terça-feira, 24 de outubro de 2017

Aneel eleva cobrança máxima de bandeira tarifária de R$ 3,5 para R$ 5



A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou nesta terça-feira (24) um aumento nos valores das bandeiras tarifárias que vai deixar a cobrança máxima 43% mais cara já a partir de novembro deste ano.

A bandeira vermelha no patamar 2, vigente atualmente e que dever perdurar por novembro, vai subir de R$ 3,50 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) para R$ 5.

As bandeiras servem para repassar ao consumidor os custos extras das distribuidoras ao longo do ano. É o que ocorre quando falta água: as empresas contratam energia mais cara —de termelétricas, por exemplo— para compensar o nível baixo das hidrelétricas, e as bandeiras amarelas e vermelhas, em primeiro e segundo patamar, são acionadas.

Na nova proposta, a bandeira verde continua livre de tarifa, e a vermelha em patamar 1, cobrando R$ 3 a cada 100 kWh. A amarela, no entanto, mudou e ficou 50% mais barata, passando de R$ 2 a cada 100 kWh para R$ 1.

A mudança nos patamares entraria em vigor em 2018, mas foi antecipada para novembro em regime excepcional.

"Considerando a situação financeira das distribuidoras, a proposta da relatoria é que as regras passem a valer imediatamente. Achamos muito importante já dar estabilidade à bandeira tarifaria de novembro", justificou Tiago Correia, diretor da Aneel e relator do processo sobre o tema.

Marco Delgado, da Abradee (Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica), afirmou, no entanto, que o novo patamar de R$ 5 "não conseguirá alcançar os objetivos". "Apesar dos esforços, eles estão aquém da necessidade das distribuidoras. O deficit [das distribuidoras] na próxima semana será de R$ 3,5 bilhões, chegando a R$ 6 bilhão ao final do ano", disse.

Correia respondeu que "é difícil para a Aneel ancorar a bandeira exatamente no valor que neutralizaria os efeitos sobre as distribuidoras". "A gente verificou que se tivéssemos aplicado ele desde o começo, hoje o saldo seria positivo. Escolher esses valores significaria uma mudança muito agressiva na metodologia. A ideia é diminuir o problema, mas efetivamente não vai dar para resolver a liquidez das distribuidoras unicamente com base nesse mecanismo", afirmou.

Mais cedo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o governo avalia medidas de socorro às distribuidoras, mas esbarra em restrições orçamentárias. "Estamos estudando [uma ajuda], desde que não desequilibre o orçamento", afirmou o ministro, sem dar mais detalhes.

CÁLCULO

A Aneel aprovou também uma mudança no gatilho de acionamento das bandeiras, que agora deve acontecer mais cedo.

Antes, para as bandeiras serem acionadas, a metodologia considerava o CMO (Custo Marginal de Operação) —custo variável de geração mais caro despachado–, divulgado pelo ONS (Operador Nacional do Sistema) e base para o cálculo do PLD (Preço de Liquidação das Diferenças), o custo da energia no mercado de curto prazo.

Se esse custo variável fosse menor que R$ 211,28 MWh, a bandeira seria verde. Se fosse igual a R$ 211,28 MWh e inferior a R$ 422,56 MWh, acionaria a amarela. Entre R$ 422,56 MWh e R$ 610 MWh habilitava a vermelha em patamar um e, acima desse valor, em patamar dois.

Agora, o cálculo vai combinar o deficit hídrico às faixas de valores em PLD.

Pela nova proposta, se o risco hidrológico for de 1%, mas o PLD estiver até R$ 500 MWh, a bandeira permanece verde, ou seja, sem tarifa extra, porque as hidrelétricas estão entregando sua garantia física (produzindo a energia que vendem em contrato).

Se o risco atingir 10% e o PLD for de até R$ 50 MWh, também não há cobrança, mas com PLD entre R$ 50 MWh e R$ 100 MWh haverá tarifa amarela, de R$ 100 MWh a R$ 300 MWh, vermelha 1 e a partir de R$ 300,001 MWh, vermelha 2.

Embora a aplicação tenha sido antecipada, a proposta ficará aberta em audiência pública por 45 dias, entre 26 de outubro e 11 de dezembro, e por 15 dias, entre 12 de dezembro e 27 de dezembro, e ainda pode sofrer alterações.

As informações são do jornal Folha de São Paulo
Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive