quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Governo do Pará cobra solução para oscilações da rede elétrica em Santarém




Oscilações, quedas de tensão e blecautes. Santarém, no oeste do Pará, voltou a apresentar sérios problemas na estrutura de energia elétrica fornecida pelo governo federal via Eletronorte. O sistema que abastece a região vem do linhão do Tramoeste que não está conseguindo suprir as necessidades de energia locais.

Atento, o Governo do Pará provocou uma audiência na última terça-feira (12), no Ministério de Minas e Energia, em Brasília. O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki – acompanhado do senador Flexa Ribeiro (PSDB/PA) e do deputado federal Joaquim Passarinho (PSD/PA) – reuniu com o secretário-executivo do Ministério, Paulo Pedrosa. Com eles, estavam diretores da Celpa, da Equatorial Energia e o presidente da Associação Comercial de Santarém, José Roberto Branco.

A comitiva paraense cobrou do Ministério a imediata entrada em operação de UTEs (Usinas Termoelétricas) para suprir de forma emergencial a demanda da população local. As usinas funcionariam até a construção e operacionalização de uma segunda rede de transmissão composta por 436 km de linhas e uma subestação de 300 MVA de potência. Trata-se de uma linha exclusiva, garantindo, assim, maior oferta de energia. A linha atual sai de Tucuruí, passa por Altamira, Rurópolis e só depois chega a Santarém. Segundo informações da Celpa, o linhão Tramoeste está em fase de esgotamento há alguns anos.

Em abril deste ano, o Ministério de Minas e Energia realizou um leilão para a construção de um novo linhão que aumentará a oferta de energia em Santarém e nos municípios do oeste do Pará. A Equatorial Energia, uma holding que controla a Cemar, no Maranhão, e a Celpa, no Pará, e tem importante participação no capital da Termoelétrica Geranorte, arrematou o lote 31 das Linhas de transmissão do Tramoeste. Com o leilão, a previsão é de melhorias para o fornecimento de energia em toda a região oeste e os empreendimentos terão prazo de 36 a 60 meses para entrar em operação.

Mas os problemas são urgentes e a região não pode esperar. A classe empresarial reclama da baixa qualidade da energia na região, dificultando o crescimento econômico e a geração de empregos. De acordo com José Roberto Branco, presidente da Associação Comercial e Empresarial de Santarém (ACES), “todos os dias, no período entre 14h e 16h, acontece o ‘afundamento de tensão’, que resulta em frequentes danos a equipamentos no comércio local e também em clínicas de saúde”. Segundo Branco, “empresas já perderam equipamentos caríssimos, como tomógrafos e aparelhos de ar condicionado, por conta dessa falha”. Para o presidente da ACES, “a intervenção do governo do Estado é importante porque o governo tem a força para reunir todos os segmentos interessados na solução desse problema”.

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, descartou a entrada imediata em operação das UTEs. Segundo ele, medições feitas anteriormente “demonstraram que não há necessidade urgente desse tipo de ação e que a ligação das UTEs representaria um custo desnecessário”. O senador Flexa Ribeiro contestou, dizendo que “as medições de demanda de energia foram feitas num momento bem anterior, de recuo da economia”. “Hoje a economia da região já esta reaquecida, é outro momento e a população, o comércio e a indústria estão necessitando de mais energia para crescer e desenvolver”.

Para o secretário Adnan Demachki, Santarém vive um momento de desenvolvimento, e “sem energia elétrica esse crescimento tende a estagnar”. “Não podemos voltar aos tempos anteriores ao Tramoeste, com apagões e blecautes, principalmente agora com o Pará gerando ainda mais energia para o Brasil, pois além de Tucuruí, temos a hidrelétrica de Belo Monte”, disse o secretário. “Precisamos de medidas, de soluções urgentes para que um dos maiores e mais importantes municípios paraenses, bem como sua população, não sejam ainda mais penalizados”, defendeu.

O secretário-executivo anunciou que no dia 4 de janeiro, já na primeira reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), o problema de Santarém será objeto de pauta, inclusive com a proposta de entrada em operação das UTEs no menor espaço de tempo possível.

Fonte: Agência Pará
Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive