segunda-feira, 20 de novembro de 2017

MP ajuíza ação para garantir transporte fluvial de alunos à escola em Oriximiná


O Ministério Público do Pará em Oriximiná, por meio da promotora de justiça Nayara Santos Negrão, ajuizou Ação Civil Pública contra o município, para defender o direito à educação de estudantes de comunidades ribeirinhas que frequentam a escola Lauro Picanço Viana e necessitam de transporte fluvial. As cinco embarcações que a prefeitura disponibiliza não são suficientes para transportar alunos de seis comunidades para a escola, além de não oferecem a segurança necessária.

A comunidade escolar conta com 92 estudantes, de seis comunidades, que necessitam de transporte. Atualmente, são levados em cinco embarcações com capacidade para lotação máxima de 12 pessoas, e ainda sem equipamento mínimo de segurança. Portanto, poderiam transportar somente 60 alunos. Caso fosse respeitada a capacidade máxima, 32 estudantes ficariam sem o transporte.

O MPPA requer concessão de liminar para obrigar o município, representado pelo prefeito Antônio Odinélio Silva, a realizar a contratação, dentro dos trâmites legais, de oito embarcações com equipamento mínimo de segurança, para suprir a necessidade da comunidade escolar Lauro Picanço, sem repasse de custos adicionais de qualquer natureza aos pais ou responsáveis, assegurando-se, em qualquer hipótese, o princípio da dignidade humana e a defesa do direito fundamental à educação inclusiva.

Prisão e multas
No pedido final, requer a confirmação da liminar, sendo o município obrigado a comprovar a contratação das oito embarcações, com condutores habilitados e equipamentos corretos, sob pena de multa em caso de descumprimento. Caso não seja cumprida, a promotoria requer a determinação de prisão dos responsáveis- prefeito e secretário de Educação, pelo crime de desobediência, além da advertência de sanções por improbidade administrativa.

Decorridas 72 horas sem o cumprimento da liminar, requer o bloqueio das contas bancárias do município no valor de R$50 mil. Após o mesmo prazo, requer a determinação de multa em caráter pessoal ao secretário municipal de Educação e ao prefeito, no percentual de 20% do valor da causa, que é de R$50 mil.

E ainda que seja assegurada a prioridade na tramitação do feito, pois se trata de direito à educação de crianças e adolescentes. Por fim, requer a condenação do município ao pagamento de custas e demais despesas processuais, que deverão ser revertidas em favor do Fundo do Reaparelhamento do Ministério Público do Estado Do Pará.

Município não cumpriu acordo

Em setembro de 2017, a Capitania dos Portos em Oriximiná recebeu a denúncia que duas embarcações escolares contratadas pela prefeitura, estariam fazendo o deslocamento dos alunos da escola de maneira irregular, sem coletes salva-vidas suficientes, com número excedente de passageiros, e condutores não habilitados.

A denúncia foi comprovada e os barcos tiveram suas atividades suspensas pela Capitania até a sua regularização. Em outubro, condutores, professores, pais e alunos da escola Lauro Picanço compareceram na promotoria para informar que as atividades das embarcações escolares seriam paralisadas, e que não havia qualquer contrato formal de prestação de serviços.

A promotoria requisitou informações da secretaria Municipal de Educação, que apresentou cinco contratos de prestação de serviços, supostamente referentes ao ano de 2017. Em reunião, ficou acordado que a prefeitura faria a contratação de mais três embarcações. O prazo encerrou em 17 de novembro e foi apresentado ao MPPA somente cinco contratos, sendo informado que o município não teria recursos para o pagamento de mais três, mesmo com o retorno das aulas agendado para 17 de novembro.

“Conclui-se, portanto, que o Secretário Municipal de Educação, negando-se a resolver a situação extrajudicialmente, pretende dar continuidade ao transporte irregular, com o risco de vida que correm os alunos, ou pretende impedir que mais de 30 (trinta) crianças e adolescentes matriculados na Escola Lauro Picanço frequentem as aulas, perdendo, assim, o ano escolar", ressalta a ACP.

A ação informa que de acordo com o Portal da Transparência, somente no mês de agosto de 2017 (último mês atualizado no sistema), o município de Oriximiná recebeu R$ 74.713,87, relativos ao Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar- PNATE. O valor acumulado durante o ano é de R$ 448.283,22, com obrigação de serem definidos ao transporte escolar. “O Estado não pode ficar inerte ante as exigências sociais, principalmente ao mínimo existencial à educação prescrito no artigo 6º da Constituição Federal, sob o argumento de ausência de recursos financeiros”, conclui a promotoria.

Fonte: Ascom/MPE
Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive