sábado, 23 de janeiro de 2010

Descanso e trabalho

As atualizaçóes do blog voltam ao normal a partir de fevereiro. Aos nossos leitores, amigos, parceiros e colaboradores nossas sinceras desculpas. Até lá, estaremos reformulando completamente o QP.
Compartilhar:

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Internet preguiçosa

Sabem como é a internet em Manaus?
Compartilhar:

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Conclusão das eclusas de Tucuruí faz de 2010, o Ano das Hidrovias

Por: Franssinete Florenzano
 
Principal projeto do governo Lula para o setor hidroviário, o Sistema de Transposição de Tucuruí - que inclui duas eclusas e um canal intermediário - ficará pronto em 2010, o grande passo para viabilizar a hidrovia Tocantins-Araguaia, juntamente com as obras de derrocamento dos pedrais no final do remanso do lago de Tucuruí, no rio Tocantins, orçadas em R$ 580 milhões, que deverão iniciar este ano, de modo a permitir a navegação de comboio tipo em 500 quilômetros, desde Marabá até o porto de Vila do Conde, em Barcarena. Entre as medidas ambientais que já estão sendo discutidas figuram o monitoramento da água e a certificação da emissão de poluentes nos índices tolerados. A informação é do chefe da Casa Civil do governo do Estado, Cláudio Puty, adiantando, ainda, o lançamento em breve do Plano Estratégico para as Hidrovias Brasileiras, que será incorporado ao Plano Nacional de Logística de Transporte, em sua atualização anual.  

“O Pará vai efetivamente proteger o meio ambiente, reduzir em mais de 90% gastos com combustíveis e fretes e catapultar não só a economia regional, como também a nacional. Além de ser o meio de transporte mais barato e menos agressivo ao ecossistema, dos recursos hídricos dependem as indústrias, a agricultura, e muitas outras áreas. Tudo isso tem enorme incidência no processo de desenvolvimento econômico-social do País. Precisamos trabalhar com um planejamento integrado envolvendo os setores elétrico, de transportes e de agricultura. O Pará pode elevar em grande escala sua produção com o incremento do transporte fluvial. Não dá para continuar a arcar com os prejuízos da logística ruim, por conta dos custos dos fretes; pela precária infraestrutura rodoviária, devido ao peso das carretas; e pelas altas emissões de CO2, provocadas por esses veículos”, argumenta Puty, lembrando que a bacia do Tocantins-Araguaia tem área de 921.921 Km² (10,8% do território nacional) e abrange Goiás, Tocantins, Maranhão, Mato Grosso e Distrito Federal, além do Pará, com grande importância no contexto nacional, pela expansão da fronteira agrícola, principalmente com relação ao cultivo de grãos, lavra de minérios, pecuária, e pelo grande potencial hidroenergético.

O rio das Mortes também faz parte dessa hidrovia e é navegável em 567 Km, de São Félix do Araguaia até Nova Xavantina (MT). Com a construção das eclusas em Santa Isabel no rio Araguaia, aliadas às de Lajeado e Estreito no rio Tocantins, será concretizado o chamado eixo Centro-Norte, principal corredor de exportação do agronegócio brasileiro, rumo ao sistema portuário de Vila do Conde, privilegiadamente localizado em relação aos mercados norte-americano, europeu e do Oriente Médio, em excelentes condições de competitividade, que só uma via de baixo custo operacional como a hidrovia pode oferecer.

“Quando a usina de Tucuruí foi construída, não se deu importância à navegação dos rios utilizados, o que hoje é motivo de problemas e de grandes despesas. Se as eclusas tivessem sido incluídas na obra da hidrelétrica, seu custo seria muito menos da metade do atual orçamento, que ao final vai girar em torno de R$1,5 bilhão. As eclusas ficarão prontas até o fim do governo Lula. Com isso, terá sido reparado um erro histórico”, enfatiza o secretário, informando ainda que a definição dos programas ambientais que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) vai realizar foi discutida durante reunião com técnicos da Universidade Federal do Pará e da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, como parte dos procedimentos para obtenção da licença ambiental da remoção dos pedrais, a ser emitida pela Sema. Serão realizadas audiências públicas para apresentação dos programas às comunidades.

Cláudio Puty defende a adoção de soluções mais adequadas para a implantação de hidrovias, preservando a integridade do planejamento do setor elétrico. A ideia é incluir no plano de construção das futuras hidrelétricas a previsão de eclusas, sem atrasar o calendário de obras ou gerar aumento dos custos para o setor, que com a construção simultânea ao barramento reduz substancialmente. Por sua vez, a realização de estudo de viabilidade integrado permite a elaboração de projeto de engenharia tecnicamente mais adequado, com usos múltiplos da água. “Assim que a governadora Ana Júlia Carepa recebeu o projeto da usina de Belo Monte, apôs como exigência a construção de eclusas, a fim de garantir a plena navegabilidade do rio Xingu e o aproveitamento energético em benefício do Pará, além de vislumbrar desde logo as muitas possibilidades de novos empreendimentos que gerem emprego em renda, ao longo do curso do rio, de modo a proteger a população local atingida pela barragem”, conta o secretário.

Outra boa notícia é que, em atendimento a reivindicação do Pará, o presidente Lula aprovou a criação de um Grupo de Trabalho Interministerial para estudo da viabilidade da hidrovia Tapajós-Teles Pires. Já está constatada demanda de 40 milhões de toneladas de grãos nessa rota. O potencial hidrelétrico da bacia, estimado em estudos da Empresa de Pesquisas Energéticas, é da ordem de 15 mil megawatts.

A hidrovia Guamá-Capim, com 479 Km de extensão - sendo 157 Km no rio Guamá, de sua foz até São Miguel do Guamá, 262 Km no rio Capim, de sua foz até o local da travessia para Paragominas, e 60 Km da foz do Guamá ao porto de Vila do Conde – também é objeto de atenção do governo do Pará, garante Cláudio Puty, que considera da maior importância seu uso comercial para transporte de minério a partir das jazidas existentes, além de outras cargas como boi em pé, e aponta a tendência de formação de pólos agrícolas em torno desse corredor, além de desafogar o trânsito na Belém-Brasília, com o uso do sistema ‘ro-ro caboclo’ (transbordo de cargas em caminhões através de balsas).
Compartilhar:

Ibama apreende 800 m3 de madeira serrada durante a “Operação Quintal” em Belém, no Pará

Fiscais da Superintendência do Ibama em Belém apreenderam nesta segunda-feira (11/01/2010) cerca de 800 m3 de madeira serrada, durante o primeiro dia da “Operação Quintal” , realizada na área portuária da capital do estado.

Dentre as espécies comercializadas sem a licença ambiental estavam essências amazônicas como quaruba, angelim, cupiúba e mandioqueira. Toda a madeira ilegal, ao final do processo, será doada para instituições beneficentes, além de usadas na construção de casas populares e em reformas de escolas.

“Esses estabelecimentos armazenavam e vendiam madeira irregularmente há muitos anos. Elas já estavam notificadas pelo Ibama a se regularizar desde 2005, mas não tomaram nenhuma providência para se adequar à legislação ambiental. Com essa operação estamos limpando o quintal da nossa própria casa”, diz o Assessor de Gabinete do Ibama em Belém, Leandro Aranha.

Os empreendimentos fiscalizados são os principais fornecedores de madeira para a construção civil em Belém. "A origem ilegal faz com que o preço final seja bem mais baixo do que o do produto lícito. O setor de construção civil se abastece dessa madeira, geralmente fruto de desmatamento, e lucra às custas do crime ambiental”, explica Aranha.

A “Operação Quintal”, que acontece com apoio do Batalhão de Policiamento Ambiental, não tem data para terminar. A ação visa não só a fiscalização do comércio ilegal de madeira, mas também reprimir outros ilícitos ambientais, como o desembarque de fauna silvestre e a pesca ilegal.
Compartilhar:

Associação de Agentes de Sustentabilidade é criada em Juruti

Representantes de instituições civis e governamentais de Juruti estão se organizando em mais uma iniciativa pelo crescimento ordenado e autônomo do município. Por meio da criação da Associação de Agentes de Sustentabilidade, eles pretendem repassar às demais instituições locais estratégias para a elaboração de projetos de desenvolvimento e a conquista de recursos.

A ideia nasceu dentro da Escola Juruti de Sustentabilidade, uma iniciativa do Instituto Peabiru em parceria com a Alcoa. Recentemente a Escola formou agentes qualificados para a elaboração de projetos sociais, econômicos e ambientais. Agora, com a associação, esses conhecimentos poderão ser multiplicados junto aos demais atores sociais de Juruti.

“A partir do momento em que terminamos o curso, nós começamos a nos reunir para discutir sobre como criar uma associação, já que no grupo nós temos pessoas de vários meios como do governo, associações, pessoas da área de contabilidade, advogados, professores e técnicos”, conta a professora Gercilene Amaral da Silva, que atua na área de captação de recursos da Secretaria de Planejamento do município, e uma dos 33 integrantes da nova associação.

“Foi algo que surgiu como um resultado do curso que nós fizemos e a iniciativa foi totalmente dos alunos”, afirma Rui Martins, Coordenador da Escola Juruti de Sustentabilidade, e diretor do Instituto Peabiru. O principal objetivo da Associação de Agentes de Sustentabilidade é fornecer orientação e suporte técnico para instituições que ainda não receberam qualificação na área de projetos, captação de recursos e prestação de contas.

”A gente percebe que as pessoas têm vontade, querem fazer algo pelo município, mas precisam da orientação sobre como estruturar o projeto. É uma necessidade principalmente das associações que estão no meio rural, que não têm muito acesso a essas informações”, explica Gercilene Amaral. “Então, como agentes, nós vamos dar esse suporte para essas associações”, completa.

Atualmente, a associação está se organizando juridicamente e elaborando seu estatuto. A primeira iniciativa será utilizar os Indicadores de Sustentabilidade de Juruti, levantados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) com apoio da Alcoa, Prefeitura e lideranças locais, para avaliar quais áreas precisam de reforço no desenvolvimento do município. A partir daí, serão selecionadas instituições locais para participarem de uma oficina de elaboração de projetos visando fortalecer os pontos que precisam de apoio em Juruti.
Compartilhar:

Aviões com 28 toneladas de alimento e água serão enviados ao Haiti

Brasília - O governo brasileiro envia até amanhã (14) dois aviões C-130 Hércules com 14 toneladas de alimento e água para o Haiti. As aeronaves transportarão presunto, sardinha, açúcar cristal e água. Os aviões sairão da Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro. Paralelamente serão encaminhados mais US$ 10 milhões em ajuda. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acompanha de perto a situação naquele país.

Há 1.310 brasileiros no Haiti, dos quais 1.266 são militares servindo nas forças de paz da Organização das Nações Unidas (ONU), segundo o Itamaraty. Mas a interrupção nas linhas telefônicas, além dos problemas de comunicação e do caos causado pelo terremoto atrapalham o levantamento de informações, de acordo com os diplomatas que acompanham o assunto.

O terremoto ocorrido ontem (12) no Haiti, por volta das 17h (horário local) não destruiu a Embaixada do Brasil em Porto Príncipe (capital haitiana), mas causou rachaduras no prédio. Por segurança, os funcionários deixaram o local. Não há informações de funcionários da embaixada feridos ou desaparecidos.
Por precaução o governo brasileiro decidiu reforçar a Embaixada do Brasil em Santo Domingo (capital da República Dominicana) com o envio de mais diplomatas e funcionários do Itamaraty para que sirva de apoio ao país vizinho.

Na manhã de hoje (13) o gabinete de crise, montado pelo governo brasileiro para monitorar o ocorrido no Haiti, fez uma longa reunião sob comando do chanceler e de vários embaixadores. Paralelamente na manhã desta quarta-feira o ministro da Defesa, Nelson Jobim, decidiu viajar para Porto Príncipe com militares e o embaixador do Brasil no Haiti, Ygor Kipman.
Compartilhar:

Zilda Arns



Fundadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns participa do lançamento da Campanha da Fraternidade 2008 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasi.
Compartilhar:

Celpa recomenda cuidados no período de chuvas

Com o inverno amazônico rigoroso, as constantes chuvas e os ventos fortes causam alguns transtornos para a população, como ruas alagadas, trânsito lento e, ocasionalmente, a falta de energia elétrica. O Oeste do Pará, sofre com o elevado e intenso período de chuvas. Segundo a Defesa Civil, no município de Santarém, ano passado foi um dos mais rigorosos invernos. Este ano, a Defesa Civil começa a se preocupar com as regiões que sofreram com as fortes chuvas, em Santarém, Altamira e Itaituba. Nas regiões ribeirinhas, a atenção deve ser redobrada, para garantir o acesso à saúde, escola e alimentação.

A Celpa, também se preocupa nesta época do ano e orienta a população para evitar acidentes. As recomendações são muitas: não falar ao telefone durante os temporais e raios, desligar equipamentos elétricos, evitar ficar em áreas descampadas, redobrar a atenção no trânsito.

Segundo Moacir Silva, engenheiro de segurança da Celpa, "Com a umidade elevada, materiais não condutores passam a conduzir energia elétrica. Paredes, postes, muros e outros elementos úmidos, quando em contato com fios e cabos condutores de energia elétrica com isolamento comprometido, ou sem isolamento, passam a se comportar como um condutor e assim podem ocasionar descargas elétricas em quem tocá-los. Esta situação é muito comum, principalmente em residências onde não é realizada manutenção nas instalações elétricas".

Outra recomendação é manter o máximo de equipamentos elétricos desligados dentro de casa durante temporais acompanhados de descargas atmosféricas (raios). "Não é preciso ficar no escuro, mas para evitar sobrecargas, a orientação é manter ligado somente o que é realmente necessário", pondera o engenheiro.

Cuidados importantes durante temporais e ocorrência de raios:

Em casa:

- Manter instalações elétricas em boas condições;
- Não fazer uso de benjamins (preferir os filtros de linha);
- Não falar ao telefone durante os temporais;
- Evitar goteiras perto de instalações elétricas (água conduz energia).

Na rua:

- Não ficar em áreas descampadas debaixo de chuva;
- Não ficar debaixo de árvores e estruturas metálicas durante temporais com raios;
- Procurar ficar protegido da água e não andar em áreas alagadas onde existem bueiros;
- Em caso de cabos elétricos no chão, a orientação é manter distância e chamar a Celpa.

Alagamentos

Em casa:
- Ao primeiro sinal de chuva forte, deixe móveis e eletrodomésticos fora do alcance da água;
- Desligue equipamentos elétricos e eletrônicos, feche o registro do gás e da água;
- Guarde os produtos de limpeza e alimentos fora do alcance das águas e não os utilize caso tenham sido atingidos;
- Mantenha um membro da família atento e vigilante ao nível de subida das águas, mesmo à noite;
- Tenha sempre lanternas e pilhas em condições de uso. Não use velas, lamparinas a álcool ou similares;
- Acompanhe o noticiário local pelo rádio e fique atento às mensagens de esclarecimento ou alarmes;
- Se houver muita infiltração na casa e acontecer rachaduras nas paredes ou se você escutar algum barulho estranho, abandone sua residência;
- Transmita alarme aos vizinhos em caso de súbita elevação da água;
- Não use telefone convencional;
- Não fique próximo a tomadas, canos, janelas e portas metálicas;
- Não toque em equipamentos elétricos que estejam ligados à rede elétrica;
- Desligue o disjuntor caso a água atinja níveis que possam alcançar as tomadas elétricas;
- Não deixe extensões ou cabos elétricos em contato com a água;
- Não toque equipamentos elétricos ou faça manutenções com os pés molhados ou dentro da água.

Dicas de como proceder após enchentes:
- Ao término da enchente, busque orientação da Defesa Civil sobre o retorno para sua residência. É necessário limpar os locais atingidos pela água e lama;
- Só retorne a casa durante o dia;
- Use botas e luvas para evitar o contato com a água e a lama, pois o contato pode causar doenças como leptospirose, (citar outras);
- Para descontaminar os locais e a caixa de água, utilize uma colher de sopa de água sanitária para cada litro de água;
- Jamais reaproveite a água da enchente para beber;
- Enquanto não for liberado o consumo da água da rede pública, beba somente água engarrafada, fervida ou clorada;
- Para evitar incêndios, choques elétricos ou explosões, desligue a energia elétrica e desconecte as tubulações de gás;
- Solicite a um profissional eletricista para fazer a revisão das instalações elétricas atingidas pela água antes de religar o fornecimento.
Compartilhar:

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Opinião: Tá, mas e o jornalismo?*

Sem um reconhecimento institucional, vive o jornalismo brasileiro como uma categoria desclassifica. Subjugada pela Justiça terceiro mundista do país mensaleiro, o jornalismo se viu alvejado com a decisão retaliadora do Supremo, visando enfraquecer e, de uma certa forma, enquadrar a profissão e seus profissionais, colocando-os no degrau de baixo, debaixo da chuva e do sereno.

Nesta mesma toada, em decisão posterior, a banca calou a voz do jornal O Estado de São Paulo quanto às publicações relacionadas ao clã Sarney. Por certo, antevendo os vários escândalos que poderiam ser relatados. Que confissão!

Agora, arvoram em cima dos blogs, pobres edições caseiras, como nos casos do jornalista Fábio Pannunzio e de Adriana Vandoni.

Fábio está censurado desde o dia 1º de dezembro, do passado ano, por determinação da Segunda Vara Cível de Curitiba, não podendo publicar matérias sobre uma quadrilha internacional desbaratada pela Interpol, além de ter sido obrigado a retirar todo material que vinha publicando sobre o assunto, sob pena de R$ 500 diários.

Adriana Vandoni está censurada desde o dia 13 de novembro, por decisão da 13ª Vara Cível de Cuiabá, que determinou que ela se abstenha de emitir opiniões pessoais sobre o deputado estadual José Riva (PP) ou que veicule qualquer uma das mais de 100 ações que correm contra o deputado na Justiça. A pena para Adriana, caso descumpra a decisão, é de R$ 1.000,00 ao dia.

Bom, como nenhum crime é perfeito, os blogueiros resolveram trocar matérias censuradas. O que a Adriana não pode publicar, pode Fábio. O que o Fábio não pode publicar, a Adriana publica.

Na vida é sempre assim: se não podemos comprar o todo, compremos os poucos que podem muito.

Com pomposos salários de fome, o jornalismo brasileiro agoniza, entre os interesses da empresa e da imprensa. Sem estímulo e banalizado, a profissão de qualquer um escreve, diariamente, sua ultrajada história, como uma profissão que caiu, como um compromisso ético vencido e esquecido, como uma pauta que tem que ser, todo dia, requentada.

A quem interessa esse quadro de ostracismo profissional, de ideal e comprometimento? A todos estes que estão aí, taxando comissões, grilando o poder, oferecendo dossiês e mensalões. Este é o Brasil da tv, da pornochanchada institucional, do povo domesticado, do jornalismo desclassificado e calado.

Se o jornalismo são os olhos da nação, no Brasil, esses olhos andam vedados e, muitas vezes, enquadrado a olhar em uma única direção.

*Petrônio Souza Gonçalves é jornalista e escritor
www.petroniosouzagoncalves.blogspot.com
Compartilhar:

Cesta básica teve alta em apenas uma capital em 2009

A cidade de Belém foi a única onde o custo da cesta básica subiu no ano passado. Os alimentos de primeira necessidade ficaram 2,65% mais caros.
Compartilhar:

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Projovem Trabalhador: Jovens de 12 municípios do Acre serão beneficiados inicialmente pelo programa

O Acre participa este ano do programa Projovem Trabalhador, do Ministério do Trabalho. O objetivo do programa é “promover a criação de oportunidades de trabalho, emprego e renda para os jovens em situação de maior vulnerabilidade frente ao mundo do trabalho, por meio da qualificação sócio profissional com vistas à inserção na atividade produtiva”.

A participação do Estado no programa se deve à interseção do senador Tião Viana junto ao ministro Carlos Lupi. O parlamentar acreano expôs a política desenvolvida pelo Governo, voltada para a inclusão social e a qualificação profissional dos trabalhadores. O projeto apresentado pelo Instituto Dom Moacyr foi aprovado e vai beneficiar mil jovens em 12 municípios do Acre. O valor do recurso é de aproximadamente R$ 1 milhão.

“No caso da Educação Profissional, ganhamos muito no trabalho que realizamos de formação e profissionalização de jovens e trabalhadores quanto passamos a contar com a colaboração do senador Tião Viana neste processo”, afirma o diretor presidente do Instituto Dom Moacyr, Irailton Lima.
Os cursos oferecidos serão nas áreas de administração, turismo e hospitalidade, beleza e estética, alimentação, construção e reparos, saúde, telemática e vestuário. Cada um deles terá a carga horária de 360 horas (seis meses), sendo 160h divididas entre informática e qualificação social e 200h de qualificação na área profissional.

Segundo Iraílton Lima, “o Projovem Trabalhador é uma eoportunidade de qualificação social e profissional de jovens porque apresenta um desenho formativo bem interessante”. “Ele procura associar a formação para o trabalho com o preparo para a ação de cidadania. Isso é especialmente importante no caso dos jovens do interior do Estado, que tanto precisam de estímulo e preparo para assumir responsabilidades com o bem estar de suas comunidades. Além da oportunidade da formacão, o jovem recebe ainda uma bolsa, o que ajuda muitas vezes na manutenção da família”, avalia.

O valor da bolsa que será oferecida pelo Governo Federal é de R$ 100 e o Estado terá a responsabilidade de inserir no mercado de trabalho no mínimo 30% do total de jovens que passaram pela formação, seja através de um emprego ou com a criação do próprio negócio.

Os municípios beneficiados são Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia, Capixaba, Xapuri, Plácido de Castro, Acrelândia, Senador Guiomard, Porto Acre, Bujari, Feijó e Tarauacá. (Agência de Notícias do Acre)
Compartilhar:

Confirmado primeiro caso de Gripe A em comunidade Yanomami

Fonte: Régis Góes / TV Santa Isabel
 
Foi confirmado ontem (04) o primeiro caso de Gripe A em uma aldeia indígena em Santa Isabel do Rio Negro, a 628 km de Manaus. A vítima é de uma comunidade que fica a 100 km do município. O paciente é um índio da tribo Yanomami.

Ele foi removido no domingo (03) por um helicóptero da Funasa até a sede do município para tratamento. Segundo informações do órgão, ele foi medicado e não corre o risco de morte.

Uma equipe da Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas (Susam) deve chegar amanhã à Santa Isabel para trazer mais medicamentos. O objetivo é combater o Vírus H1N1 na cidade. De acordo com um coordenador da Funasa, que pediu para não ser identificado, o índio pode ter contraído o vírus em passagem pelo município.

O material para análise foi coletado e enviado para Manaus. Hoje, vários profissionais se reúnem para planejar estratégias de combate ao Vírus.
Compartilhar:

Inflação para baixa renda é metade da registrada em 2008

O índice para as famílias que ganham até dois salários mínimos e meio subiu 0,16% em dezembro na comparação com o mês anterior. Com o resultado, o IPC-C1 acumulou em 2009 elevação de 3,69%, metade da taxa de 2008, de 7,37%.
Compartilhar:

Novas tragédias

A falta de fiscalização da Capitania dos Portos em Manaus é apontada por passageiros de barcos como o principal fator para a ocorrência de naufrágios nos rios da região. Nos portos da capital amazonense, a presença do pessoal da Marinha é praticamente zero, aumentando assim os riscos de acidentes com as embarcações que trafegam nos rios da Amazônia.

No porto da Escadaria dos Remédios é comum presenciar barcos com superlotação tanto de cargas quanto de passageiros. Nenhuma embarcação é fiscalizada in loco pela Capitania dos Portos. Outro grave problema é a imprudência de donos de barcos que não respeitam as normas de segurança da navegação colocando em risco a vida de milhares de pessoas, que necessitam desse tipo de transporte. Não bastasse tudo isso tem ainda o fato de que muitas embarcações estão completamente sucateadas e sem condições de realizar o transporte de passageiros.

Barcos que fazem a rota Manaus/Santarém/Belém não oferecem condições de higiene e nem de segurança para as pessoas.
Compartilhar:

Amazons: MPE pede anulação de concurso dos Bombeiros

Promotores do MPE receberam denúncias de que as provas para Enfermeiro teriam sido vendidas e pediram anulação do certame. Mais aqui:

Compartilhar:

PM prende arrombador

A Polícia Militar prendeu no domingo, 4, o elemento Edimilson Porticho de Oliveira, 35 anos, morador do bairro do Santo André. Segundo informações da polícia, Edimilson foi preso em flagrante de posse de uma arma branca e um ventilador, objeto que furtou da residência da senhora Liliane de Souza Monteiro, também moradora daquele bairro.

Segundo os relatos à polícia, Edmilson foi avistado enquanto arrombava a residência que fica localizada na rua Baturité. Dona Liliane foi avisada e quando chegou a sua residência foi ameaçada pelo indivíduo com uma faca.

Após a fuga a polícia foi acionada e conseguiu localizar o elemento ainda com o ventilador nas mãos. Preso, Edimilson foi conduzido para a seccional onde foi lavrado o flagrante. O caso está sendo acompanhado pelo delegado Guilherme Feio.

Edimilson foi transferido para o setor de triagem da penitenciária agrícola de Cucurunã. (Ascom/CPR-I)
Compartilhar:

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Saldo da balança comercial em 2009 fica em US$ 24,6 bilhões

O resultado é 1,4% menor do que o registrado no ano anterior (US$ 24,956 bilhões). Em 2009, as exportações somaram US$ 152,252 bilhões, enquanto as importaçõestotalizaram US$ 127,637 bilhões.

Compartilhar:

Equipes de busca encontram mais três corpos em Angra dos Reis e total chega a 50

Angra dos Reis (RJ) - Equipes de busca que atuam no Morro da Carioca, no centro de Angra dos Reis, litoral sul fluminense, encontraram no início da tarde mais três corpos de vítimas dos deslizamentos de terra provocados pela chuva.
Com isso, sobe para 21 o total de corpos resgatados no Morro da Carioca. Em todo o município, os bombeiros e homens da Defesa Civil já encontraram 50.
A estimativa é que 1,1 mil famílias vivam no Morro da Carioca. Pelo menos 100 terão que deixar o local ondem moram, localizados em áreas de risco.

Com medo de novos deslizamentos de terra, muitos moradores da região passaram a manhã de hoje (4) retirando pertences de suas casas, com a ajuda de amigos, parentes e voluntários.

A funcionária pública Carmen Adriane Maia Reis, 35 anos, retirou tudo que tinha de sua casa, que está interditada e será uma das residências demolidas hoje. Ela está há quatro dias na casa de amigos.

“Não tenho cabeça para pensar em nada, apenas agradecer por estar viva. As paredes da casa, construída com tanto sacrifício, já estão trincando.”
Moradores de residências que não foram interditadas também estão apreensivos. A auxiliar de laboratório Maria de Fátima Pinheiro da Cunha, 41 anos, disse que a prefeitura informou que ela não terá que deixar a casa. Mesmo assim, Maria de Fátima teme pela sua vida, pela do marido e pela dos dois filhos.

“Se chover, como posso ter certeza de que a encosta em cima da minha casa não vai descer? Pago IPTU [Imposto Predial e Territorial Urbano] de mais de R$ 70 e ainda tenho que passar por isso. Estamos na casa da minha sogra com medo de voltar.”

Compartilhar:

RATOS descontentes viram-se contra GATOS gordos






Por Adm. Marizete Furbino

"Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água.”
( Thomas Fuller)


As bases da administração do séc.XIX foram ditadas por Taylor, Fayol e Ford, onde o empregado era visto como indivíduo resistente, cujos esforços precisavam ser predefinidos, monitorados, e sancionados.
No séc.XIX – viu-se a emergência do empreendedor de negócios.
A partir do séc.XX – viu-se a emergência do empreendedor de vida, aquele indivíduo que participa ativamente da construção e sustentação de uma identidade própria, aquele indivíduo que sabe aonde quer chegar consciente de seu percurso e sabedor de seus objetivos e metas.
No séc.XXI – o indivíduo que faz parte da empresa não será visto como um objeto e sim como sujeito valioso de toda história organizacional. Além do bom atendimento, querem e exigem consideração. A gestão se baseará em compartilhamento de poder, confiança, negociação, reciprocidade, compromisso e envolvimento. 

Presas às rápidas mudanças, as micro e macro empresas enfrentam grandes desafios à sua consolidação no mercado, sentem necessidades emergentes de adequação, caso contrário estarão fadadas ao fracasso. 
Os funcionários, agora denominados colaboradores, sentem necessidade de participar ativamente do processo de gestão, dando suas contribuições, opiniões e sugestões, enfim, exigem ciência de onde trabalhar na empresa, o que fazer, como, quando e porque fazem tais ações. São conscientes que fazem parte da empresa, são na verdade colaboradores empreendedores, fazendo jus ao título de “colaborador”. É preciso que não haja descontentamento por parte de quaisquer Stakeholder, pois, isso poderá comprometer toda organização. 

A organização do séc.XXI é consciente de que o maior capital dentro de uma empresa chama-se capital intelectual, portanto considera as pessoas como seu maior bem, um patrimônio intangível. Sabedora de que o conhecimento faz parte do capital intelectual e que ele se concentra nas pessoas, valoriza em demasia cada colaborador, desde o mais baixo escalão até a direção da organização, sem distinção. 
Portanto, a empresa do séc. XXI considera seu colaborador como um ser biopsicossocial, que possui anseios, necessidades e talentos próprios e que se não cuidar bem deste patrimônio, corre o risco de naufragar no mercado, já que cada profissional ali existente contribui e muito para o desenvolvimento organizacional.   

É preciso que se tenha cuidado ao recrutar, selecionar e manter seus colaboradores, investindo mais e mais nos mesmos, pois se sabe que, investindo nas pessoas que fazem parte da organização, o gestor estará investindo na própria empresa, uma vez que tais pessoas irão aplicar os conhecimentos adquiridos em prol da empresa de que fazem parte, contribuindo assim, para que a empresa se solidifique neste mercado cruel, onde a competitividade é tão acirrada. Portanto, o capital humano, faz todo o diferencial para uma empresa, constituindo-se em uma vantagem competitiva.

Concluímos que é de extrema importância, que a empresa reconheça os colaboradores como um patrimônio intangível valioso, que a participação efetiva dos mesmos é necessária para que a empresa tenha sucesso neste mercado cruel onde a competitividade é tão acirrada.
_______________________________________________________________________
Marizete Furbino, com formação em Pedagogia e Administração pela UNILESTE-MG, especialização em Empreendedorismo, Marketing e Finanças pelo UNILESTE-MG. É Administradora, Consultora de Empresa e Professora Universitária no Vale do Aço/MG.
Contatos através do e-mail: marizetefurbino@yahoo.com.br
Reprodução autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado a autora e o site www.marizetefurbino.com e comunicada sua utilização através do e-mail marizetefurbino@yahoo.com.br



Compartilhar:

Amazonense presa com 4,1 quilos de droga no Pará


A amazonense Patrícia Rodrigues de Souza, solteira, 19 anos, moradora na rua Antenor Cavalcante, 122, bairro Zumbi dos Palmares, na capital amazonense, foi presa por uma equipe da Polícia Civil da cidade de Óbidos, no último dia 29, acusada de tráfico de drogas. Patrícia foi presa em flagrante juntamente com a paraense Jeane Leite da Costa, paraense, mas que estava residindo na capital do Amazonas, na rua Paraguaçu, na Via da Prata. As mulheres foram abordadas pela polícia quando seguiam viagem para Santarém, no Oeste do Pará, no B/M Viamar.

A droga estava escondida em uma mochila que estava embaixo da rede de Jeane, que tentou livrar a cara de Patrícia, afirmando que a amazonense não tinha envolvimento com o produto entorpecente. A polícia, porém, não acreditou na versão da mulher.  

De acordo com o delegado Elinelson de Oliveira Silva, titular da Delegacia de Óbidos, as traficantes foram presas em flagrante no porto da cidade. Ele contou que à polícia, as mulheres informaram que a droga foi entregue a elas por um elemento identificado apenas pelo prenome de Ricardo, na cidade de Juruti, também no Pará, e que receberiam R$ 800 pelo transporte da droga que seria entregue para outro traficante em Santarém.

Patrícia e Jeane foram autuadas em flagrante pelo crime de tráfico de drogas e estão presas à disposição do Poder Judiciário de Óbidos.

Foto: Polícia Civil

Compartilhar:

Estupros e violência sexual ainda fazem parte da realidade brasileira, diz especialista

Brasília - A subsecretária de Enfrentamento à Violência da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Aparecida Gonçalves, disse à Agência Brasil que estupros e violência sexual ainda fazem parte da realidade brasileira – de norte a sul do país. Segundo ela, é fundamental que as vítimas sigam uma espécie de guia de emergência em caso de agressão. “É uma realidade dura e cruel, infelizmente”, disse.

Por esse guia, a vítima deve prestar queixa em uma delegacia ou procurar o serviço médico mais próximo. O ideal, segundo a subsecretária, é que seja feito um laudo médico da paciente. Para ela, é fundamental prescrever exames contra doenças sexualmente transmissíveis e aids, além da pílula do dia seguinte, para evitar a gravidez indesejada.

Aparecida Gonçalves lembrou que é essencial prestar queixa contra o agressor para evitar a impunidade. De acordo com ela, a vítima deve ter um acompanhamento psicológico porque há um “trauma muito grande” causado pela agressão sexual.   

Segundo dados do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas para a América Latina,  33% das mulheres entre 16 e 49 anos de idade sofrem algum tipo de abuso sexual. Para a ONU, a violência contra a mulher pode ocorrer de várias formas, como agressão física, ameaça, insultos, danos a bens pessoais e a forma considerada mais grave, o estupro.
Compartilhar:

Tragédia: Prefeitura de Angra estima prejuízo de R$ 250 milhões causado pela chuva

Os deslizamentos de terra provocados pela chuva na virada do ano deixaram várias casas soterradas, na região, provocando a morte de mais de 40 pessoas. O valor não inclui o que a cidade deixará de arrecadar após a tragédia.
Compartilhar:

Previsões

A capital do Amazonas, a sexta maior economia do Brasil, deve crescer de forma significativa em 2010. Resultado do consumo interno e externo. Leia mais aqui:

Compartilhar:

Inscrições para concurso público do Ofir Loyola abrem nesta segunda-feira

O Hospital Ofir Loyola abre nesta segunda-feira (4) as inscrições para 339 vagas imediatas e cadastro de reserva para cargos de nível médio-técnico e superior, com salários de R$ 479,75 a R$ 1.706,83.

As inscrições podem ser feitas pelo site do Instituto de Desenvolvimento Educacional, Cultural e Assistencial Nacional (www.idecan.org.br) até o dia 7 de fevereiro.

Para o cargo de nível médio-técnico, a inscrição é no valor de R$ 47.
Para os cargos de nível superior, R$ 57.

As provas estão previstas para o dia 7 de março de 2010, em Belém.

Compartilhar:

DESTAQUE:

Madeira ilegal é apreendida no sudeste do Pará

Sete caminhões carregados com 178,9 metros cúbicos de madeira ilegal, armas de fogo e com animais caçados e abatidos ilicitamente, foram ap...

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive