segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Gasto com benefício a pescador deve ser cortado pela metade

Para controlar gastos, o governo do presidente Michel Temer quer proibir o pagamento de seguro-defeso (benefício dado a pescadores artesanais no período de proibição da atividade) para profissionais das regiões em que há pesca alternativa.

A expectativa é reduzir pelo menos à metade o gasto previsto para o ano que vem, de R$ 3,1 bilhões.
O benefício, de um salário mínimo mensal, é pago por até cinco meses, nos períodos em que a pesca de determinadas espécies é interrompida na região.

O governo vai editar um decreto presidencial para cancelar o benefício em locais onde há alternativa.

Em determinadas regiões, segundo a equipe de Temer, o pescador artesanal, ainda que não possa pescar uma determinada espécie, consegue pegar outros tipos de peixes –não protegidos pelo defeso.

Essa proibição deve atingir 5 dos 50 tipos de defesos existentes hoje. Esses casos estão concentrados no Amazonas, Bahia, Maranhão e Pará e, juntos, representam um desembolso de R$ 1,5 bilhão.

Como a medida deve afetar outras regiões, o governo estima que a economia possa chegar a R$ 2 bilhões.

O seguro-defeso virou alvo do governo depois que o programa mostrou, nos últimos anos, um aumento de gasto elevado. Saiu de R$ 131 milhões em 2003 para R$ 2,7 bilhões em 2015, podendo atingir R$ 3,1 bilhões em 2017.


O salto nos gastos é atribuído à falta de controle no cadastramento de pescadores artesanais e irregularidades. Pelo censo de 2010, o Brasil tinha 275,1 mil pescadores artesanais, mas o número de beneficiários do seguro-defeso naquele ano foi mais que o dobro, 584,7 mil.

A medida vem na sequência do pente-fino que o governo anunciou em programas como o Bolsa Família, o auxílio-doença e a aposentadoria por invalidez, além do BPC (Benefício de Prestação Continuada), pago a idosos e portadores de deficiência.

EFICIÊNCIA
O comitê que avalia essas políticas públicas também propôs outras medidas para, segundo o governo, tornar os gastos mais eficientes.

O governo pretende avaliar se medidas alternativas ao defeso poderão ser tomadas, como permitir a pesca, mas restringir o tamanho do peixe pescado ou do equipamento utilizado no período.

Além disso, o defeso, que atualmente é definido por bacia geográfica, passará a ser definido por município.

As mudanças também incluem a exigência de que o Ministério da Agricultura avalie, a cada ano, a eficácia do defeso como medida de proteção ao ambiente.
Outra medida será a exigência de que os pescadores artesanais passem a declarar a renda. Atualmente, não é exigida declaração.

No fim de 2015, o governo Dilma Rousseff publicou portaria para suspender por 120 dias o pagamento do benefício, até que fosse feito o recadastramento dos profissionais. O tema foi alvo de discussão no STF, que reestabeleceu o pagamento.

EFEITO NO AMBIENTE
A Defensoria Pública da União afirma que acabar com o benefício onde há pesca alternativa pode prejudicar o ambiente e desamparar pescadores, sem resolver eventuais irregularidades.

"A margem para que a lei ambiental seja desrespeitada é grande", afirmou o defensor público Yuri Costa, que atua no Maranhão.

Para Costa, o governo terá ainda mais dificuldade de fiscalização se permitir a pesca de alguns peixes no período do defeso na região.

A solução, segundo ele, passa pelo recadastramento periódico de beneficiários, seguido de fiscalização, para que o benefício seja pago apenas aos que se enquadram no programa.

Fonte: Folha On Line
Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive