como:Museus, Igrejas, Floresta Nacional do Tapajós, Alter do Chão, Ponta do Cururu, Pontade Pedras, Casa da Farinha, Encontro das Águas, entre outros.
Compartilhar:

Clínica Pediátrica é reformada

A Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA) confirmou que as obras de reforma eampliação da Clínica Pediátrica do Hospital Municipal de Santarém (HMS) estarãoconcluídas nos próximos dias.Os trabalhos estão avançados e vão possibilitar, além de um melhor espaço parapacientes e servidores, a ampliação do número de leitos da Clínica Pediátrica doHMS.

Atualmente, são disponibilizados 22 leitos. Com as obras esse número passará para30. Além da ampliação do número de leitos, a Clínica Pediátrica contará com uma salada Reanimação e uma Sala de Repouso para a equipe.

É mais uma ação da Prefeitura de Santarém, através da Secretaria Municipal de Saúde,em prol da saúde da criança.

Emergência Pediátrica – em relação à saúde da criança, a Prefeitura Municipal deSantarém tem feito uma série de investimentos para melhor atender aos pequeninos.

NoPronto Socorro Municipal, por exemplo, a direção reservou um espaço especial paraatender às crianças com 06 leitos (Emergência Pediátrica).
Compartilhar:

Sespa descarta epidemia de leishmaniose no Estado

"A situação da leishmaniose no Pará é preocupante, mas não se trata deepidemia". É o que assegura o médico Walter Amoras, diretor doDepartamento de Controle de Endemias da Secretaria de Estado de SaúdePública (Sespa).

Ele informou que, em 2005, foram notificados 4.400casos de leishmaniose tegumentar, 3.844, em 2006, e 2.321 casos dejaneiro a agosto de 2007. Quanto à visceral, foram notificados 478 casosem 2005, 475, em 2006 e 117 este ano.

Com os dados epidemiológicos nas mãos, Amoras disse que o Estado vive,no entanto, uma situação de alerta em Saúde Pública em relação àleishmaniose, uma vez que a doença se apresenta em duas formas, ou seja,a tegumentar e a visceral.

Daí a necessidade de as SecretariasMunicipais de Saúde manterem esforços no que tange às ações deprevenção, diagnóstico precoce e tratamento eficaz nos dois casos.
Compartilhar:

Pagamento do PIS

Começa amanhã (24) o pagamento do abono salarial e dos rendimentos do Programa de Integração Social (PIS) para quem nasceu em março. Para esse grupo de 670 mil trabalhadores, a previsão da Caixa Econômica Federal é liberar R$ 248 milhões.

Tem direito ao abono salarial - no valor de um salário mínimo (R$ 380) - o trabalhador cadastrado no PIS ou no Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) até 2002. Ele deve ter trabalhado pelo menos 30 dias - consecutivos ou não - no ano de 2006 com carteira assinada e recebido, em média, até dois salários mínimos mensais.

Pode sacar os rendimentos o trabalhador que foi cadastrado no PIS-Pasep até 4 de outubro de 1988 e que tenha saldo. É permitido o saque do saldo de quotas do PIS pelos seguintes motivos: aposentadoria, invalidez permanente, reforma militar, transferência para a reserva remunerada, aids ou câncer do titular ou de seus dependentes, morte do titular, benefício assistencial a deficiente e idoso e participante com idade igual ou superior a 70 anos.

Os trabalhadores que já tiveram seus benefícios liberados podem sacá-los com Cartão do Cidadão nas máquinas de auto-atendimento, casas lotéricas e Caixa Aqui.
De julho até 19 de outubro, 7,8 milhões de trabalhadores receberam o abono, totalizando 66% daqueles que têm direito ao benefício. Já foram pagos, até agora, R$ 2,9 bilhões. Receberam os rendimentos do PIS 9,6 milhões de trabalhadores, ou seja, 32% do total. O valor pago foi de R$ 380 milhões.

Quem tiver dúvidas sobre o pagamento do abono salarial e dos rendimentos do PIS pode ligar para o telefone 0800-726-0101. Mais informações podem ser obtidas também pelo
site da Caixa Econômica Federal.
Compartilhar:

E o Renan, hein?

Pois é. O presidente licenciado do Senado, Renan Calheiros, ficará afastado do mandato de senador por dez dias. Segundo a assessoria, ele se submeterá a exames médicos que faz todo ano. Então tá.
Compartilhar:

Empréstimo

O custo médio dos empréstimos para pessoa física caiu 0,3 ponto percentual em setembro, chegando a 46,6% ao ano, o menor nível desde julho de 1994. A taxa média do cheque especial, no entanto, aumentou 0,5 ponto percentual e chegou a 140% ao ano, segundo revelou o Banco Central.
Compartilhar:

Crédito suspenso para servidores

Foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União a Portaria 1976, que suspende por 90 dias operações em consignação realizadas por 420 entidades que mantinham convênio como o governo. Segundo a portaria, a suspensão foi uma medida "cautelar e de segurança".
Compartilhar:

Condenação

O réu confesso do assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang, Rayfran das Neves Sales, foi condenado a 27 anos de prisão no segundo julgamento do caso, concluído ontem (22) em Belém (PA). A Justiça manteve a pena aplicada no primeiro julgamento.
Compartilhar:

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Mototáxi

Deve ser anunciada no período de 5 a 10 de dezembro, a implantação do serviço de transporte de passageiros em motocicletas, o chamado mototáxi.

O presidente do Sindicato dos Mototaxistas de Santarém, Antonio Aguiar, informou que todo o processo de seleção dos futuros permissionários do serviço está em bem avançado.

Segundo ele, nesse período, os candidatos aprovados pela Secretaria Municipal de Trânsito (SMT) já estarão padronizados e com a devida autorização das autoridades de trânsito.
Compartilhar:

Lançamento

Será no próximo dia 29, na Catedral de Nossa Senhora da Conceição, às 17h30, o lançamento do Livro Cronologia Eclesiástica da Diocese de Santarém, de autoria do padre Sidney Canto.
Compartilhar:

Conexão Amazônica

A Polícia Federal de Santarém prendeu na noite da última quinta-feira, o traficante José dos santos Melo, 43, quando ele tentava embarcar um veículo, modelo Corsa, de placas NÃO 0170, para o Macapá.

No tanque do carro, os agentes federais encontraram 17 quilos de cocaína embalada em garrafas plásticas, tipo pets de 660 ml.

De acordo com informações repassadas pelo delegado Olavo Ataíde, chefe da PF no município, a droga veio de Roraima e tinha como destino o Estado do Amapá. O traficante receberia R$ 15 mil pelo transporte da droga.

Os agentes da PF de Santarém chegaram ao acusado através de informações da Polícia de Macapá.

Não é a primeira vez que a Polícia Federal faz esse tipo de apreensão em Santarém. A estratégia e a rota do tráfico via Roraima dificulta a ação da polícia.
Compartilhar:

Monte Alegre

O no município vizinho impera a desordem e contravenções. Lá, as leis não são respeitadas e as autoridades pouco se esforçam para fazer cumpri-las. Na orla da cidade, crianças são vistas vendendo balas aos turistas, numa clara demonstração de exploração de mão de obra infantil.

Outro ponto que merece destaque é o trânsito da cidade. Motociclistas fazem o que querem nas ruas e ninguém faz nada. Uma moto chega a transportar até quatro pessoas. Tudo acontece sob os olhares inertes dos policiais civisi e militares. Uma vergonha, como diria o Boris.
Compartilhar:

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Dia Mundial da Alimentação

A Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (SEMAB), tendo consciência do direito do brasileiro de se alimentar devidamente,respeitando as particularidades culturais de cada região, está participando noauditório do IESPES a partir das 14:00 hs de palestras referentes ao Dia Mundial daAlimentação. Na solenidade serão discutidos os temas: “Direito a alimentação” comIvone Aguiar - SEMTRAS, “Grupos de Alimentação e Valores Nutricional dos Alimentos”com Rubem Serruya - SEMED e Maria do c. Pinto - Extensionista Rural da EMATER. Aprogramação será encerrada às 18:00 hrs.
Compartilhar:

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Projeto elimina fuso e muda hora do Acre e Amazônia

O Brasil poderá perder um dos quatro fusos horários que cortam o território nacional.

O Projeto de Lei 882/07, do Senado Federal, atribui ao meridiano que abrange as áreas do Acre e da Amazôniao país - onde estão cinco municípios - apenas uma hora a menos em relação a Brasília, em vez das duas horas atuais de diferença.

Na prática, a proposta incorpora o Acre e os municípios amazonenses de Atalaia do Norte, Benjamin Constant, Eirunepe, Envira e Ipixuna ao terceiro fuso, que hoje compreende Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Roraima e partes do Pará e do Amazonas.

A proposta altera o Decreto 2.784, de 1913, que define a hora oficial para todo o território brasileiro com base em quatro fusos horários fixados a partir do meridiano de Greenwich, que representa a hora legal internacional.

Integração

Para o autor da proposta, senador Tião Viana (PT-AC), a mudança permitirá uma maior integração do Acre e da parte da Amazônia com o restante do País, principalmente em áreas como o sistema financeiro, as comunicações e o transporte aéreo.

Nos meses em que vigora o horário de verão, a diferença do quarto meridiano em relação a Brasília - que representa a hora legal do País - chega a três horas. Ou seja, quando é meio-dia na capital federal, os relógios de Rio Branco (AC) ou de Envira (AM) marcam 9 horas.

Fusos

Dos quatro fusos horários que cortam o País, o segundo é o que abrange a maior parte do território, indo do Amapá ao Rio Grande do Sul, passando por Brasília. Daí ele representar a hora legal nacional.

Em relação à hora legal internacional, este fuso está três horas atrasado.O primeiro fuso tem duas horas a menos do que o meridiano de Greenwich e compreende as ilhas de Fernando de Noronha (PE) e Trindade (ES).

Tramitação

O projeto será analisado em caráter conclusivo pelas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
Compartilhar:

Arte na Escola

Os vencedores
Compartilhar:

Rápidas

LIVROS
Na próxima sexta-feira, 19, às 17 horas, na Biblioteca Municipal Paulo Rodrigues dos Santos, a Prefeitura de Santarém, através da Coordenadoria Municipal de Cultura, fará a entrega de 600 livros, de títulos variados, que foram doados ao Governo Municipal por ocasião da Feira Pan-Amazônica, realizada em Belém no início do mês. A entrega vai ser feita pela Prefeita Maria do Carmo e pela Coordenadora de Cultura, Jarle Aguiar.

TANQUE REDE
Acontece amanhã, às 10 horas, o lançamento do projeto Tanque Rede da Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (SEMAB). O evento será realizado na comunidade Costa do Aritapera (Várzea). O projeto visa à criação de alevinos em cativeiro.

PARQUE PARA AS CRIANÇAS
Como parte da programação da Prefeitura que marcou a passagem do Dia das Crianças, a Prefeita Maria do Carmo entregou na tarde de quinta-feira, 11, um parque para as crianças do bairro São José Operário. O espaço de recreação está localizado na área da antiga Embratel, hoje Complexo Gavião. Em meio a uma grande festa, cerca de 200 crianças estiveram presentes para saudar a novidade.
Compartilhar:

Semab dará apoio à assinatura de seguro dos pescadores

Inicia no próximo dia 23, terça-feira, a assinatura do seguro-desemprego dos pescadores. O benefício garantirá o recebimento de um salário mínimo enquanto durar o período do defeso, época em que é proibida a pesca de muitas espécies.

Este ano os pescadores terão a comodidade de receber a equipe responsável pelas assinaturas mais próximo deles. A Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (SEMAB) vai dar apoio técnico à ação.

Os atendimentos encerram dia 20 de novembro.

Segue abaixo a programação:
ZONA URBANA DA CIDADE
23/10: 14h00 - Uruará-24/10: 14h30min - Vila Arigó
25/10: 14h30min - Mapiri e 16h00 - Maracanã
26/10: 08h00 - Z-20ITUQUI
05/11: 08h00 - São José; 10h00 - Nossa Senhora de Lourdes; e 14h00 AracampinaTapará.
06/11: 07h00 - Santa Maria; 10h00 - Tapará grande; 14h00 - Correio e 16h30min -Costa do Tapará

URICURITUBA:
08/11: 07h00 - São Ciríaco; e 14h00 - Campos de Uricurituba

ARITAPERA:
09/11: 07h00h - Santa Terezinha; e 10h00 - Centro do Aritapera, Enseada doAritapera, Carapanatuba e Água Preta.

ARAPIXUNA:
12/11: 07h00 - Pinduri -09h00 - Carariaca -14h00 - Guajará

LAGO GRANDE:
13/11: 07h00 Vila Socorro; 14h00 - São Pedro14/11: Vila Curuai

TAPAJÓS:
19/11: 12h00 – Jauarituba; e 14h00 - Parauá

ARAPIUNS:
20/11: 07h00 – Maicá; e 10h00 - Vila Brasil
Compartilhar:

Premiados os vencedores do 3º Festival Arte na Escola

Torcidas organizadas, nervosismo dos candidatos, show nas apresentações e muita festa. Assim aconteceu a final do 3º Festival Arte na Escola da Gente, no dia 12 de outubro, na Praça Barão de Santarém.

No final, sagraram-se vencedores do certame:1º Marcos Abraão Silva da Silva - Escola Helena Lisboa 2º Rosilda de Jesus Silva - Escola Jarbas Passarinho – Tabocal 3º Edivaldo Matos do Vale - Escola Delfina de JesusO primeiro lugar recebeu uma flauta transversal.

Os alunos que ficaram em segundo e terceiro ganharam violões. Os demais candidatos que participaram da final do festival receberam flautas-doce.

A programação também contou com a participação da cantora Jana Figarella que se apresentou na praça enquanto os jurados faziam a contagem dos pontos.
Compartilhar:

Sefa promove seminário sobre modernização fazendária

A Secretaria da Fazenda (Sefa) vai realizar amanhã (16), o seminário Instrumentos para modernização da fiscalização tributária estadual, voltado ao debate das novas ferramentas tecnológicas de fiscalização e arrecadação e tributação. O evento faz parte das ações desenvolvidas no âmbito do Fórum de Modernização Fazendária, criado pela Sefa.

"O Fórum é um espaço para participação dos servidores da Fazenda, através da apresentação de estudos e trabalhos técnicos em seminários, workshops, teleconferências, sugestões e outras formas de participação", explica o secretário da Fazenda, José Raimundo Barreto Trindade.

Entre os temas que serão discutidos estão o Cadastro Sincronizado, o Sistema Público de Escrituração Digital Fiscal e Contábil (Sped) a Nota Fiscal Eletrônica e o Super Simples. Estas ferramentas simplificam os procedimentos e criam comodidade no cumprimento das obrigações tributárias.

Também serão apresentados dois temas de importância regional: "A partilha do ICMS e o desenvolvimento sustentável", palestra do diretor de Programas da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda, Francisco Mendes de Barros, com a participação do secretário Estadual do Meio Ambiente, Walmir Ortega.

O tema está relacionado a definição de novos critérios de partilha do ICMS aos municípios paraenses, observando elementos de sustentabilidade ambiental.

O Navegapará, programa de inclusão digital através da rede de fibra ótica será discutido do ponto de vista das ações que serão realizadas nas unidades fazendárias.
Compartilhar:

Incra abre tomada de preço para construção de vicinais

A Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Santarém (PA) abriu tomada de preço para a construção de 23 quilômetros estradas vicinais no Projeto de Assentamento (PA) Miritituba, localizado no Município de Itaituba. O órgão receberá no dia 22 deste mês, às 10h30 (horário de Brasília), em sua sede, as propostas das empresas interessadas em executar a obra, que está orçada em R$ 1.033.581,32.

Também estão incluídos como itens da obra, a implantação de 85 metros de ponte com estaca cravada; 43 metros de pontes de madeira de lei; e 120 metros tubos de concreto. O edital da tomada de preços, contendo todos os detalhes da obra, está disponível no site Compras Net (
http://www.comprasnet.gov.br), do Governo Federal.

Para acessar o edital, é necessário clicar em “acesso livre”, “consultas” e “aviso de licitações”, quando irá abrir um formulário. Deve-se escolher a modalidade tomada de preço, selecionar o estado, o município e o órgão, no caso o Incra, relacionado à compra a ser efetuada.

No dia 22, o Incra irá avaliar a situação das empresas perante os órgãos de Governo. As que estiverem irregulares serão desabilitadas da tomada de preço, tendo oportunidade para recurso. Caso não surjam recursos ou assim que sejam dirimidos os questionamentos, serão avaliadas as propostas. Vencerá a empresa que apresentar o menor valor para a prestação do serviço.

PA Miritituba – O assentamento foi criado, por meio de desapropriação, em 1998. Possui cerca de 330 famílias na relação de beneficiários da reforma agrária, distribuídas entre 25,3 mil hectares.
Compartilhar:

Revisão eleitoral no Pará inicia na próxima quarta-feira

A partir de quarta-feira (17), até o dia 30 de novembro, oito municípios paraenses vão passar pela revisão de seus eleitores cadastrados no TRE (Tribunal Regional Eleitoral do Pará). A revisão foi deferida pelo Tribunal Superior Eleitoral e vai ocorrer nas Zonas Eleitorais de Santa Cruz do Arari, Magalhães Barata, Bonito, Alenquer, Rio Maria, Sapucaia, Tucumã e Anapu.

No Estado, as revisões vão envolver 96.719 eleitores dos municípios de Alenquer (31.880 eleitores), Anapu (10.545), Bonito (8.782), Magalhães Barata (6.398), Rio Maria (11.289), Santa Cruz do Arari (5.141), Sapucaia (2.958) e Tucumã (19.726)

A revisão é determinada pelo TSE sempre que o total de transferências de eleitores ocorridas no ano em curso seja 10% superior ao do ano anterior; o eleitorado for superior ao dobro da população entre 10 e 15 anos de idade, somada à de idade superior a 70 anos do território daquele município; e quando o eleitorado for superior a 80% da população projetada para aquele ano pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A maioria das divergências entre número de eleitores e população ocorre devido alguns motivos, como: eleitores falecidos que não são comunicados à Justiça Eleitoral pelos cartórios de registro civil; e eleitores nascidos no município que, por razões adversas, saem da região mas continuam mantendo laços familiares na cidade, ou seja, continuam votando na mesma cidade natal.

Como será – O Juiz Eleitoral de cada Zona em que ocorrerá a revisão presidirá o ato obedecendo as orientações expedidas pelo TRE/PA, sob fiscalização de um representante do Ministério Público. Os trabalhos de revisão serão inspecionados pela Corregedoria Regional Eleitoral. A revisão vai abranger todos os eleitores que tenham domicílio eleitoral na respectiva Zona, com comprovação de residência ou de vínculo profissional, patrimonial ou comunitário no município.

Não poderá haver pedido de prorrogação do prazo de revisão que ultrapasse o final deste ano, uma vez que a revisão do eleitorado é vedada em anos eleitorais de acordo com a Resolução TSE 22.586/07. O juiz eleitoral de cada Zona incluída na revisão deverá publicar edital com todas as informações acerca do processo até o dia 12 de outubro próximo. O edital deverá ser fixado no Fórum da Comarca, em cada Cartório Eleitoral, e ainda em repartições públicas e locais de acesso ao público em geral.

Os trabalhos de revisão vão funcionar diariamente, dentro do horário estabelecido por cada juiz eleitoral. Também serão instalados postos de atendimentos nos municípios e respectivos distritos, considerando a proximidade das comunidades a serem atendidas e o número de eleitores.

Ao término dos trabalhos o juiz eleitoral deverá emitir um relatório que será encaminhado ao TRE e homologado até 14 de março de 2008. Quem deixar de comparecer terá seu título cancelado.

Compartilhar:

Restituição do IR

A Receita Federal libera hoje (15) o quinto lote de restituição do Imposto de Renda referente ao exercício de 2007. Quem não solicitou crédito em conta deve procurar uma agência do Banco do Brasil ou ligar para 4004-0001 nas capitais ou 0800-729-0001 nas demais cidades.
Compartilhar:

Pânico em Manaus

Raios e forte chuva no início da noite do último domingo provocaram tumulto em Manaus (AM). Na Zona Sul, fios de alta tensão se romperam e chegaram a atingir um carro. Segundo a Defesa Civil do Estado, o temporal também destelhou casas, derrubou árvores e abriu buracos em vários pontos da cidade amazonense.
Compartilhar:

3º BPM será destaque durante encontro

A referência em nosso Estado é o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo 3º Batalhão de Polícia Militar, em Santarém. A afirmação foi feita pelo próprio comandante do 3º BPM, coronel Osmar Costa Júnior, "a PM, em Santarém, tem levado a efeito diversos trabalhos que classificamos em três tipos de ações: represssivas, preventivas policiais e preventivas não-policiais", informa.

De acordo com as informações de Costa Júnior, as ações repressivas são aquelas que estão sendo desenvolvidas mediante as operações do tipo esvazia-quartel. São feitas de quinta a sábado, no centro da cidade e nos bairros que acusam a ocorrência de delitos.

A Polícia Militar tem empregado em média 120 policiais nessas operações, com policiamento ostensivo à pé, radiopatrulhamento, policiamento de trânsito e policiamento montado. As ações preventivas policiais são aquelas que vão desde a capacitação de policiais militares até as abordagens nas ruas, tanto a pedestres como a condutores de veículos. "Está sendo dada uma atenção especial aos condutores de motocicletas, pois alguns roubos estão sendo efetuados por moto-condutores", assinala o comandante.

Essas ações preventivas também incluirão a capacitação de grupos na sociedade, o que o comandante anuncia como a formação da REDE COMUNITÁRIA DE SEGURANÇA, que significará "uma grande rede, a partir do treinamento de diversas categorias de profissionais, como os taxistas, mototaxitas, flanelinhas, funcionários da rede bancária, trabalhadores de hotéis, bares e restaurantes".

Esses profissionais serão orientados e sensibilizados sobre a importância de informarem a polícia (através dos telefones 190 ou 181) a respeito da possibilidade de ocorrência de atos delituosos, possibilitando que se tomem medidas preventivas e a polícia chegue antes da ocorrência do crime, tornando suas ações eminentemente preventivas.

O Paradão nos Bairros tem sido uma atividade muito apoiada pela comunidade, pois é através dessa iniciativa que a população se aproxima da corporação, através do desfile militar, dos cânticos e da distribuição de bombons para as crianças. No Paradão, o cidadão também tem colocado a sua opinião e feito a sua denúncia nas caixas de sugestões que são disponibilizadas no bairro.

Na ocasião, Costa Junior anunciou para o próximo dia 31 de outubro, a implantação da Zona de Policiamento (ZPOL), em Santarém. A unidade funcionará no no mesmo prédio da Secccional Urbana de Santarém. A medida permitirá a ação conjunta das duas polícias e o desenvolvimento de parcerias para o melhor atendimento do cidadão santareno.
Compartilhar:

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

PAC será lançado em Santarém nesta quarta-feira

Na próxima quarta-feira, 10, o Governo do Estado lança em Santarém o programa "PAC Urbanização e Saneamento no Pará", que beneficiará no estado as cidades de Belém, Ananindeua, Marituba, Castanhal, Marabá, Santarém, Bagre e Nova Esperança do Piriá.

O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foi lançado pelo governo federal em janeiro deste ano para promover ações de infra-estrutura logística, energética, social e urbana em todo o país. O Pará já possui quase R$ 1 bilhão do PAC para usar nos próximos quatro anos. No total, serão 28 projetos, sendo 17 da Cosanpa, 7 da Cohab e 5 da Sedurb.

As obras precisam ter início até, no máximo, dia 28 de fevereiro. Cada projeto, no entanto, segue um cronograma próprio e ainda este ano será possível dar início a alguns deles. Todos os projetos contarão com um Projeto Técnico e um Projeto Social.

Em Santarém, devem ser investidos pelo Governo Federal, através do Governo do Estado, R$ 25 milhões na ampliação do sistema de abastecimento de água, com benefício a 90 mil pessoas da área Central da cidade, e através da Prefeitura, R$ 77 milhões para implantação do sistema de esgotamento sanitário e erradicação de palafitas e urbanização integrada nos bairros Mapiri e Uruará.

O lançamento do Programa acontece às 10h00 no Comercial Atlético Cearense. A Governadora Ana Júlia deve participar da cerimônia via vídeo-conferência a ser transmitida para todos os municípios beneficiados.


Compartilhar:

Burocracia barra projeto modelo para a Amazônia


Iniciativas que colaboram para o desenvolvimento sustentável e a preservação da Amazônia deveriam ser incentivadas pelo governo. Não é o que acontece na região de Santarém, oeste do Pará. Um projeto de exploração sustentável de recursos florestais madeireiros em assentamentos está parado por falta de autorização dos órgãos ambientais. O projeto já foi tema de livro, visitado por pesquisadores de mais de 150 países e tido como exemplo de prática de manejo florestal sustentável na Amazônia. Hoje está parado e corre o risco de falir.

Treze associações de assentamentos rurais da região conhecida como Planalto Santareno participam de uma experiência única na Amazônia. Eles vendem a madeira dos assentamentos para empresas de Santarém. Mas para isso, contratam o serviço de uma empresa especializada em manejo florestal que é referência de exploração sustentável. O projeto teve início em 1999, mas está parado porque os planos de manejo que deveriam ser liberados no começo do ano estão engavetados no Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) e na Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema).

Quando decidiu criar a Manejo Florestal e Prestação de Serviços (Maflops), o empresário Antonio Leite tinha um sonho. "Quando eu morrer quero ser lembrado que nem o Chico Mendes", diz. No final da década de 80, ele pegou as economias que tinha e investiu numa idéia: criar uma fórmula de retirar a madeira de áreas de assentamentos gerando renda e benefícios aos assentados e mantendo o máximo da floresta possível nas áreas dos agricultores. Deu certo. Hoje, a área em que a sua empresa atua, no entorno da BR-163, é exemplo de preservação. Desmatar é uma palavra pouco usada por lá.

A sede da Maflops fica em uma propriedade de Antonio no quilômetro 89 da Santarém-Cuiabá. Ao chegar ao local, percebe-se algo diferente. É lá que estão localizadas as primeiras áreas reflorestadas do oeste do Pará. A empresa se especializou em intermediar a negociação entre assentados e madeireiros e executar os serviços desde a execução dos planos de manejo até o transporte das toras. É neste serviço que a Maflops mostrou-se ser uma empresa única na Amazônia, referência até mesmo para os técnicos do Ministério do Meio Ambiente (MMA).

A afirmação de que a Maflops faz um trabalho pioneiro na Amazônia não é apenas força de expressão ou marketing. No Google, há mais de 170 referências sobre a atuação da empresa. Até mesmo organizações ambientalistas como a WWF rendem loas ao trabalho feito em Santarém. Na área de mais de 95 mil hectares onde a empresa atua, os agricultores viram fiscais florestais. É por isso que menos de 10% da área do assentamento foram desmatados, mesmo os colonos tendo direito a desmatar 20% de cada lote. "Aqui nós fazemos há quase 10 anos o que o governo está tentando agora, que é fazer a floresta em pé gerar renda", orgulha-se Antonio.

O segredo do sucesso ambiental é um rígido controle sobre todas as fases do projeto de manejo. O inventário das espécies (como se fosse um censo da floresta) é feito a 100%, e não somente das espécies comerciais. A seleção das matrizes (árvores que serão preservadas para a reprodução) é feita de forma rigorosa. Um mapa feito por computador traça o perfil da área e indica a localização exata de cada árvore.
Técnicos e engenheiros identificam o melhor traçado para retirar a árvore da mata, com o menor impacto possível. Um ano após a exploração, não é possível mais identificar por onde as toras foram transportadas no meio da floresta.

Antonio Leite mostrou que uma pessoa que compra uma carga de madeira no Japão, por exemplo, tem como saber de que lote saiu a árvore, em que ano foi cortada e até pode localizar o local exato de onde foi retirada e para que lado caiu. Para isso, a Maflops conta com uma equipe especializada que trabalha no escritório da empresa e no campo, com instrumentos exclusivos que nem mesmo importantes institutos de pesquisas conseguiram reproduzir. É o caso do programa de computador que faz o mapa dos lotes a serem explorados, dando a localização exata de cada árvore inventariada no plano de manejo. É feito ainda um mapa-relatório pós-exploração, que mostra onde as árvores foram derrubadas, para que lado caíram e como foram retiradas. "Só eu que faço isso, porque este trabalho não é exigido pela lei", disse Antonio.


A idéia fez tanto sucesso que a Maflops foi chamada para participar de um projeto modelo de manejo florestal na Floresta Nacional do Tapajós. Lá, Antonio viu que o sistema de numeração das toras poderia sofrer fraudes, já que os números eram pintados no topo de cada uma. Ele criou então um sistema de numeração em relevo, à prova de fraudes. "Com este sistema não é possível apagar o número", diz. É graças a este sistema que a madeira pode ser rastreada de qualquer lugar do mundo. "Qualquer um pode vir aqui com os números que a gente faz a identificação no escritório e vai até o local de onde a árvore foi retirada e apresentamos as licenças", garante Antonio.

A responsabilidade da Maflops fica claro quando se percorre a área. Nos chamados pátios, pilhas e mais pilhas de madeira retiradas ano passado estão estocadas, aguardando a autorização para transporte. A empresa não aceita que ninguém toque nos lotes de toras enquanto a autorização do órgão ambiental não sair. "Se eu cedesse às propostas que me foram feitas, estaria rico, mas temos o ideal de fazer as coisas certas", garante Antonio, mostrando o sistema de numeração que ele criou para identificar as árvores.

Toda esta tecnologia garante renda às 1.600 famílias dos assentamentos, mais 3.000 funcionários diretos da Maflops e das serrarias que compram a madeira e mais 5.000 empregos indiretos gerados na cadeia produtiva. Somando tudo, são mais de 15 mil pessoas beneficiadas pelo projeto. Para as famílias que vivem na área, o manejo florestal virou sinônimo de geração de renda, de emprego e de dignidade.

Assentados saem da miséria graças ao manejo florestal

O trabalho com os assentados começou por volta de 1999, no Projeto de Assentamento Mojú I e II. Naquela época, não existiam estradas na região e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) não tinha dinheiro para investir nos colonos. Os assentamentos foram criados em 1996 e deveriam ter o mesmo destino de milhares de projetos criados na Amazônia: se transformarem em grandes áreas devastadas e degradadas. Mas ai apareceu a Maflops com uma idéia inovadora de manter a floresta em pé, gerando renda para os assentados.

Cada assentado recebe em média 30 mil reais com a venda da madeira retirada da reserva legal de seu lote. Esta reserva corresponde a 80% da área. Com este dinheiro, eles podem investir. Muitos compraram um carro para transportar a produção. É o caso do assentado João Serafim Rodrigues, que tem um lote na vicinal 124 da BR-163. Quando ele chegou à área, em 1999, não tinha nada. Hoje tem 13 mil pés de pimenta produzindo, emprega até 40 pessoas durante a colheita e tem um caminhão para transportar a produção. Sefarim antém dois filhos estudando em uma universidade particular em Santarém

Em outros assentamentos da Amazônia podem existir colonos em situação igual à de Serafim. Mas em nenhum local se consegue tudo isso desmatando apenas seis hectares de floresta. Das 20 hectares de mata que ele tem direito e derrubar, restam ainda 14. Foi graças ao manejo florestal nos 80 hectares da reserva legal de seu lote que ele conseguiu o que tem. "O manejo foi muito bom, com o dinheiro da madeira consegui expandir o pimental", conta, acrescentando que ano passado faturou cerca de R$ 40 mil com a produção e já pensa em diversificar as culturas e implantar Sistemas Agro-Florestais com banana, cupuaçu e açaí.

Serafim é associado à Associação dos Pequenos Produtores Rurais da Comunidade Santo Antonio. Esta é uma das associações que aguardam a liberação de planos de manejo. "Aqui não tem este negócio de devastação. A nossa madeira é retirada de forma legal", garante Maria Aparecida, 37 anos. Segundo ela, a maioria dos assentados desmata menos do que o permitido. "A gente não precisa derrubar a floresta, pois ela é fonte de renda pra gente", garante. A floresta está sempre localizada a poucos metros das estradas que cortam o assentamento.

Para o pequeno agricultor Sebastião Geraldo, de 40 anos, o manejo florestal deu tão certo que ele desmatou menos de dois hectares de seu lote. Outro assentado, Benedito da Silva Paixão, de 49 anos, acha que os órgãos ambientais estão fazendo confusão. "Estes assentamentos não têm nada haver com os que foram denunciados (pelo Ministério Público Federal). Que existe ilegalidade, existe, mas não aqui. A gente não pode pagar a conta dos outros, aqui não tem laranja de madeireiro", diz.

Benedito lembra que quando chegou ao assentamento não existiam estradas e nem água. "A gente bebia água de cipó e imbaúbas". A opção, segundo ele, foi fazer uma parceria com as empresas madeireiras, para vender a madeira e conseguir melhorar a infra-estrutura do assentamento. Para isso, decidiram contratar os serviços da Maflops, depois de uma reunião com todos os colonos. A maioria decidiu pelo manejo. A decisão não poderia ser mais acertada. Hoje o projeto inteiro tem a sua mata quase totalmente preservada. A pecuária - atividade que exige a derrubada de grandes áreas de floresta - praticamente não existe nos assentamentos.

Quando a atividade de manejo está a pleno vapor, a Maflops emprega quase mil pessoas. Cerca de 70% da mão-de-obra usada pela empresa é formada por pessoas dos próprios assentamentos. Com isso, além do dinheiro com a venda da madeira e exploração dos recursos não madeireiros, eles têm outra fonte de renda. "Eles são contratados e trabalham com certeira assinada no verão, quando a gente tem mais atividade, e no inverno são demitidos e ainda têm direito ao seguro-desemprego", explica Antonio.

Nos núcleos montados pela Maflops em cada área de assentamento, estão sendo construídos pólos onde serão feitos móveis e produtos de artesanato de cipós e outros recursos da mata. Um grupo de mulheres já trabalha com plantas medicinais. "As pessoas estão evoluindo, conquistando as coisas com o seu próprio trabalho e não dependem do governo. Você não vê estes assentados na porta do Incra fazendo manifestação", diz Antonio.

Ele conta que na época da criação dos assentamentos os agricultores poderiam ter vendido a madeira dos lotes para madeireiras ilegais, sem plano de manejo, pois seria uma forma mais rápida para ganhar dinheiro. Um plano de manejo demora até três anos para ser aprovado. Mas ele destaca que o ideal de preservação prevaleceu e pôde realizar o seu trabalho e colocar suas idéias em práticas. "Hoje o assentado sabe que a reserva legal é uma poupança". Os próprios agricultores impedem a retirada de madeira de forma ilegal. São os fiscais da floresta.

Nos assentamentos de Santarém, a Maflops já apóia os agricultores na exploração sustentável também de recursos não madeireiros. É uma forma de os agricultores se manterem enquanto a madeira dos seus lotes não é retirada. Em dos projetos os moradores devem colher este ano a primeira safra de borboletas. "Antes eles capturavam as borboletas sem qualquer critério então incentivamos a criação do borboletário", relata Antonio. Nos próximos meses, o empresário vai buscar mercado para o óleo de andiroba que serão produzidos nos assentamentos. "Nós sabemos até quantas andirobas têm na área de cada assentado", diz.

Estes produtos já sairão da área com o selo verde de qualidade do Instituto Gestor de Pesquisas na Amazônia (IGPA), outra conquista dos assentados graças à Maflops. Para conceder este selo, o IGPA submeteu as ações nos assentamentos a um rígido processo de avaliação. A empresa também está muito próxima de conseguir a certificação internacional de produção sustentável de madeira mais reconhecida em todo o mundo, o selo verde do Forest Stewardship Council (FSC), presente em todos os continentes e mais de 75 países.

Associações são donas dos projetos e decidem para quem vender a madeira

Os assentados garantem que os donos dos projetos de manejo são eles mesmos e que são os próprios agricultores que decidem para quem vender a madeira. A Maflops é apenas uma prestadora de serviço. A empresa negocia com os madeireiros em favor dos assentados, buscando um melhor preço pela madeira. Atualmente o preço praticado é de R$ 25 reais por metro de tora ou o valor mínimo de R$ 70 reais por árvore, caso ela tenha menos de três metros cúbicos.

Antonio diz que os que criticam os valores analisam somente o preço inicial da árvore e o valor final do metro cúbico de madeira depois de serrado. Ele explica que para sair da mata, chegar a uma serraria a ser beneficiada, a madeira passa por um processo que gera toda uma cadeia produtiva. Há os gastos com a elaboração do plano de manejo, exploração, transporte até os pátios, construção de estradas, pontes, fretes com caminhões. "Só com construção de estradas se tem um custo igual ou maior que com o valor da tora", diz, explicando que as estradas abertas são mantidas trafegáveis o ano todo e servem para os assentados. O ônibus passa na porta da casa dos colonos e as crianças chegam à escola com mais facilidade.

O empresário diz que existem empresas que trabalham de forma errada, mas lamenta que os órgãos ambientais e a Justiça generalizem. "A pessoa só vai entender como nosso projeto funciona se vier aqui, conhecer a realidade", diz. Ele não entende como a sua iniciativa foi parar em um relatório elaborado pelo Greenpeace que aponta irregularidades na relação entre assentados e madeireiros na Amazônia. "Muita gente quer vir aqui depois de tudo pronto e comprar a madeira dos colonos por um preço melhor, mas sem ter feito estrada, plano de manejo, sem investir um centavo", critica.

Ele convidou diversas vezes o procurador da República em Santarém, Felipe Braga, para ir ao local e conhecer a realidade, mas o procurador não foi. "Tem muito madeireiro ilegal que tenta tirar a madeira dos lotes e os assentados não deixam, ai eles vão ao Ministério Público e dizem que estamos monopolizando a exploração nos assentamentos", explica, afirmando que o projeto está aberto para receber qualquer autoridade do judiciário. Sobre a crítica de que o governo delega às empresas as responsabilidades pelos assentamentos, ele responde: "Se a floresta tem condições de manter os assentamentos, gerando infra-estrutura, o governo pode investir em outras coisas", diz.

Em 2004, o trabalho da Maflops chamou a atenção do diretor-geral do serviço Florestal Brasileiro, Tasso Azevedo, que foi conhecer a iniciativa. Ele passaria três horas no local, mas ficou tão impressionando que acabou ficando uma semana. Hoje, o próprio Tasso indica o serviço da Maflops para empresas madeireiras sérias que querem fazer uma exploração responsável em áreas da Amazônia. Um grupo de empresários que fechou contrato com assentados de Aveiro relataram que Tasso lhes indicou o trabalho da Maflops. Eles contrataram o serviço da empresa, pensando em repetir em Aveiro a iniciativa de Santarém. Mas os planos de manejo também não são liberados pela Sema.

Compartilhar:

DESTAQUE:

Celpa reforça apoio ao Meio Ambiente durante ações promovidas em Santarém

Em alusão ao Dia do Meio Ambiente, foram desenvolvidas várias programações durante todo o mês de junho, envolvendo os colaboradores e par...

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive