terça-feira, 7 de julho de 2015

Pará proíbe entrada de aves vivas e compra briga com Tocantins

A Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) publicou, em 27 de março, portaria proibindo o ingresso de aves vivas no Estado, "como medida de controle de trânsito e de interesse de saúde pública". Com a medida, só podem entrar no Estado animais que tiverem como destino frigoríficos com SIF (Selo de Inspeção Federal). Só existe um no Pará.

A decisão vale para frangos de qualquer Estado, mas o Tocantins, fornecedor de aves para o mercado informal do Pará, é o mais afetado.

"Não há justificativa para essa medida. O status sanitário do Tocantins é o mesmo do Pará e não houve nenhum episódio que pudesse mudar isso", disse Humberto Camelo, presidente da Adapec-TO (Agência de Defesa Agropecuária do Estado).

Ele afirma que o fim do ingresso de aves vivas no Pará causa prejuízos aos produtores do Tocantins, que fornecem animais para pequenos abatedouros e feirantes –comércio comum na região.

"Temos compromissos com abatedouros do Pará que não estamos conseguindo cumprir. Além disso, agora está sobrando frango no Estado, e os preços estão caindo", afirma Carlos Nobre, da Associação dos Avicultores do Norte do Tocantins.

A discussão foi parar em Brasília. O governo do Tocantins levou a discussão para o Fórum Nacional dos Executores de Sanidade Agropecuária (Fonesa). Em reunião em meados do mês passado, o fórum deu razão ao Tocantins e recomendou que os dois Estados se reunissem para resolver a questão.

Mas, como o órgão não tem caráter deliberativo, não pode obrigar o Pará a revogar a medida, que continua valendo. A Adepará (Agência de Defesa Agropecuária do Pará) informou que a reunião, com os representantes das duas agências, "deverá ser realizada em breve".

Segundo Inácio Kroetz, presidente do Fonesa, se o impasse continuar e o Tocantins continuar se sentindo lesado, caberá ao Estado apelar ao Ministério da Agricultura ou entrar na Justiça.

Procurado, o Ministério da Agricultura informou apenas que "os impedimentos que existiam foram resolvidos entre os dois Estados na última reunião do Fonesa" e que a pasta "não teve participação nessas negociações".


PROBLEMA DE IMAGEM

Parte do setor se preocupa com a repercussão que esse episódio pode tomar. Países importadores da carne de frango brasileira podem levantar questionamentos sobre a segurança da produção nacional. Se um Estado vê risco sanitário na importação de aves de outros Estados, a segurança de todo o sistema não pode estar em xeque?

"Uma situação como essa percebida no exterior pode colocar em risco a credibilidade do país em status sanitário", acredita Kroetz.

O diretor-técnico da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), Ariel Mendes, discorda. Para ele, o trânsito de aves vivas deve ser desestimulado. "Não temos gripe aviária, mas existem outras doenças que podem ser transmitidas dessa forma, como salmonela e bronquite", diz.

"É por restringir esse tipo de trânsito que teremos a melhor avicultura do mundo. Acho que os importadores entenderiam isso como um avanço, não um retrocesso."

Fonte: Jornal Folha de São Paulo
Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive