quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Moradores de sete comunidades do Rio Amazonas participam de capacitação para manejo do Pirarucu

Curso será realizado na comunidade Tapará Grande no próximo sábado (05) e deve reunir cem pescadores da região

Por: Samela Bonfim*


Nas comunidades Santa Maria, Pixuna e Tapará Mirim, em Santarém, no Oeste do Pará, há pelo menos 15 anos, os moradores desenvolvem as atividades pesqueiras com o monitoramento e controle do recurso pesqueiro seguindo modelo de gestão consciente, pensando na conservação da espécie.

O cumprimento do acordo de pesca tem inspirado outras comunidades da várzea, como Tapará Grande, Costa do Tapará, Santana do Tapará e Boa Vista do Tapará, que devem participar do curso que tem por finalidade elaborar propostas para construção de um plano de manejo comunitário do pirarucu.

“A idéia é avaliar as experiências de manejo realizadas na região. Estimular e sensibilizar outras comunidades que vão estar presentes na oficina a adotarem processos de uso sustentável do recurso da pesca na região” – explicou o coordenador da Sociedade Para pesquisa e Proteção do Meio Ambiente (Sapopema) e organizador do curso, Antônio José Bentes.

Os comunitários estão mobilizados para ouvir dos pescadores que já desenvolvem o manejo as experiências que deram certo e o que não deram ao longo dos anos na atividade manejada da pesca.

Além de fortalecer a cadeia produtiva do pirarucu manejado, a capacitação vai possibilitar a avaliação para melhorar o processo realizado no Rio Amazonas, que é acompanhado pela Sapopema.

De acordo com levantamento, no ano passado [2016] foram contados 1.225 peixes em 5 lagos na comunidade Pixuna - região do Tapará que tem o maior registro da espécie na região devido a atividade conservação. Os moradores protegem os recursos naturais, com a utilização racional, garantindo a sustentabilidade e existência para as futuras gerações.

Porém, os comunitários enfrentam dificuldades com pouco retorno financeiro e furtos dos pirarucus nos lagos por parte de invasores.

Bentes ressalta ainda a importância de promover o encontro entre os moradores das sete comunidades: “Melhorar a qualidade de vida da comunidade que mora na região ribeirinha. Queremos discutir a produtividade e a rentabilidade da atividade de pesca no manejo do pirarucu para que os moradores obtenham maior produtividade, produzindo com mais qualidade e tendo maior retorno pra viver com dignidade nas suas regiões” – finaliza.

*É jornalista e assessora de comunicação do projeto Sapopema

Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive