quarta-feira, 5 de abril de 2017

Ministério decide adotar dose única para proteção contra febre amarela

O Ministério da Saúde passará a recomendar, a partir deste mês, apenas uma dose da vacina contra febre amarela para áreas do país onde a imunização é indicada.

Até então, o Brasil adotava o esquema vacinal de duas doses, sendo a segunda recomendada dez anos após a primeira.

A mudança foi divulgada nesta quarta-feira (5). O novo modelo segue o padrão já recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) desde 2014.

Segundo a coordenadora do PNI (Programa Nacional de Imunizações), Carla Domingues, a decisão por mudar o esquema vacinal ocorre devido ao aumento no número de estudos que apontam que a proteção contra a febre amarela é mantida por toda a vida, mesmo que com apenas uma dose da vacina.

"Quando se tomou a decisão na OMS em 2014, o Ministério da Saúde avaliou que os estudos que haviam naquele momento ainda não eram suficientes. E tomamos a decisão de fazer uma segunda dose cautelar. Mas à medida que os estudos foram atingindo mais evidências, vimos que era o momento de tomar essa decisão", afirma.

Nos últimos meses, no entanto, o ministério já vinha buscando soluções para aumentar a oferta de vacinas contra febre amarela em meio ao surto que atinge a região Sudeste do país.

O principal fornecedor, o laboratório de Bio-manguinhos, da Fiocruz, já vem operando em capacidade máxima nos últimos meses, com produção superior a 8 milhões de doses mensais.

A pasta também adquiriu 3,5 milhões de doses de um fundo estratégico internacional da OMS.

Questionada, a coordenadora nega que haja falta de vacinas, mas admite que houve aumento da demanda.

Atualmente, 3.529 municípios, distribuídos em 19 Estados e Distrito Federal, fazem parte da área de recomendação permanente para a vacina contra febre amarela.

Segundo Domingues, com a mudança, pessoas que já tomaram a primeira dose não precisam mais tomar a segunda. Em geral, a estimativa da pasta é que 30% das pessoas que tomam a 1ª dose já deixavam de tomar a 2ª após dez anos.

A pasta também calcula que 29 milhões de brasileiros que vivem nas áreas de recomendação permanente para a vacina, no entanto, ainda não tenham sido imunizados.


FRACIONAMENTO

Além da adoção de uma dose única, o Ministério da Saúde já se prepara para a possibilidade de fracionamento das doses da vacina contra febre amarela ainda neste ano em alguns Estados.

Para isso, a pasta tem organizado treinamentos para profissionais de saúde do Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia e adquiriu 3,5 milhões de seringas especiais, utilizadas para ampliar as doses. A pasta também já faz estudos para ampliar a compra para 20 milhões.

Se aplicado, o fracionamento permite que uma dose da vacina seja dividida em até cinco. A diferença está no volume, que é de 0,1 ml na dose fracionada.

"Com um frasco com cinco doses e que hoje vacinamos cinco pessoas, poderemos em curto espaço de tempo vacinar 25", afirma Domingues.

A proteção, no entanto, é menor –estudos apontam que duraria apenas por um ano, enquanto a dose-padrão é capaz de proteger por toda a vida.

Apesar da preparação, a pasta nega que já haja uma decisão sobre a adoção do fracionamento.

De acordo com o secretário de vigilância em saúde, Adeílson Cavalcante, a ideia é adotar a medida apenas em casos de epidemia, e apenas em locais onde houver necessidade de medidas de controle.

Inicialmente, a medida é estudada como alternativa para os Estados onde houve recentemente a confirmação de circulação do vírus de febre amarela em mais cidades –caso do Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia–, em locais que hoje não fazem parte da área de recomendação de vacinação.

"Ele não será utilizado em todo o país, só onde houver necessidade", afirma Carla Domingues.

Crianças, idosos e pessoas que vivem nestes locais e pretendem viajar para outros países, no entanto, continuam com a recomendação de uma dose completa.

Desde dezembro, já foram confirmados 586 casos de febre amarela no país, incluindo 190 mortes. Há ainda outros 450 casos em investigação, segundo o Ministério da Saúde.

Para Cavalcante, o cenário atual indica que a febre amarela está sob controle. "A curva de casos é descendente nos Estados que registraram o surto", afirma.

Fonte: Folha de São Paulo
Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive