sexta-feira, 16 de outubro de 2015

MP ajuíza ação para garantir pagamentos atrasados de servidores de Faro

O Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) em Faro, oeste do Pará, por meio do promotor de Justiça Alan Johnnes Lira Feitosa, ajuizou Ação Civil Pública (ACP) para compelir o Município a pagar os salários atrasados do funcionalismo público. A ação foi ingressada no dia 6 de outubro na secretaria da Vara Única da Comarca.

A ação requer a concessão de liminar que determine o bloqueio judicial de verbais federais repassadas ao Município; inicialmente no valor de R$1.050.308,82; de modo a garantir o pagamento dos salários do mês de agosto. O bloqueio deve ser via Bacen-Jud, nas verbas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), do Fundo de Manutenção da Educação Básica (Fundeb) e do Fundo de Saúde (FUS).

Repasses e descontos

O promotor de Justiça relata que desde que assumiu suas funções em Faro, em julho deste ano, recebe informações de atraso no pagamento dos salários. Diligências, oitivas e documentos comprovaram a situação, e há casos de servidores que estão com até três meses de pagamento em atraso.

A prefeitura informou ao MP que o atraso seria por conta de má gestão de governos passados. Alega que o Município recebe as verbas federais corretamente, porém as dívidas acumuladas com o INSS, Receita Federal e governo Federal geram altos descontos nos repasses, prejudicando o pagamento do funcionalismo. “A população não é diretamente responsável pela má gestão da máquina pública”, ressalta o promotor.


De acordo com a ação, os fatos justificam a intervenção do Judiciário para compelir o Município a efetuar o pagamento dos salários, pois os repasses são feitos com regularidade- nos dias 10, 20 e 30 de cada mês, sendo imediatamente descontados valores iguais ou superiores aos mesmos. Por esse motivo, o MP considera o bloqueio como medida imperiosa, “visando garantir sua correta destinação (dentre as quais o pagamento da folha de funcionários), o que não vem ocorrendo”.

Além do bloqueio das verbas no valor de R$1.050.308,82, que corresponde ao total da folha de pagamento de agosto, requer determinação para a prefeitura apresente as folhas atrasadas referentes aos meses de junho, julho e setembro de 2015 e demais vencidas no decorrer da ação, para que, em caso de concessão do bloqueio, o MP possa providenciar pedido semelhante para regularizar integralmente o pagamento dos servidores.

Ao final, requer a condenação do Município na obrigação de regularizar os salários, inclusive o 13º, de todos os servidores públicos municipais. Em caso de descumprimento de medida liminar ou ao fim da ação, requer a fixação de multa diária de R$ 10 mil.

Fonte: MPE
Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive