Santarém - 356 anos

Santarém - 356 anos

..

..

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Morre aos 85 anos o ator Roberto Bolaños, o Chaves

Morreu nesta sexta-feira (28) o ator mexicano Roberto Bolaños, conhecido por criar os personagens Chaves e Chapolin Colorado.

Bolaños tinha 85 anos e morreu em sua casa em Cancún, onde morava com a mulher, a também atriz Florinda Meza, que faz o papel da Dona Florinda no programa "Chaves".

Ator, escritor e produtor de televisão, ele sofria de problemas respiratórios há anos por ter fumado durante muito tempo. Em março de 2012, foi internado em hospital na Cidade do México devido a uma insuficiência respiratória.

A série "Chaves", criada e protagonizada por ele, tornou-se um fenômeno internacional, sendo exibida no Brasil, Tailândia e Rússia, além de ser o programa mais visto na televisão mexicana.

Bolaños escreveu e adaptou mais de 50 roteiros de cinema e atuou em 11 filmes.

Em seus últimos anos, em Cancún, adaptou-se aos novos tempos: criou uma conta no Twitter, que soma mais de 6 milhões de seguidores.

A Televisa, principal emissora do México, sugeriu por várias vezes que alguém escrevesse as postagens em seu nome, mas ele se negou.

"É minha conta e eu comando minhas mensagens", disse em uma ocasião.

O apelido Chesperito, nome original de Chaves em espanhol, foi tirado de William Shakespeare, cujo diminutivo em espanhol era Chesperito. (FPS)
Compartilhar:

Rapel atrai novos adeptos em Santarém

Por: Ronilma Santos*

Munidos de equipamentos de segurança como cadeirinha, mosquetão, capacete e luvas, além de uma boa dose de coragem, eles praticam o rapel, atividade que surgiu a partir de uma antiga técnica de alpinismo. Esse esporte já vem sendo realizado em Santarém há algum tempo, mas só agora está sendo mais conhecido e a serra localizada no bairro da Matinha é o ponto favorito dos aventureiros por conta da bela paisagem e do contato com a natureza. Os praticantes são, em sua maioria, jovens que curtem aventuras, adrenalina e querem experimentar sensações diferentes.

É o caso de Jordan, engenheiro mecatrônico, 29 anos, que já pratica a atividade há algum tempo. “Desde criança tenho tendência de gostar mais de esportes radicais que esportes em grupos ou com bola. Eu já havia feito outros rapeis com a própria equipe ASA – Aventura Segura na Amazônia e em outros lugares, como no morro do Cuscuzeiro, em Analândia-SP. Também já fiz tirolesa, rafting, voo de ultraleve, kitesurf e trilhas de bike e carro. É muito bom poder fazer esse tipo de atividade aqui em Santarém. A maior parte da minha experiência com esportes radicais foi em outras localidades fora da região norte”, contou.

Quando perguntado sobre qual a sensação ao fazer o rapel, o engenheiro explica que é uma forma de vencer os próprios medos. “A sensação de você ter vencido seus medos e ter chegado em chão firme é algo quase que indescritível. Tem gente que diz que é loucura, que é arriscar a vida por pouca coisa, mas não encaro dessa maneira. Seria loucura caso a atividade fosse feita sem segurança, que não é o que acontece. A equipe instrui muito bem os participantes, utiliza equipamentos de proteção e há várias pessoas de suporte durante toda a atividade. Quando a gente está diante de um situação que nos dá medo sempre teremos duas alternativas: desistir ou enfrentar. Esporte radical é isso, você se propõe a enfrentar seus medos, mas não é porque é radical que deva ser inseguro. Há diversos riscos associados com a atividade, mas esses riscos são conhecidos e bem gerenciados pela equipe”, diz.

Quem experimentou pela primeira vez esta sensação foi Aline Amâncio, professora de Pilates, que conheceu a atividade através da internet. “Assim que eu vi logo me interessei, peguei o contato dos organizadores e indiquei a alguns amigos que também se interessaram e foram no primeiro dia. Com a experiência positiva deles, me senti mais segura em participar no dia seguinte. Quando soube que tinham algumas regras a serem seguidas e passos que garantiriam a minha segurança, me preocupei mais em executa-los corretamente e até esqueci do medo. Foi só emoção! O rapel é uma mistura de medo e prazer. Não há exatamente uma palavra que defina o que sentimos. Apesar de parecer algo simples, ou não tão emocionante, superar os medos e desafios é bastante gratificante. Mesmo que você não tenha medo de altura, quando se está lá em cima dá um friozinho na barriga. Quando você põe o primeiro pé no paredão, onde o chão não é mais horizontal, o coração dá uma acelerada. É nessa hora que você se sente livre! O medo e o receio ficam para trás. É só adrenalina! Não dá vontade de parar! Já não vejo a hora de descer de novo, foi uma sensação muito boa, espero repetir em breve”, descreve.

Mas para quem deseja praticar a atividade antes é necessário certificar-se de um item essencial, a segurança, como explica o instrutor William Tavares, de 29 anos. “Rapel só com instrutores que tenham feito o curso e realmente estejam aptos a instruir os praticantes, e que conheçam todas as técnicas de resgate e primeiros socorros, que saibam agir e reagir em qualquer situação, além de ter os equipamentos em dia, para que nada possa dar errado. Se o aluno não sentir confiança no instrutor é melhor não realizar a atividade , pois esse também é um item importante para a realização do rapel. Pela experiência, William garante que o esporte deixa as pessoas mais seguras para enfrentar seus medos no dia a dia, e também é uma forma de deixar o corpo bonito e desestressar”, orienta.

Após as orientações do instrutor e de constatar que a atividade apesar de radical era segura, Eliane, que tinha ido a serra somente para acompanhar os amigos, decidiu vencer seus medos e encarar a descida. “Eu nunca pensei em fazer rapel, mas poder vencer um medo é fantástico, é uma lição pra toda tua vida, porque a vida é um eterno desafio, todo dia a gente tem que vencer alguma coisa, então a descida na serra mostrou isso, que podemos sim vencer os obstáculos do dia a dia”, disse Eliane Campos, 23 anos.

É jornalista
Compartilhar:

OAB denuncia possíveis regalias de presos em Cucurunã

Uma inspeção feita no início deste mês por uma comissão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/Pará), subseção de Santarém, ao Centro de Recuperação Agrícola ‘Silvio Hall de Moura’, em Cucurunã, revelou possíveis regalias a presos que cumprem pena naquela casa penal. Durante a vistoria, que foi acompanhada por membros da 9ª Vara de Execuções Penais, foram feitas imagens que revelaram a fragilidade do sistema penal no município e deixou à mostra a condição precária em que são submetidos os detentos. Quem tem influência e dinheiro, tem tudo. Pelo menos é o que ficou claro nestas inspeções. Televisores de última geração, frigobar, chuveiro elétrico, telefones celulares e aparelhos de DVDs, além de outros mimos são objetos encontrados facilmente nas celas de presos apontados como ‘chefes’ dentro da cadeia. São esses detentos quem ditam as regras no presídio e que possivelmente comandam alguns crimes que ocorrem em Santarém, como assaltos, tráfico de drogas e execuções, que estão sendo investigadas pela polícia. O presidente da OAB no município, Dr. Ubirajara Bentes, afirmou que, diante do que foi encontrado no interior de algumas celas, fica claro que existe algum tipo de favorecimento, pois os apenados por si só não conseguiram colocar para dentro da penitenciária todos esses objetos sem o consentimento de alguém. A Ordem defende que as denúncias sobre essas possíveis regalias e irregularidades na cadeia sejam apuradas e os responsáveis pelo favorecimento a presos punidos, pois não é o que preconiza a lei de Execuções Penais sobre o funcionamento de locais destinados à prisão de pessoas condenadas à pena da privação da liberdade.

O presidente da OAB ressaltou ainda que a superlotação da penitenciária agrícola é outro fator determinante para o surgimento de situações degradáveis aos apenados. Ubirajara Bentes reforça que a casa penal não suporta mais tantos presos, uma vez que as celas estão abarrotadas de homens em condições desumanas. Ele ressaltou também que a Ordem recebeu um abaixo assinado com 150 assinaturas, denunciando inúmeras irregularidades no CRSHM. “A situação é degradante para uns. Quem tem dinheiro possui regalias e goza de objetos que deveriam ser proibidos no interior de uma prisão como televisores, celulares, frigobar e outros objetos de uso pessoal”, disse.

Além disso, quem discorda dessas regalias é alvo de ameaças de morte, espancamento e outros tipos de violência.

A superlotação das cadeias brasileiras é talvez a mãe de todos os demais problemas do sistema carcerário. Celas superlotadas ocasionam insalubridade, doenças, motins, rebeliões, mortes, degradação da pessoa humana.

O presidente da OAB em Santarém disse, no entanto, que no complexo de ‘Silvio Hall de Moura’, durante as inspeções feitas não foi constatado nenhum caso de maus tratos de presos. “Não houve relato de maus tratos, apesar das condições insalubres”, disse Bentes.

Tráfico de drogas na cadeia – À imprensa, Ubirajara Bentes disse ainda que é preciso que se investigue a facilitação para a entrada de drogas, pois é de conhecimento público que o tráfico corre solto dentro da casa penal. “Se a droga entra é porque alguém facilita e isso deve ser investigado com rigor”, disse.

Assaltos – A Polícia Civil em várias prisões que realizou recentemente teve a comprovação de que alguns detentos em regime semiaberto deixam o presídio apenas para praticar assaltos e depois retornam à cadeia sem levantar suspeitas da direção do presídio. Esse tema foi abordado também pelo presidente da Ordem.

O novo diretor da penitenciária, major João Costa, durante entrevista a uma emissora de tevê local afirmou que “a entrada de objetos na unidade prisional está sendo apurada”
. O oficial está há pouco mais de um mês no comando daquela casa penal e disse que estão aplicando mudanças para garantir a ordem e pleno funcionamento do CRSHM. Ele afirmou ainda que todos os objetos encontrados durante a inspeção feita pela OAB já foram retirados das celas. “A gente assumiu a Casa Penal e estamos tentando adequar algumas posições em relação à fiscalização. Não estamos aqui para cobrar, nem apontar culpados, mas toda e qualquer alteração de material apreendido aqui, a gente está abrindo procedimento, informando para a Susipe em Belém e abrindo procedimento principalmente para apurar como entrou, quem facilitou, se houve facilitação e apurar a conduta de cada um, do detento ao agente”, disse à emissora.

Em relação às denuncias de maus tratos, ele negou, e disse que os presos que fizeram as denúncias passaram por exame de corpo de delito e as agressões não foram constatadas.
Compartilhar:

Sesi/Pará segue com inscrições abertas

Continuam abertas as inscrições do processo seletivo do Serviço Social da Indústria (Sesi/Pará), o qual visa o provimento de cargos em vagas existentes no quadro de pessoal do SESI/PA, e formação de cadastro reserva. 

As vagas ofertadas são para atuação nas suas unidades operacionais situadas nos Municípios da Região Metropolitana de Belém (Belém, Ananindeua e Santa Izabel), nos municípios de Altamira, Castanhal, Barcarena, Bragança, Marabá, Santarém, Parauapebas, Paragominas, bem como nas Unidades Móveis e/ ou nas Empresas Industriais conveniadas de outros municípios (Tomé- Açu e Tucuruí).

Os cargos ofertados, variando conforme o município de atuação, de acordo com a escolaridade são os seguintes:

Nível fundamental: auxiliar de serviços gerais, vigia, motorista e merendeiro. (R$ 1.031,40 a R$ 1.608,64). 


A prova objetiva está prevista para o dia 18 de janeiro de 2015, em Belém, Santarém, Altamira, Marabá, Castanhal e Paragominas.

Compartilhar:

Ufopa vai destinar 65 vagas para quilombolas

Descendentes de negros que integram comunidades quilombolas terão seleção diferenciada para ingresso na Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) no Processo Seletivo de 2015. A informação foi repassada pela reitora da instituição, professora Raimunda Monteiro, durante o seminário Descentralização do Processo Seletivo Especial Quilombola, que ocorreu na última terça-feira (24), no auditório Wilson Fonseca, campus Rondon, em Santarém. Antes de lançar o edital com as regras da seleção, a Ufopa reuniu líderes negros do Baixo Amazonas para apresentar uma proposta de edital. A consulta foi feita durante o seminário.

A reitora da Ufopa relembrou o início de sua carreira, quando atuou nos movimentos sociais e teve contato com as manifestações da cultura negra. Em seu discurso, ressaltou a importância histórica deste momento em que os líderes negros são chamados para ajudar a criar “o primeiro documento que normatiza a entrada dos quilombolas na universidade”. E completou: “Aqui, nós estamos falando dos dois segmentos mais penalizados nos processos de colonizações das Américas: os povos indígenas e quilombolas”. A reitora lembrou ainda que a Ufopa já está “amparada” legalmente pela Lei de Cotas, cumprida pela Universidade desde 2012. “A libertação se dá pelo domínio do conhecimento”, enfatizou.

Além do campus Rondon da Ufopa, onde ocorreu o Seminário Descentralizado do Processo Seletivo Especial Quilombola realizou-se também nas cidades de Oriximiná e Jacareacanga, que concentram boa parte das populações quilombolas do Baixo Amazonas e Tapajós.

Será a primeira vez que a Ufopa realiza seleção especial para ingresso de quilombolas. Por isso, a Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (PROEN), a Pró-Reitoria de Gestão Estudantil (PROGES) e a Diretoria de Ações Afirmativas decidiram realizar esses seminários para debater o Processo Seletivo Especial (PSE 2015). Cerca de 150 pessoas, entre lideranças quilombolas e ativistas do movimento negro de Santarém e arredores participaram dos eventos para debater aspectos do edital, cuja previsão de lançamento é o início do mês de dezembro. “Nós não temos que ter medo de trazer os quilombolas para a Universidade. O que nós temos é a obrigação de abrir as portas para que eles venham não só para receber o que a universidade pode lhes dar de conhecimento, de estudo de oportunidade de ter uma mobilidade social, mas também para vocês trazerem para dentro da universidade o universo da experiência de vocês”.

Nos arredores de Santarém existem 12 comunidades quilombolas. Na região do Planalto estão as comunidades de Bom Jesus, Tiningui, Mururu, Mururutuba e Patos do Ituqui. Na várzea, estão localizadas as comunidades de Arapemá, Saracura, São José, São Raimundo Surubim-Açu e Maicá. Ao todo 3 mil pessoas vivem nesses locais. 

Compartilhar:

Agrifal e Flor Tapajós começam em Santarém com grande expectativa de negócios e qualificações

Começou na noite desta quinta-feira (27), no Espaço Pérola do Tapajós, no Parque da Cidade, em Santarém, no oeste do Pará, a Feira da Agricultura Familiar da Amazônia Legal (Agrifal) e o Flor Tapajós, promovidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater). Os eventos, que têm o apoio da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), tem expectativa de público de 20 mil pessoas até o domingo (30). O volume de negócios está estimado em R$ 5 milhões, tanto em vendas diretas como negócios futuros.

Durante a solenidade de abertura estiveram presentes o presidente da Emater, Humberto Balbi Reale Filho; o secretário estadual de Agricultura, Andrei Castro; o secretário Especial de Estado de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção, David Leal, representando o governador Simão Jatene; o prefeito de Santarém, Alexandre Von; a consulesa do Suriname, Claudia Irene Zectuik, além da representante do Sindicato dos Trabalhadores Rurais Marilene Rodrigues Rocha.

As feiras entusiasmam o público pela diversidade de produtos e vasta programação técnica. O presidente Humberto Reale destacou o empenho dos servidores e agradeceu o envolvimento de todos os órgãos parceiros na realização do evento. “Santarém vive um momento de pleno desenvolvimento de suas cadeias produtivas e o compromisso do Governo do Estado é dar o apoio necessário para que todos os produtores fortaleçam suas produções e recebam investimentos e suporte técnico”, disse.

Reale explicou que a realização da Agrifal em Santarém é uma demonstração do compromisso com os produtores do município e também da região, já que Santarém é um polo da agricultura familiar. “Nós queremos potencializar as cadeias produtivas da região e a feira é uma ótima oportunidade para garantir negócios para os produtores que vivem dessas culturas”, disse Reale, ressaltando ainda que a Emater quer expandir o horizonte de opções das culturas, sobretudo aquelas pouco exploradas. Ele destacou, por exemplo, a goiaba, que dá muita rentabilidade para os agricultores familiares, mas é pouco explorado, além de outros cultivos.

Outro grande atrativo do evento é a diversidade de espécies de flores e folhagens e plantas ornamentais. Durante as feiras, serão realizadas oficinas com especialistas vindos até de São Paulo, que apresentarão técnicas sobre os cuidados dessas plantas e ornamentação. “Temos uma programação vasta e que agradará a todos os gostos. É importante ressaltar que a feira pretende também oferecer oportunidade de negócios para nossos produtores para que eles potencializem suas produções e se fortaleçam neste segmento, que cresce a cada ano”, finalizou o presidente da Emater, antecipando que a quarta edição da Agrifal será realizada no município de Marabá.

O prefeito Alexandre Von lembrou que o projeto para trazer a Agrifal para a cidade partiu de uma conversa com a presidência da Emater e um desafio aceito. Ele reforçou que todos os esforços junto ao Governo do Estado foram feitos para garantir o sucesso do evento. Para ele, há uma grande expectativa por parte dos floricultores, já que o segmento está se expandindo e ganhando mercado no município.

Todos os estandes estão montados e os 105 expositores preparados para receberem o público. Este ano, 10 caravanas vindas de vários municípios da região participam desta edição da Agrifal. Os agricultores representam diversos segmentos das cadeias produtivas do oeste paraense, um momento ímpar para potencializar a agricultura familiar e ao mesmo tempo oportunizar negócios aos produtores da região.

Entre as caravanas convidadas para os eventos está a do Suriname, que se faz presente com cinco representantes. Os produtores estrangeiros vão apresentar trabalhos desenvolvidos no campo, com destaque para o cultivo de arroz e banana, além da pesca. O representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Pescaria do Suriname, Mário Yspol, reforçou a importância da feira e disse que há, por parte dos produtores, uma grande preocupação com relação à produção de alimentos, levando em conta a segurança alimentar.

A expositora Helen Miranda, dona de uma floricultura em Santarém, participa do Agrifal pela segunda vez. Ela conta que na primeira edição, os resultados foram satisfatórios e contribuíram para a expansão dos negócios da empresa, que trabalha com jardinagem, poda, gramado, venda de flores e mudas de plantas. “Este ano, as expectativas são as melhores possíveis, pois já deu para perceber a diversidade de produtos e muitas novidades que serão apresentadas durante o evento. Estou muito ansiosa e espero fechar muitos negócios durante a feira”, vislumbra.

O entusiasmo de Helen Miranda é notado também em outros produtores, que desde o início da semana começaram a chegar à cidade para montar seus estandes e preparar os produtos para exposição. O principal objetivo da Agrifal e do Flor Tapajós é divulgar, potencializar e valorizar o trabalho dos pequenos produtores rurais da região. Na programação constam ainda palestras, cursos, oficinas de diversos temas e programação cultural. Pelo menos 500 mil produtos serão colocados à disposição do público. As feiras abrem para o público a partir das 14h e seguem até as 22h, com entrada franca.

Fonte: Agência Pará
Compartilhar:

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Tapajós Livre: não à construção de hidrelétricas na Amazônia




Com força e determinação, cerca de 60 índios Munduruku se uniram nesta quarta-feira 26 de novembro a ativistas do Greenpeace para protestar contra a construção do Complexo Hidrelétrico do Tapajós, no Pará. A enorme mensagem foi marcada com pedras na areia de uma praia próxima à cachoeira de São Luiz do Tapajós, local previsto para receber primeira das cinco hidrelétricas planejadas para a região.

Com potência de 8.040 MW, a usina São Luiz do Tapajós chegou a ter seu leilão anunciado para o dia 15 de dezembro, apenas 150 dias após o governo ter requerido ao Ibama a licença ambiental prévia do empreendimento. Quatro dias depois, o Ministério de Minas e Energia teve que voltar atrás e suspender o leilão após pressão do povo Munduruku, que não foi devidamente consultado sobre a obra. Ao todo, o empreendimento prevê cinco hidrelétricas na região, cuja soma da área dos reservatórios ultrapassa o tamanho da cidade de São Paulo. Mas, em vez de carros e concreto, a área a ser alagada é rica em biodiversidade e abriga uma das principais porções de floresta intacta do país, afetando unidades de conservação e terras indígenas. “Às vésperas de mais uma conferência mundial sobre o clima – que pela primeira vez será realizada em um país pan-amazônico, o Brasil insiste em seu plano de barrar todos os grandes rios da Amazônia, ignorando os alertas do clima e negando o direito de consulta prévia, livre e informada aos povos tradicionais da região, que terão seu modo de vida afetado de forma irreversível por essas obras”, disse Danicley de Aguiar, da campanha Amazônia, do Greenpeace.

“Nós, guerreiros e guerreiras, carregamos as pedras com firmeza para mostrar que não vamos abrir mão do rio. Estamos aqui na praia mostrando pro mundo que queremos sempre o Tapajós livre e vivo, como hoje”, diz Maria Leusa Munduruku. “A gente não quer o rio Tapajós morto, não queremos a floresta morta, nem essas praias mortas, queremos o rio Tapajós vivo”, concluiu ela. O Brasil dispõe de um enorme potencial em outras fontes renováveis, como eólica, solar, biomassa e mesmo energia oceânica. A eólica poderia atender ao triplo da demanda atual por eletricidade e já apresenta o segundo custo mais baixo de geração entre todas as fontes, com preços relativamente próximos às hidrelétricas. A energia solar é a que mais cresce no mundo e os preços vêm caindo consistentemente.

O potencial de geração solar do Brasil poderia abastecer até 10 vezes a necessidade energética nacional. Este ano, o primeiro leilão exclusivamente dessa fonte foirealizado com sucesso, engatando o país na direção certa: a da diversificação da matriz energética, com fontes complementares.

Compartilhar:

Pará registra uma das maiores reduções no desmatamento entre 2011 e 2014

O desmatamento no Pará voltou a diminuir este ano, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (26) pelo Ministério do Meio Ambiente. Depois de subir 38% em 2013 (2.346 km²), a taxa estimada de derrubada da floresta em 2014 diminuiu 22% (1.829 km²). De acordo com o Sistema Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a redução foi maior que a média da Amazônia, onde a taxa de redução foi de 18% (4.848 km²) em relação ao calendário do desmatamento de 2013, no qual foram contabilizados 5.891 km² de desflorestamento no bioma. Os dados divulgados representam o segundo menor registro da série histórica desde 1988, perdendo apenas para 2012.

Apesar de ser o Estado que apresentou o maior percentual de desmatamento no calendário de 2014 (agosto de 2013 a julho de 2014), o Pará foi o responsável por 50% de toda a redução na Amazônia. Ao longo dos últimos três anos tem diminuído a participação do Pará no total do desmatamento da região. Em 2012, o Estado foi responsável por 47%; em 2013 o percentual foi de 40%, e neste ano ficou em 38%.

Diante dos dados divulgados, o Pará se destaca entre os Estados da Amazônia com uma das maiores reduções no desmatamento, principalmente quando considerado o período 2011-2014, quando o governo estadual implantou o Programa Municípios Verdes (PMV), que trabalha em parceria com os municípios, produtores rurais, ONGs e órgãos públicos em geral, promovendo pactos contra o desmatamento e pela ampliação do Cadastro Ambiental Rural.

Desde o lançamento do PMV, em 2011, o Pará reduziu 39% do desmatamento (de 3.008 km² para 1.829 km²), enquanto a redução média na Amazônia foi de 24% (de 6.418 km² para 4.848 km²).

Inovação - “Com o Programa Municípios Verdes, além de fortalecer o CAR, que cresceu 500% nos últimos anos, aprimoramos as ferramentas de controle e também de incentivos. Na área do controle, a Lista de Desmatamento Ilegal é o exemplo mais recente de inovação. Na área de incentivo, o ICMS Verde se destaca como um grande benefício para os municípios, repassando neste ano cerca de R$ 40 milhões para as prefeituras”, destaca Justiniano Netto, coordenador do Programa Municípios Verdes.

O secretário José Alberto Colares, titular da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), também enfatiza a importância do trabalho de fiscalização em campo e da gestão compartilhada com os municípios. “Atualmente, temos cerca de 70 municípios habilitados para a gestão ambiental. Muitos deles recebem da Sema um boletim mensal de monitoramento do desmatamento, vão a campo e ajudam na fiscalização. Além disso, nossas equipes participam da fiscalização em campo, muitas vezes em cooperação com o Ibama”, informa José Alberto Colares. “Existe um esforço comum e articulado, que cada vez mais apresenta resultados no combate ao desmatamento”, conclui.


Fonte: Agência Pará
Compartilhar:

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Tapajós na elite do Parazão. São Raimundo é rebaixado

Não foi desta vez que o são Raimundo retornou à elite do futebol paraense. Com os resultados desta quarta-feira (26), o Pantera deu adeus ao sonho de voltar à primeira divisão do Parazão em 2015. 

Mas o torcedor santareno terá dois representantes no certame estadual no próximo ano. Além do São Francisco, o estreante Tapajós conseguiu avançar com empate sem gols diante do Vênus em jogo realizado no estádio Maximino Porpino em Castanhal. 

O Boto da Amazônia tem apenas um ano de fundação e já estará entre os grandes do futebol paraense no próximo ano. A equipe herdou a vaga na competição do Santa Cruz de Cuirana, que desistiu de participar do campeonato. 

O Tapajós voltará a campo para disputar a semifinal da primeira fase contra o Castanhal, às 16h do próximo domingo (30), no Maximino Porpino, em Castanhal. A final acontecerá no próximo dia 6. 

A fase elite do Parazão 2015 começará no dia 1º de fevereiro e contará com 10 clubes: Remo, Paysandu, Independente, Cametá, Paragominas, São Francisco, Parauapebas, Tapajós, Castanhal e Gavião Kyikatejê.
Compartilhar:

Delegação do Suriname chega a Santarém para Agrifal e Flor Tapajós

Cinco representantes do Suriname, país caribenho de língua oficial holandesa, já estão em Santarém, no oeste paraense, para participar da terceira edição da Feira da Agricultura Familiar da Amazônia Legal (Agrifal) e segunda do Flor Tapajós, que iniciam nesta quinta-feira, 27, no espaço Pérola do Tapajós. Os eventos são uma realização da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater).

A comitiva, formada por Mário Yspol, Maitrie Jagroep, Ennie Sontowirono, Rubi, Kromokardi e Paimoen Wongsowikromo, terá um estande no local dos eventos, onde mostrará alguns dos trabalhos desenvolvidos no campo, que tem como destaques o cultivo do arroz e da banana e a pescaria, importante cadeia produtiva para exportação. “Temos uma grande preocupação com relação a produção de alimentos, levando em conta a segurança alimentar”, disse Yspol, que trabalha no Ministério de Agricultura, Pecuária e Pescaria do Suriname.

Além de mostrar o potencial produtivo do país, o grupo também tem como objetivo prospectar negócios com o estado do Pará e também conhecer novas técnicas e tecnologias que serão apresentadas durante os eventos. “Temos interesse em conhecer, por exemplo, o trabalho feito com hidroponia (cultivo de hortaliças na água) e ainda ter contato com universidades e instituições que trabalham com a produção agrícola”, afirmou Maitrie.

O Suriname participa da Agrifal desde sua primeira edição, em 2012. Este ano 105 expositores de todas as regiões do estado estarão expondo e comercializando aproximadamente 500 mil produtos da agricultura familiar, que tem 2014 como o ano de celebração. O tema desta terceira edição da feira é "Agrossociobiodiversidade, agricultura familiar e desenvolvimento sustentável na Amazônia". (Ag. Pará)
Compartilhar:

Banpará inaugura novas instalações da agência Altamira

Instalado no município desde 1988, o Banco do Estado do Pará (Banpará) inaugurou, nesta quarta-feira, dia 26, as novas instalações da Agência Altamira, com amplas e modernas instalações, adaptada, também, para atender as exigências de acessibilidade. A população da região será atendida com muito mais conforto e comodidade. No autoatendimento são 10 caixas eletrônicos, além de cinco guichês de caixa.

Estiveram presentes, na cerimônia, os diretores Jorge Antunes e Braselino Silva; o prefeito Domingos Juvenil; funcionários, clientes e demais autoridades locais. De acordo com o diretor Braselino, a inauguração do prédio da agência Altamira representa, para o Banco, o resgate de um compromisso assumido com os funcionários e clientes do município. "Estamos trabalhando para oferecer produtos de qualidade, atendendo tanto o micro e pequeno, quanto o grande empresário, além da sociedade em geral. Com nosso plano de expansão, até o final de dezembro de 2014, estaremos presentes em 80 municípios paraenses, cumprindo, dessa forma, nossa missão de atuar para o desenvolvimento econômico e social do Pará”, afirmou.

Os funcionários demostraram muita satisfação em receber o novo prédio. Para a gerente geral, Kamila Pinheiro, aquele era um momento de realização de um sonho. “Não tenho dúvidas de que com a equipe da agência de Altamira avançaremos muito mais em nossos resultados. Temos todas as condições para fazer um trabalho bem feito”.

Serviço:
A Agência Altamira está localizada na Rua Indentende Floriano, 2501 – Sudam I, e atende ao público no horário de 10h às 15h, e o autoatendimento funciona das 8h às 20 horas.


Fonte: Agência Pará
Compartilhar:

MRN patrocina Prêmio Sistema Fiepa de Jornalismo

Pelo segundo ano consecutivo, a Mineração Rio do Norte é patrocinadora do Prêmio Sistema Fiepa de Jornalismo, evento promovido pela Federação das Indústrias do Pará (Fiepa).

Os vencedores do prêmio, que visa reconhecer os profissionais que atuam na imprensa paraense, serão conhecidos no próximo dia 4 de dezembro, numa festa que reunirá jornalistas, empresários e convidados da Fiepa e das empresas patrocinadoras. O evento será no Hangar Centro de Convenções da Amazônia, em Belém, às 20h.

A votação para eleger os melhores da imprensa paraense é popular e aberta e pode ser feita no site http://inscricaofacil.com.br/votacao/premiofiepa/ até esta quinta-feira, dia 27.

Concorrem ao prêmio jornalistas que se destacaram entre os 149 indicados pelas diretorias dos principais veículos de comunicação do Pará, incluindo jornalistas da região oeste, área de atuação da Mineração Rio do Norte.

A primeira fase de votação ocorreu em outubro e elegeu os cinco finalistas de cada uma das 13 categorias do prêmio, entre elas a de editor, repórter, produtor e blogueiro. Participaram desta votação 50 profissionais de comunicação e representantes da indústria, que formaram a Comissão de Seleção, uma novidade do prêmio neste ano.

Nesta segunda fase qualquer pessoa pode votar. Basta informar o CPF e escolher aquele que considera o melhor de cada categoria. (MRN)

Compartilhar:

Sancionada lei que ameniza dívidas de estados e municípios

A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei que altera o indexador das dívidas de estados e municípios com a União e alivia a situação fiscal dos governos estaduais e prefeituras. O texto havia sido aprovado pelo Senado e enviado para a Presidência no início do mês. A sanção foi publicada na edição desta quarta-feira (26) do "Diário Oficial da União".

Dilma vetou dois artigos (veja abaixo), mas manteve o que garantia correção retroativa das dívidas contraídas antes de 1º de janeiro de 2013, como queriam prefeitos e governadores. Pelo texto, o saldo devedor até essa data vai ter correção retroativa pela variação acumulada da taxa Selic (taxa básica de juros da economia) desde a assinatura dos contratos. O dispositivo não agradava ao governo, que teme perdas futuras na arrecadação e desequilíbrio fiscal, mas foi mantido após acordo com os parlamentares.

A lei sancionada alivia a situação fiscal de governos estaduais e municipais porque reduz os juros das dívidas contraídas com a União.

Atualmente, a correção é baseada no Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) mais 6% a 9% de juros ao ano. Com o projeto, o indexador passará a ser a taxa Selic ou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4% de juros, o que for menor.

Compartilhar:

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Planejamento 2015 do Instituto Ayrton Senna é apresentado em Brasília

A secretária Municipal de Educação, Irene Escher, participou, em Brasília, de uma reunião onde foi apresentado o modelo de Educação do Instituto Ayrton Senna, para o ano de 2015.

De acordo com Irene Escher, o Instituto Ayrton Senna está com um olhar para os próximos 20 anos. Com isso, está realizando planejamento estratégico, a partir de diálogos com os parceiros, como é o caso da SEMED/Santarém, buscando essa junção para vencer novos desafios da educação brasileira.

Em 2014, o Instituto Ayrton Senna completa 20 anos de atuação. Um legado de Ayrton Senna, o tricampeão de Fórmula 1 que fez o Brasil sentir orgulho de suas vitórias e, mais ainda, do seu jeito de persistir e vencer.

A partir de agora, e ao longo de todo o próximo ano, uma extensa programação de homenagens e mobilizações vai lembrar esse herói que vem inspirando gerações e que, em 1994, deu ao Brasil o Instituto Ayrton Senna, que capacita 75 mil educadores e beneficia dois milhões de alunos de escolas públicas todos os anos.

Novas quadras - Na capital federal, a secretária manteve contato com o setor de engenharia do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE), conversando sobre a liberação de recursos, para a construção de novas quadras poliesportivas e novas escolas para a Rede Municipal de Ensino. (PMS)
Compartilhar:

Wlad desafia Jader e Helder Barbalho nas redes sociais

O deputado federal reeleito, alvo de ataques pelo grupo RBA, de propriedade de Jader Barbalho, desde o fim da eleição para governador do Pará, quando o candidato do PMDB, Helder Barbalho, saiu derrotado, usou as redes sociais e sua página no Facebook na tarde desta terça-feira (25) para desafiar o senador Jader Barbalho e seu filho, Helder, a provarem todas as acusações feitas no jornal da família Barbalho, Diário do Pará, sobre a suposta compra de uma luxuosa cobertura tríplex no Rio de Janeiro, em nome de mãe e do filho de Wlad, no valor de R$ 2.350.000,00.

A reportagem do DP, faz afirmações de que o imóvel teria sido adquirido pela Pousada La Musiki, cujos donos seriam Yorran Christie e Lucimar Rebelo, respectivamente filho e mãe do deputado Wladimir Costa.

Em resposta às acusações, o deputado gravou um vídeo direcionado à Família Barbalho com serenidade e lembrando da derrota de Helder na eleição para o governo do Estado. Em seguida, explica que utiliza a rede social para se defender das acusações feitas pelo grupo RBA, pois não tem grupo milionário de comunicação se referindo ao patrimônio dos Barbalhos que inclui emissoras de rádio, TV e jornal.

Wlad diz no vídeo que está sendo covardemente atacado pelo jornal Diário do Pará. Desta vez, ele se queixa dos ataques à sua mãe e seu filho.

Durante a mensagem endereçada à Família Barbalho, o deputado Wlad desafiou publicamente Jader, Helder e Elcione Barbalho, a provarem as acusações sobre a compra da suposta cobertura em nome de sua mãe, do filho ou em seu nome. Caso isso seja feito, Wlad garantiu que renunciará ao mandato de deputado federal na Câmara dos Deputados. Porém, desafiou ainda Jader, Helder e Elcione Barbalho a fazerem o mesmo se nada provarem nas acusações feitas pelo grupo RBA. “O Helder não tem que renunciar a nada, pois não tem nada, não é nada e só vive de política”, completa.

O deputado Wlad Costa reforça ainda que os ataques covardes comandadas pela Família Barbalho contra os adversários, inclusive o governador Simão Jatene e seu grupo político, se acentuaram após a derrota nas últimas eleições e são motivados pelo sentimento de rancor, ódio e frustração.
Compartilhar:

Prêmio Fiepa: Votação encerra dia 27

Encerra na próxima quinta-feira (27), a votação popular para a escolha do dos melhores profissionais da imprensa paraense em 2014, premiação promovida pela Federação das Indústrias do Pará (Fiepa). O Prêmio Fiepa de Jornalismo está em sua segunda edição. Este ano, foram 149 indicados pelas diretorias dos principais veículos de comunicação do Pará.

O editor do Blog do Jeso, repórter Jeso Carneiro, é um dos 5 finalistas, categoria “Melhores Profissionais do Ano – Blogueiros”.

O vencedor será eleito pelo voto popular, via internet. Ainda dá tempo de votar.

Na categoria 'Blogueiros', são 5 finalistas. Jeso Carneiro concorre com nomes expressivos da blogosfera paraense: Augusto Barata, Franssinete Florenzano, Paulo Bemerguy, José Eduardo do Vale ou Zé Dudu,

Nesta fase, qualquer pessoa pode votar. Basta informar o CPF e escolher aquele que considera o melhor de cada categoria.

Para votar, clique neste link.
Compartilhar:

Acordo busca melhoria da fiscalização da atividade madeireira no Pará

Instituições públicas que atuam na fiscalização da atividade madeireira vão assinar acordo para melhorar o sistema de monitoramento desse setor no Pará. O evento será realizado na próxima sexta-feira (28), às 10h, na sede do Ministério Público Federal no Estado (MPF/PA), em Belém.

O Termo de Ajuste de Conduta (TAC) da madeira prevê inovações no sistema de controle, como a adoção de filtros para barrar operações ilegais. Além de uma fiscalização mais efetiva, está previsto o cancelamento de obstáculos que tornam desnecessariamente burocrático o manejo madeireiro.

Mesmo com a queda de mais de 70% nos índices em menos de uma década, o Estado continua sendo um dos campeões nacionais de desmatamento e recentemente foi listado pela organização não governamental Observatório do Clima como o maior emissor de carbono do Brasil. Depois de ter obtido os avanços mais significativos de todo o país na redução do desmatamento, o Pará precisa prosseguir e aprofundar as políticas de fiscalização.

Assinam o TAC o Estado do Pará, representado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Programa Municípios Verdes, o Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará (Ideflor) e o MPF/PA.

Em apoio à iniciativa, o setor produtivo, os municípios e os profissionais da área também vão assinar o documento. Eles são representados pela Associação das Indústrias Exportadoras de Madeiras do Estado do Pará (Aimex), pela Associação da Cadeia Produtiva Florestal da Amazônia (Unifloresta), pela Federação das Associações de Municípios do Estado do Pará (Famep) e pela Associação dos Engenheiros Florestais do Pará (Apef).

Além dos compromissos principais, assumidos pela Sema e pelo Ibama (confira abaixo), as instituições determinaram que vão realizar reuniões trimestrais para traçar estratégias de atuação integradas, havendo a previsão de reuniões extraordinárias, se necessário.

O acordo também prevê que será construído mecanismo de controle da origem dos produtos florestais. Nos últimos cinco anos, mecanismos com o mesmo objetivo foram elaborados pelo MPF e instituições parceiras para a garantia da sustentabilidade nas cadeias produtivas da pecuária e dos grãos, no Pará e em toda a Amazônia.

Compartilhar:

Fornecimento de energia em Juruti

Por meio de nota, divulgada na manhã desta terça-feira (25) à imprensa, a Celpa informa que o transformador para substituir o da Usina de Juruti saiu de Itaituba e deve chegar ao município ainda hoje, 25. Assim que o equipamento chegar ao município as equipes da Celpa continuarão trabalhando, sem medir esforços, para restabelecer o fornecimento de energia na área rural do município que está com o fornecimento comprometido. A previsão é que amanhã, 26, o fornecimento na área rural seja restabelecido.

A interrupção do fornecimento foi causada por um raio que atingiu a Usina que atende ao município de Juruti afetando o funcionamento do transformador da mesma desde o último sábado, 22. O fornecimento de energia na área urbana já está totalmente restabelecido.
Compartilhar:

Assembleia de Deus de Santarém prepara festa da colheita

Por: Ailanda Tavares*

Será realizada no dia 13 de dezembro, no Colégio Batista, a Festa da Colheita, promovida pela Igreja Assembleia de Deus Ministério Igreja Mãe. Sob a liderança do pastor Augusto Araújo, juntamente com todo o corpo de obreiros, cooperadores e toda a igreja, a Festa a Colheita vai contar com inúmeras atividades, apresentações, evangelização, além de muitos sorteios.

De acordo com a coordenação estão previstos vários eventos que antecedem a festa, como Blitz, encontros em alguns bairros, visitas nas igrejas, entre outros.

A Festa da Colheita celebra a ação de Deus que cria e sustenta a vida do mundo criado. Toda programação visa buscar, reafirmar e aprofundar o sentido da fé em Deus Criador e Libertador. “Será celebrado o ciclo da vida, reconhecendo que a Palavra de Deus estava na origem da vida, porque ela é a semente e o fruto da vida", afirmou o pastor Augusto Araújo. Participarão do evento membros das igrejas de Juruti, Monte Alegre, Óbidos e Oriximiná.

*É jornalista
Compartilhar:

Lago Grande sem energia

Desde a madrugada de sexta-feira (21) para o último sábado (22), que as comunidades do Lago Grande, em Santarém, no oeste do Pará, estão sem energia elétrica. A informação foi repassada pelo padre Sidney Canto, pároco da localidade, através das redes sociais.

O religioso relata ainda que, apesar de o problema já ter sido informado à concessionária, a Celpa nada fez para normalizar o fornecimento de energia e nem explicou o motivo do apagão. Segundo ele, os moradores estão revoltados, pois estão tendo prejuízos por conta da falta de luz. 

"Ninguém da Celpa faz nada e o povo começa a ficar revoltado perdendo os alimentos que estavam na geladeira ou freezer", informou o religioso.
Compartilhar:

Secti alerta sobre tentativa de golpe

A coordenação do Programa Navegapará informa que não disponibiliza às prefeituras do estado recursos financeiros para a compra direta de material de informática. Todo o apoio dado às prefeituras municipais pelo Programa Navegapará é viabilizado somente por meio de edital de seleção pública para concessão de links de internet. 

Também não é procedimento padrão da Secti entrar em contato telefônico com prefeituras para que estas solicitem depósitos de dinheiro em contas específicas, bem como para solicitar agenda com prefeitos. Portanto, comunicamos que quaisquer contato neste sentido, com pessoas se apresentando como servidores da Secti, trata-se de uma tentativa de golpe. 

A denúncia chegou à Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) por meio da Associação dos Municípios das Rodovias Transamazônicas, Santarém-Cuiabá e Região Oeste do Pará (Amut). (Ag. Pará)
Compartilhar:

Deputados do DF estão perto de aprovar norma da impunidade

O Distrito Federal vive momentos de trevas na política local. O clima de impunidade que impera país de Norte a Sul tende a se tornar uma prática comum no parlamento distrital. Hoje (25), os deputados podem aprovar um Projeto de Resolução que praticamente inviabiliza a possibilidade de cassação de distritais. É o Colégio de Líderes que vai definir se o texto será apreciado em segundo turno, adiado ou mesmo engavetado. A situação está dividida: cinco membros do colegiado são contra; enquanto os outros não se posicionam claramente.

O DF corre o risco de ter deputados distritais intocáveis.

A movimentação no sentido de blindar os deputados contra possibilidade de cassação causou reações negativas na sociedade. Os parlamentares começaram a ser cobrados nas ruas e nas redes sociais. Uma repetição do que ocorreu entre maio e abril, quando houve uma tentativa de oficialização da gazeta: os distritais só trabalhariam às terças-feiras a fim de se dedicarem à campanha eleitoral. A comunidade passou a cobrar os parlamentares por meio da hashtag #vaitrabalhardeputado, encampada pelo jornal Correio Braziliense. 

Agora, um novo movimento contra os intocáveis segue a hashtag #tomavergonhadeputado. Diante da pressão atual, pelo menos dois deles voltaram atrás. Celina Leão e Professor Israel Batista anunciaram voto contrário em possibilidade de segundo turno e pediram formalmente a retirada de assinatura de outro PR, o 82, que tira do cidadão comum e de entidades da sociedade civil o direito de apresentar representação contra parlamentares.

Já a proposta 81, apresentada em 12 de novembro e aprovada em primeiro turno na mesma data em tempo recorde, prevê que os parlamentares com ações criminais ou por improbidade administrativa na esfera judicial só poderão ter abertos contra si processos internos de cassação quando não houver mais qualquer possibilidade de recurso na Justiça — o que, na prática, diante de recursos judiciais, pode demorar 20 anos.

O assunto, aprovado com a presença de 13 distritais — o mínimo exigido —, não foi discutido no Colégio de Líderes e tramitou pelas comissões no próprio plenário. “Eu reconheço que não houve a discussão necessária. Foi apresentado de maneira açodada”, admite o presidente da Casa, Wasny de Roure (PT) — ele próprio responsável por assinar e votar a favor do projeto. O tal colégio é formado por Chico Vigilante (PT), Paulo Roriz (PP), Wellington Roriz (PMDB), Celina Leão (PDT), Eliana Pedrosa (PS), Alírio Neto (PEN), Israel Batista (PV), Olair Francisco (PTdoB), Agaciel Maia (PTC), Liliane Roriz (PRTB) e Arlete Sampaio (PT).

Retirada

O caso causou tanta repercussão que a bancada do PT reuniu-se ontem para discutir uma saída. A proposta do partido que tem maioria na Casa é que os dois projetos de resolução sejam retirados definitivamente da pauta e que o Código de Ética e o Regimento Interno sejam atualizados de maneira global. “É uma questão mais ampla para se ajustar à Lei Orgânica, à Constituição Federal e ao que foi modernizado no Congresso Nacional”, explica o líder do bloco PT-PRB, o petista Chico Vigilante.

A ideia será apresentada aos deputados que vêm defendendo a tramitação dos dois projetos, como Cristiano Araújo (PTB), antes mesmo da reunião do Colégio de Líderes. Mas caberá ao colegiado, que reúne os representantes de blocos partidários, decidir o que fazer com os assuntos. No grupo, as opiniões até agora são divididas. Entre os contrários, estão Arlete Sampaio (líder do governo) e Paulo Roriz, do bloco PP/PR/PTB, além de Celina e Israel Batista, líderes de seus partidos, que mudaram de posição em relação à votação anterior. Vigilante, que antes defendia a votação, já aceita defender a análise mais ampla da questão ética na Casa.

Os demais líderes não têm posição claramente definida. Wellington Luiz, da segunda maior bancada, Agaciel Maia, Liliane Roriz e Olair Francisco defendem uma discussão mais aprofundada das questões no interior do colegiado antes de incluir o PR nº 81 na pauta. Eliana Pedrosa e Alírio Neto não foram encontrados para se expressar, mas votaram a favor da proposta em primeiro turno. Wasny de Roure e Chico Vigilante acham pouco provável que, diante da polêmica, o caso volte a plenário hoje. “Precisamos ter a situação mais amadurecida; por isso, vamos discutir com os colegas”, afirmou o presidente da Casa.

Com informações do jornal Correio Braziliense
Compartilhar:

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Flor Tapajós movimenta cadeia de flores e plantas ornamentais no oeste paraense

Quarenta e quatro floricultores começam se a preparar para a segunda edição do Flor Tapajós, que junto com a Feira da Agricultura Familiar da Amazônia Legal (Agrifal), inicia nesta quinta-feira, dia 27, em Santarém, no oeste paraense, sob a realização da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), no Espaço Pérola do Tapajós. A expectativa da coordenação é que a comercialização de flores e plantas ornamentais supere o valor de R$ 500 mil (em vendas diretas e encomendas) registrado na edição anterior.

A floricultora Janilda Oliveira do Nascimento, que trabalha com a cadeia produtiva há 12 anos e há sete conta com o atendimento da Emater, será umas expositoras no Flor Tapajós. Por mês, Janilda produz de 500 a 800 mudas e tem rendimento mensal de R$ 4 mil com a atividade. "Desde que comecei a ser orientada pela Emater, a minha produção melhorou, pois passei a usar técnicas corretas, o que repercutiu na qualidade do produto. Minha expectativa com o evento é faturar mais do que os R$3,5 mil que alcancei o ano passado", diz. A produtora levará para expor e comercializar ixiória, alamandra, rosa do deserto, palmeira, verbena, entre outras espécies.

De acordo com o engenheiro agrônomo da Emater Paulo Sérgio Campos de Melo, a estimativa é que o Flor Tapajós deste ano supere a marca de R$ 100 mil em vendas diretas e R$ 400 mil em encomendas, comercializados na edição anterior, além do fortalecimento da cadeia produtiva no município. "Como parte da programação do Flor Tapajós, fizemos uma capacitação em jardins em pequenos espaços, na semana passada com 20 floricultores. Nossa orientação é para que o grupo se fortaleça cada vez mais", afirma.

Fonte: Ascom/Emater-Pará
Compartilhar:

Abertas as inscrições para Mestrado em Educação na Ufopa

A Coordenação do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) lançou o edital 5/2014, contendo as normas do processo de seleção e admissão do ano letivo 2015 para o Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade – Mestrado Acadêmico em Educação. O curso caracteriza-se pela pluralidade de abordagens na compreensão da situação educacional, reunindo professores de diversas áreas de conhecimento e tendo na formação docente o eixo integrador das suas linhas de pesquisa.

Serão oferecidas 25 vagas, sendo 12 vagas para a linha de pesquisa 1: “História, política e gestão educacional na Amazônia” e 13 vagas para a linha de pesquisa 2: “Práticas pedagógicas, linguagens e tecnologias”, distribuídas entre os docentes permanentes do Programa. As inscrições serão exclusivamente on-line, no sítio www.ufopa.edu.br/ppge, e seguem abertas até o dia 15 de dezembro de 2014. (Ascom/Ufopa)
Compartilhar:

Candidata quilombola representará açaí durante Agrifal

Da comunidade quilombola Saracura, em Santarém, Iara Cristhiene Braga, de 18 anos, representará a cadeia produtiva do açaí do oeste paraense no concurso de Miss que faz parte da programação cultural da primeira edição da Feira da Agricultura Familiar da Amazônia Legal (Agrifal) fora da capital Belém, a se realizar justamente naquele município-pólo.

O evento, promovido pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) de 27 a 30 de novembro, reunirá produtores e especialistas dos nove estados da Amazônia Legal.

“A idéia é que nossa candidata seja um símbolo da cultura da agricultura de várzea e da história dos nossos povos. A cadeia produtiva do açaí, do extrativismo ao plantio, é uma das forças da agricultura familiar da nossa região”, diz o supervisor regional da Emater em Santarém, o engenheiro agrônomo Agnaldo Ávila.

Iara, que até agora só participara de disputas de beleza e simpatia em festas no colégio, terminou o segundo grau e quer fazer vestibular para Agronomia.

“Sempre ajudei a plantar, a colher. A agricultura não é só a tradição e o ganha-pão: é além - um envolvimento emocional da minha parte. É uma missão e um hobby também. Quero estudar Agronomia e voltar à Comunidade para aplicar os conhecimentos técnicos nas roças da minha família”, diz.

A família de Iara é atendida pelo escritório local da Emater há cerca de um ano, a partir de uma chamada pública do programa multigovernamental Brasil Sem Miséria, lançada pelos Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Os pais, Maria Nilce Santos e Manoel Anízio Braga, plantam mandioca, melancia e milho, entre outros produtos. Também pescam no rio Santarém. As principais espécies são pacu, jaraqui e pirarucu.

“Estamos na fase de levantamento e diagnóstico socioeconômico da Chamada, que durará mais dois anos. Os projetos começarão a se estruturar no começo de 2015. Pelo que percebemos até agora, a maior parte dos quilombolas quer investir em apetrechos para pesca artesanal”, explica a técnica em agropecuária da Emater Lucimara Dantas.
Concurso - O Miss Agrifal se baseará em critérios como estética, fantasia, enredo e coreografia. A premiação contemplará os três primeiros lugares, com notebook a smartphone.

A Miss Agrifal pioneira, de 2012, foi Samara Carvalho, da região do Marajó. A atual, de 2013, que irá passar a faixa para a vencedora de 2014, é Patrícia Silva, da região do Tapajós.

Fonte: Iolanda Lopes/Emater
Compartilhar:

Fim de ano reserva mais de 23,5 mil vagas abertas em concursos públicos

Às vésperas das festas de fim de ano, as oportunidades para variados concursos públicos continuam escancaradas. Quem quer se dar a estabilidade no emprego como presente de Natal deve ficar atento. Existem 23.556 vagas disponíveis, em 73 certames, com salários de até R$ R$ 24 mil. Nesta semana, encerram-se as inscrições em 23 deles, com 1.057 cargos e ganhos mensais superiores a R$ 13 mil, a maioria para universidades federais, órgãos da Justiça e das áreas de saúde e educação.

“Ontem, teve a prova para a Secretaria de Educação do Distrito Federal (em diversas especialidades, como educação infantil, ensino fundamental, ensino médio, educação profissional, educação de jovens e de adultos, com remuneração de R$ 3,6 mil). Os que passarem ganharão um tempo de repouso. Mas aqueles que ainda não conseguiram aprovação continuarão estudando. Faz parte do desafio essa prática de se manter atualizado para enfrentar a concorrência”, diz Walter Souza, professor de raciocínio lógico do Vestcon.

Segundo ele, os certames mais aguardados são para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), para agente penitenciário e para a Câmara Legislativa do DF. “São editais prometidos para este ano que criaram muitas expectativas”, ressalta. No caso do INSS, a previsão é de salários de R$ 4,5 mil a R$ 7 mil para níveis médio e superior. O ganho é semelhante ao que se espera para no STJ e para agente penitenciário. No caso da Câmara Distrital, a disputa deverá ser mais acirrada, porque as remunerações são altas. Vão de R$ 12 mil a R$ 19 mil, de acordo com o nível de escolaridade.

Nos cálculos dos especialistas do Gran Cursos, choverão seleções no curto prazo, porque mais de 50 instituições aguardam a publicação de seus editais. O governo federal, por exemplo, poderá contratar em 2015 até 24.867 servidores, com prioridade para educação, saúde, segurança pública, Previdência Social e economia.

De uma lista de 14 certames mais aguardados, nas previsões do Gran Cursos, está aquele considerado a cereja do bolo: tudo indica que a Câmara dos Deputados abrirá concurso para técnico legislativo, que exige apenas nível médio, com remuneração de gente grande: atualmente, R$ 12,3 mil. E já existe um aumento aprovado para 1º de janeiro de 2015, que fará com que o salário inicial passe para R$ 13 mil.

Expectativa
Há também certames previstos para a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), com 670 vagas de níveis médio e superior e remunerações iniciais de R$ 5,7 mil a R$ 11,7 mil. Para o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), com edital a ser publicado até o fim deste mês, postos de níveis médio e superior e salários entre R$ 5 mil e R$ 8,1 mil. Na Polícia Rodoviária Federal (PRF), órgão que já programa concurso público no decorrer de 2015, a intenção é oferecer 1.500 vagas.

Segundo o Gran Cursos, segue também em análise no Ministério do Planejamento a solicitação para seleção da Receita Federal. A perspectiva é de cargos de analista e auditor, que exigem nível superior completo em qualquer área de formação e oferecem remuneração entre R$ 9,1 mil e R$15, 3 mil. Além disso, está em análise no governo um plano de ingresso de pelo menos 1,8 mil analistas por ano de 2015 a 2019. (CB)
Compartilhar:

Opinião: Mensalão era uma gorjeta

Por: Pedro Cardoso da Costa*

Talvez seja característica humana não reconhecer o mérito do outro. No Brasil isso parece ser mais forte; na política deve ser regra, tanto que nas campanhas vence quem consegue que uma pecha grude no outro. Essa cultura do desmerecimento fica mais acentuada entre as malfeitorias petistas e psdbistas.

Quem se alinha ao Partido dos Trabalhadores defende a impunidade dos corruptos da agremiação sob a justificativa de que no período do PSDB também havia as mesmas práticas. O pressuposto deveria ser inverso, já que o Partido ocupou o lugar por rejeição da sociedade ao modelo anterior.

Ao contrário dessa visão, sempre defendi a ideia de que ninguém elege representante para corromper ou ser corrompido.

O escândalo do Petrolão agora traz uma certeza ao povo brasileiro, pelo menos aos que reprovam a corrupção de qualquer partido, de que a corrupção parece fazer parte da genética da administração pública brasileira. Ela é generalizada de baixo para cima, em todas as instituições e em todos os cantos do Brasil. E só aparece gente contrária depois que os fatos são divulgados na mídia, ou são denunciados pelo Ministério Público ou pela Polícia Federal. Os demais órgãos são figurativos.

Depois da deflagração do Petrolão, a presidente Dilma Rousseff quer fazer exame de DNA para provar que é a mãe punitiva. Os corruptos – antes chamados de Paulinho, Yussefinho, Duquinho – amigos de estarem nos casamentos dos filhos, passam a ser bandidos e, por isso, nada do que dizem merece credibilidade. Não ficam corados de lembrar que foram seus apadrinhados até serem pilhados, que foram escolhidos por eles, pelos destaque – e que destaque! – competência e confiança que mereciam.

Esses filhotes da corrupção não têm pai. Ninguém os indicou. Seria bom que o endereço da Petrobras fosse divulgado. Parece que é só adentrar e assumir uma diretoria.

Não se sabe desde quando a corrupção corre solta na Petrobras sem uma voz dissonante durante todo esse tempo. Nem houve sequer uma ressalva como a de um ex-diretor do Banco do Brasil a um ex-ministro de Fernando Henrique Cardoso ao alertá-lo de terem alcançado o limite da irresponsabilidade.

De peculiar nesse caso só o fato da atual presidente da empresa, Graça Foster, assumir que sabia do propinoduto e não fizera nada; assim como a presidente da República ainda não fez nadinha de nada, a não ser o que sabe fazer: falar. Além disso, a quantidade de delações comprova que as prisões dos corruptos do “Mensalão” retiraram a certeza da impunidade.

Praticamente todas as grandes empreiteiras estão sob suspeição de envolvimento neste escândalo e, por isso, não será possível a punição de todas elas, pois não haveria outras capazes de tocar as grandes obras públicas.

Como medida concreta, vão gastar milhões com terceirizadas para auxiliarem na recuperação do dinheiro que deixaram ir pelo ralo. E carimbam que corrupção é inerente à empresa quando se pretende criar uma gerência anticorrupção.

Corromper e ser corrompido são institucionalizados como um sistema de gestão. Envolve toda a cadeia sem risco e sem entraves para ninguém, com regras, atores e papéis bem definidos. Não é exclusividade do setor público, mas é esse o que interessa.

Todos precisam encarar a corrupção como suprapartidária e não dar trégua. E, como a morte, mesmo sabendo que nunca será vencida todos devem combatê-la. Por enquanto fica para a história a indiscutível paternidade do PT a troca do símbolo da Petrobras de maior empresa do Brasil para a mais corrupta do mundo.

*É Bacharel em direito
Compartilhar:

sábado, 22 de novembro de 2014

Homem é executado a tiros no Mapiri,em Santarém (PA)

Um homem de 34 anos foi assassinado a tiros na tarde deste sábado (22), no bairro Mapiri, em Santarém, no oeste do Pará. O crime teria sido motivado por acerto de contas entre traficantes, uma vez que a vítima, segundo a polícia, tinha envolvimento com o tráfico de drogas. 

O delegado de Polícia Civil, Herbert Farias, que investiga o crime, contou que a vítima, Raymar Costa de Oliveira, vulgo 'Ray', morava na avenida Presidente Vargas, no Mapiri. Ele foi morto com pelo menos sete tiros disparados à queima-roupa.

Segundo o delegado, 'Ray' estava em um carro, modelo Punto, de cor preta e placas OTW 4485, quando dois homens, em uma moto, se aproximaram do veículo e um deles disparou vários tiros contra a vítima, que morreu na hora. 

Ainda segundo Farias, a vítima era velha conhecida da polícia e estava envolvido com o tráfico de drogas em Santarém. As investigações preliminares apontam que 'Ray', antes de ser assassinado, estava acompanhado de três mulheres, que já prestaram depoimentos à polícia. 


Apesar de o crime ter ocorrido à luz do dia, no local, ninguém quis comentar sobre o homicídio. A polícia vai solicitar imagens das câmeras de circuito de segurança de algumas residências e prédios vizinhos para tentar identificar os autores desse crime. 
Compartilhar:

Agrifal e Flor Tapajós 2014 devem reunir 20 mil visitantes em Santarém

A partir da próxima quinta-feira (27) até o dia 30, Santarém, no oeste paraense, se tornará a capital da agricultura familiar, o município receberá agricultores familiares de diversas regiões do Pará, para a terceira edição da Feira da Agricultura Familiar da Amazônia Legal (Agrifal) e o Flor Tapajós 2014. As Feiras disponibilizarão espaços diversificados para exposição, comercialização, compartilhamento de experiências, intercâmbios, resultados e saberes gerados pela agricultura familiar e a extensão rural pública e atualizações sobre as políticas públicas voltadas para o setor.

No Espaço Pérola do Tapajós, localizado no Parque da Cidade, na Av. Bartolomeu de Gusmão, devem circular diariamente sete mil pessoas que terão a disposição uma variedade de mais de 1,5 produtos da agricultura familiar, formando um montante de 500 mil produtos, comercializados em 105 estandes que vão desde flores tropicais e folhagens, frutas in natura, hortaliças, mandioca e derivados, artesanato e biojóias produzido pelas populações tradicionais como quilombolas e indígenas.

A Agrifal e o Flor Tapajós, tem como finalidades contribuir com o aprimoramento da organização e da produção agrícola familiar paraense e a realização de capacitações da mão de obra por meio de minicursos, oficinas, palestras, intercambio, excursão, dia de campo e visitação monitorada. As capacitações abrangem associativismo e cooperativismo, comercialização de produtos agropecuários, jardins em pequenos espaços, empreender no campo, arte floral, higiene e manipulação de alimentos. Para os cursos, as inscrições podem ser feitas no local do evento.

As Feiras abrem para o público às 18h do dia 27, nos dias 28 e 29 das 14h às 22h e no dia 30, das 9h às 22h com entrada franca. Para as Feiras, a expectativa de comercialização é de 1,6 milhão em vendas. “ Acreditamos que esse número pode ser ultrapassado principalmente porque as Feiras são como um canal aberto para grandes compradores. Queremos divulgar o potencial agrícola do nosso Pará”, diz o presidente da Emater, Humberto Reale.

Ascom-Emater
Compartilhar:

Técnicas e tecnologias para fomento de cadeias produtivas serão mostradas na Agrifal

Técnicas e tecnologias sociais para fomentar as cadeias produtivas desenvolvidas na região oeste paraense serão mostradas pela Trilha do Conhecimento, atividade de interação que acontecerá dentro da programação da terceira edição da Feira da Agricultura Familiar da Amazônia Legal (Agrifal), que será realizada, junto com segunda edição do Flor Tapajós, em Santarém, de 27 a 30 deste mês. Os eventos são promovidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater).

De acordo com a pedagoga da Emater Ana Lúcia Guerreiro a intenção da trilha é possibilitar que o agricultor familiar – público alvo da atividade – tenha acesso às técnicas e tecnologias que serão apresentadas e possa aplicar em sua unidade produtiva. “O objetivo é que ao se apropriar desse conhecimento para produção de culturas alimentares, o agricultor passe a produzir mais e melhor e dentro do conceito de sustentabilidade”, ressalta.

A trilha do conhecimento estará montada em um espaço de 500 m², por onde devem passar por dia 4 grupos de 30 pessoas, pertencentes a 32 comunidades do município de Santarém. Ao todo serão 7 estações: cultivo do abacaxi, cultivo do limão tahiti, hidroponia, piscicultura, extrativismo da castanha do Pará, processamento do cacau e banana e tecnologias sociais. “Dentro desta última estação serão demonstradas tecnologias sociais geradas e adaptadas dentro da agricultura familiar, que são o desidratador solar, o carneiro hidráulico, o galinheiro móvel e a bomba rosário”, explica Ana Lúcia. As visitas monitoradas acontecerão no período da tarde, de 14h às 16 horas e levam em média 45 minutos de duração. 

Ascom/Emater
Compartilhar:

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Campanha do 'Nao' no ICS

A chapa liderada pelo professor Jarden para a direção do Instituto da Ciência e da Sociedade (ICS), em Santarém, no oeste do Pará, está sob o impacto da campanha do ‘Não’. Professores, alunos e técnicos lideram o movimento contrário à única chapa inscrita. A outra chapa foi barrada pela Justiça. Os membros da campanha do ‘Não’ querem a realização de segundo turno para uma maior opção de escolhas. Com nova eleição, todos vão poder apresentar candidatos com mestrado.
Compartilhar:

Espetáculo “Silêncio Total” patrocinado pelo Minc chegará em Santarém

O espetáculo “Silêncio Total – Vem Chegando Um Palhaço”,estará em cartaz em Santarém nos dias 22, 23 e 25. As apresentações serão realizadas na praça Santo Antônio, Comunidade de Irurama/região do Eixo Forte; praça Barão de Santarém e na praça do Çairé, no Distrito em Alter do Chão com entrada franca. O espetáculo tem a participação do ator Luiz Carlos Vasconcelos, o ator que participou recentemente da novela Geração Brasil, da Rede Globo também irá se reunir com estudantes, artistas e membros da comunidade para dialogar sobre a produção cultural local e trocar experiências no dia 24/11, no auditório da Casa da Cultura, a partir das 19h 30 min.

O espetáculo já foi visto em várias cidades do Brasil, em países da Europa, Ásia e África, chega agora ao norte do país. O projeto faz parte do Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2013/2014, patrocinado pelo Ministério da Cultura e com apoio Lei Rouanet.

A narrativa cênica deve proporcionar ao público a diversão e reflexão sobre a condição humana, através do personagem central do espetáculo, o Palhaço Xuxu.

Programação

22 de Novembro
Local: Praça Santo Antonio – Irurama/Santarém
Horário: 20hs
23 de Novembro
Local: Praça de São Sebastião - Santarém
Horário: 20hs
25 de Novembro
Local: Praça do Sairé – Alter do Chão/ Santarém
Horário: 20hs

Conversa com artistas:
24 de Novembro
Local: Casa da Cultura de Santarém
Horário: 19h30min.

Fonte: PMS/Divulgação
Compartilhar:

Capoeira de roda será reconhecida como Patrimônio Cultural

Dança, luta e símbolo de resistência, a capoeira de roda será reconhecida como Patrimônio Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Na semana que vem, em Paris, o Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural e Imaterial da Unesco anuncia sua decisão. Foram feitos 46 pedidos de registro pelos Estados-Membros, sendo que 32 foram recomendados pelo órgão técnico do comitê, entre os quais está o da capoeira – o único apresentado pelo Brasil e um dos três bens da América Latina na lista.

No dossiê de candidatura, de 25 páginas, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) enumera uma série de ações para difundir a modalidade e propõe medidas de salvaguarda orçadas em mais de R$ 2 milhões, como a produção de catálogos e encontros. O documento destaca que o registro vai favorecer a consciência sobre o legado da cultura africana no Brasil e o papel da capoeira no combate ao racismo e à discriminação. O dossiê lembra que a prática chegou a ser considerada crime e foi proibida durante um período da história. Hoje, a capoeira é praticada até fora do país.

“A capoeira é uma manifestação cultural de muitas dimensões. É ao mesmo tempo luta, dança e jongo, tão ligada à nossa história, à nossa sociedade, que é um pouco do que é o povo brasileiro”, explicou a diretora do Departamento do Patrimônio Imaterial do órgão, Célia Corsino.

Já reconhecida como patrimônio cultural pelo Iphan desde 2008, a capoeira envolve os praticantes por meio do canto, dos instrumentos típicos como o berimbau e o atabaque, em uma roda, onde os golpes se confundem com a dança. Uma prática que é, ao mesmo tempo, jogo e brincadeira.

“A capoeira não é só um jogo, a capoeira é muito mais do que isso, a história da capoeira se confunde com a própria história do país, já foi utilizada até em guerra, como a do Paraguai”, diz mestre Paulinho Salmon, capoeirista e professor por mais de 50 anos. Ele faz parte de um comitê de mestres de capoeira no Rio que discute medidas de salvaguarda com o Iphan.

Os pedidos dos mestres para proteger a capoeira e seu aval para registrá-la como patrimônio da humanidade também foram levados em conta no dossiê entregue à Unesco. Entre eles, a possibilidade de a capoeira se tornar disciplina obrigatória nas escolas e nos encontros de troca de conhecimento. Segundo mapeamento do Iphan, a modalidade é praticada por todo o país.

No documento que recomenda o registro, o comitê técnico da Unesco destaca que a capoeira nasce da resistência contra a discriminação e favorece a convivência social entre pessoas diferentes. “[A roda] funciona como uma afirmação de respeito mútuo entre comunidades, grupos e indivíduos e promove a integração social e da memória da resistência à opressão histórica.”

No pedido, o Iphan também cita ações como o registro nacional da capoeira de roda como um bem cultural, a criação de grupos de trabalho, encontros e o prêmio Viva Meu Mestre, desenvolvidos com a sociedade civil e órgãos de governo. Para o futuro, como patrimônio da humanidade, são sugeridas medidas para promover a capoeira, contextualizá-la como legado africano no Brasil, além de mapear as rodas e seus mestres.

Conhecido como um dos maiores portos de desembarque de africanos, o Brasil organiza para 2015 o pedido de registro como patrimônio da humanidade do Cais do Valongo, no centro do Rio de Janeiro. Estima-se que o país tenha recebido 40% de todos os africanos escravizados que chegaram vivos às Américas e, desses, cerca de 60% entraram pelo Rio de Janeiro, segundo o antropólogo e fotógrafo Milton Guran, do Comitê Científico Internacional do Projeto Rota do Escravo da Unesco. O Cais do Valongo é considerado sagrado por religiões de matriz africana. (ABr)
Compartilhar:

Governo do Pará divulga lista de áreas desmatadas a fim de coibir a "grilagem" de terras

O Governo do Pará passa a divulgar na internet, a partir desta quinta-feira (20), uma lista atualizada regularmente das áreas desmatadas ilegalmente no Estado. A Lista do Desmatamento Ilegal (LDI), lançada na manhã de hoje, na Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), identifica inicialmente, com imagens de satélite, cerca de 200 áreas irregulares e já embargadas. Elas têm, em média, 300 hectares. Até dezembro deste ano serão disponibilizadas para consulta no sistema 500 áreas embargadas.

Os empreendimentos, propriedades ou posses rurais que estiverem na lista ficam embargadas, perdendo o direito a financiamento bancário, concessão de licenças, autorizações, serviços ou qualquer outro tipo de benefício ou incentivo público por parte de órgãos ou entidades da administração pública estadual. A proibição permanecerá até serem retirados da lista de embargo.

A consulta é feita com base no Cadastro Ambiental Rural (CAR), CPF ou CNPJ do produtor rural, pelo site http://www.sema.pa.gov.br/ldi/. O sistema emite uma certidão sobre a situação da propriedade. Assim, bastará ao órgão público exigir o documento ou consultar os dados do produtor diretamente no novo sistema.

A inclusão na lista dos desmatadores segue critérios elaborados ao longo de um ano, pelo Comitê Técnico da LDI. Entre os critérios estão o tamanho mínimo das áreas a serem embargadas, o intervalo de tempo na análise dos dados de satélite e outras características sobre a localidade do imóvel rural.

O grupo técnico é formado por especialistas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ministério Público, Instituto do meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e Programa Municípios Verdes (PMV).

Incentivo - “Trata-se de um mecanismo de consulta para os órgãos públicos ligados à regularização fundiária, bancos e também empresas privadas, para evitar a comercialização de produtos de áreas embargadas, o que é proibido pela legislação ambiental. Queremos também incentivar os produtores que agem em conformidade com a lei, que continuarão a receber os incentivos públicos”, explicou o secretário Justiniano Netto, coordenador do Programa Municípios Verdes (PMV). Segundo ele, o alvo principal são os grandes desmatadores, que agem com a finalidade de “grilar” terras públicas no território paraense. O sistema tenta fechar o cerco ao desmatamento feito com essa finalidade, que faz parte da nova dinâmica do desmatamento no Pará.

Compartilhar:

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Agrifal e Flor Tapajós 2014 demonstram potencial produtivo do Pará

Agricultores familiares de diversas regiões do Pará vão expor e comercializar produtos na Feira da Agricultura Familiar da Amazônia Legal (Agrifal) e a na Flor Tapajós 2014, que ocorrem em Santarém, no oeste paraense, de 27 a 30 deste mês. Serão 105 agricultores, demonstrado a matéria-prima e as produções industrializadas. Os eventos são promovidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater).

Serão expostos cerca de 1,5 mil produtos, entre flores, folhagens, doces, bolos, biscoitos, licores, lacticínios, compotas, pães, óleos e cosméticos, além do mel, artesanato em madeira e biojoias e artesanato indígena. Também estarão em exposição frutas como o açaí e o caju, com enfoque para a produção regional e o extrativismo praticado pelas populações tradicionais em Santarém.

Os produtos, cultivados, na grande maioria, de forma agroecológica, segundo orientação da Emater, vão custar de R$ 1 a R$ 300. A Agrifal, hoje considerada a vitrine da agricultura familiar amazônica, é um das grandes incentivadoras da mudança do perfil dos agricultores paraenses.

Cursos oferecidos em campo pela Emater, que incentivam boas práticas da produção, técnica de venda e comercialização e apresentação dos produtos – fora a própria orientação técnica para a regularização sanitária, ambiental e fiscal do empreendimento – ajudam a melhorar a renda e a qualidade de vida das famílias . A adesão ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) é uma das oportunidades para a regularização. Este ano, uma das novidades na comercialização é a produção dos jovens das Casas Familiares Rurais (CRFs) de Curuá, Santarém e Belterra. (Ag. Pará)
Compartilhar:

Feirão do Microcrédito libera mais de R$ 5 milhões a empreendedores

A Prefeitura de Santarém, através da Divisão de Microcrédito do IDS/SEMDE, juntamente com os parceiros Banpará/ CredCidadão, Banco da Amazônia, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, realizou nesta quarta-feira (19) o Feirão do Microcrédito Sustentável. O evento fez parte da programação da I Feira Tapajós Negócios, que ocorre até o próximo sábado (22) na área do estacionamento no Rio Tapajós Shopping. O Feirão do Microcrédito Sustentável liberou R$ 5.230.700,00 a 907 micro e pequenos empreendedores de diferentes segmentos econômicos. A Prefeitura encerra o ano de 2014 com quase R$ 8 milhões em volume de microcrédito liberado.

Na ocasião, o prefeito Alexandre Von destacou o papel do Município em oferecer condições para que os pequenos negócios ganhem oportunidades de crescimento. O gestor santareno, também, enalteceu a realização da Feira Tapajós Negócios.

“A Prefeitura fez questão de propor e trazer o Feirão do Microcrédito para dentro da Feira Tapajós Negócios, que é uma realização da Associação Comercial e Empresarial de Santarém e conta com nosso irrestrito apoio. E hoje, no primeiro dia, nós realizamos a segunda grande liberação de crédito do ano [a primeira acontece por ocasião do aniversário da cidade, no mês de junho] com um volume de crédito que ultrapassa R$ 5 milhões. É crédito nas mãos do micro e pequeno empreendedor para alavancar seus negócios e com um detalhe importante: além do empreendedor urbano estamos beneficiando empreendedores rurais, a exemplo de mais de 40 microempreendedores que vêm da região do Lago Grande”, explicou o prefeito.

As instituições bancárias parceiras do Feirão do Microcrédito da PMS são fundamentais para que ocorra a liberação. Por meio da parceria Prefeitura/Bancos mais empreendedores podem ser beneficiados, através de diferentes linhas de financiamento: Ecocrédito (Prefeitura), CredCidadão (Banpará/Governo do Estado do Pará), Microcrédito Produtivo Orientado (Banco do Brasil), PRONAF (Banco do Brasil/Banco da Amazônia) e Amazônia Florescer (Banco da Amazônia).

O vereador Valdir Matias Jr., que representou a Câmara Municipal de Santarém, lembrou que além de o microcrédito fomentar os pequenos negócios, ajuda, também, a movimentar a economia do Município. “É um recurso que ajuda a melhorar o empreendimento e movimenta a economia, gerando emprego e renda”, observou Valdir. (PMS)
Compartilhar:

DESTAQUE:

Celpa reforça apoio ao Meio Ambiente durante ações promovidas em Santarém

Em alusão ao Dia do Meio Ambiente, foram desenvolvidas várias programações durante todo o mês de junho, envolvendo os colaboradores e par...

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive