terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Faro: Justiça concede liminar em benefício do Conselho Tutelar e suspende sorteios


O aparelhamento do Conselho Tutelar é objeto de Ação Civil Pública ajuizada nesta terça- feira (19) por meio do promotor de justiça Alan Johnnes Lira Feitosa, contra o município de Faro, no Pará. Na mesma data, a justiça concedeu liminar requerida pelo MPPA e determinou a suspensão do sorteio promovido pela prefeitura no dia 27 de dezembro, que vai distribuir cerca de R$17 mil em prêmios, motocicleta e um carro 0 km, enquanto o Conselho padece à míngua, sem material e com uma Kombi deteriorada.

O juiz Luiz Gustavo Cardoso concedeu a primeira parte do pedido e determinou a imediata suspensão do bingo e da distribuição dos prêmios de corridas de cavalos, na festa de aniversário de 249 anos de Faro, prevista para o próximo dia 27, suspendendo, inclusive, as distribuições de brindes em dinheiro, veículos (carros e motos) e outros bens móveis.

A multa em caso de descumprimento é no valor de R$ 50 mil, que deverá ser pessoalmente suportado pela prefeita municipal Jardiane Viana, sem prejuízo da prática de crime de desobediência e improbidade administrativa. Em relação aos demais pedidos, o juiz intimou o representante judicial da ré a se pronunciar no prazo de setenta e duas horas, para depois apresentar sua decisão.

A promotoria relata as dificuldades que os Conselheiros enfrentam para sua atuação, pois não dispõem de estrutura básica para o funcionamento. “Já solicitaram da gestora municipal por diversas vezes que regularize a situação precária de atendimento à população, reivindicações estas que não foram atendidas em nenhum aspecto”, diz. As demandas também já foram colocadas em reunião do MP em abril, com representantes da prefeitura e conselheiros.

A maior dificuldade é com relação ao veículo, uma Kombi, parada desde setembro deste ano, forçando os conselheiros a usarem veículo próprio (moto) e arcando com o custo de combustível. Os Conselheiros deixam de atender situações de crianças em risco, em locais distantes, por não haver meios de locomoção para chegarem até o local.

Quando questionada, a prefeitura responde não dispor de recursos. “O que causa espanto é o fato de que muito embora a Prefeitura esteja constantemente mencionando que não possui recursos para órgãos estratégicos e importantíssimos como o Conselho Tutelar, tem-se visto que a atual Gestão Municipal realiza ostensivamente festas e celebrações ao verdadeiro estilo Romano do “Pão e Circo”, até mesmo em outros municípios, como, por exemplo, celebração do “Esquenta” do aniversário de Faro, pasme, na capital Amazonense, Manaus”, ressalta o promotor.

Com base nas demandas levantadas pelo MP ao verificar as necessidades para o funcionamento do Conselho, requer também como medida liminar, que seja determinado ao município, no prazo de 90 dias a realização, com o apoio do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), de pelo menos uma capacitação anual com os conselheiros Tutelares.

E que providencie e mantenha o Conselho com os seguintes itens: espaço adequado para a sede, com sala de recepção, três salas reservadas, banheiro e cozinha; mobiliário permanente; água, luz, telefone móvel para o plantonista; internet; computadores, impressora, câmera fotográfica, scanner e outros equipamentos necessários.

Ainda no mesmo prazo, promova formação continuada para os conselheiros, custeie despesas de diárias e transporte, quando necessário o deslocamento; transporte adequado, permanente e exclusivo para o exercício da função, incluindo sua manutenção, “podendo ser atendido, inclusive, com o carro que estava prestes a ser sorteado graciosamente em bingo”, sugere o MP.

A prefeitura deve também ser obrigada a providenciar segurança para a sede e seu patrimônio e fornecer mensalmente, por meio de requerimento, material de escritório e de limpeza. Em recursos humanos, requer disponibilização pelo menos um assistente administrativo, um de serviços gerais; dois motoristas e um office boy.

Ao final, o MP requer a condenação do município nas obrigações descritas, devendo reverter os valores e bens que seriam supostamente sorteados ou utilizados como prêmio, para as melhorias do Conselho Tutelar. Em caso descumprimento injustificado, sugere multa diária, a ser suportada pela prefeita municipal ou a quem vier a lhe substituir ou suceder, no valor de R$ 1 mil por dia de descumprimento, a ser recolhida em favor do fundo gerido pelo Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente. (MPE)
Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive