domingo, 25 de março de 2018

Lideranças fogem de assentamento do Incra após ameaças de morte no Pará

Francisco Firmino Silva, 68, liderança do assentamento Montanha e Mangabal, pendura placa no limite da área, no município de Itaituba (PA), após receber ameaças, ele fugiu da região. Foto: Fabiano Maisonnave

Após expulsar garimpeiros ilegais, duas lideranças de comunidades ribeirinhas sofreram ameaças de morte e fugiram de um assentamento do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) na região de Itaituba, oeste do Pará.

Francisco Firmino Silva, 68, e Ageu Lobo Pereira, 36, têm liderado um processo de autodemarcação do PAE (Projeto de Assentamento Agroextrativista) Montanha e Mangabal. Apesar de criado em 2013, o Incra não fez até agora a delimitação da área, que sofre com a invasão de garimpeiros de ouro e madeireiros.

Em novembro do ano passado, a reportagem da Folha acompanhou uma etapa da demarcação, feita pelos ribeirinhos com a ajuda de guerreiros mundurucus. O processo consiste em abrir picadas na divisa do PAE e pendurar placas pintadas à mão contra invasores onde deveriam estar marcos do Incra.

Na mata, a expedição encontrou garimpeiros ilegais trabalhando dentro do PAE. Após o flagrante, Pereira solicitou que eles se retirassem da área.

Em conversa por telefone nesta quinta-feira (22), ele disse não ter dúvidas de que as ameaças estão ligadas à autodemarcação, que também encontrou estradas clandestinas de madeireiros.

“Os garimpeiros foram expulsos e estão revoltados. Essa ameaça vem de muito tempo e agora está chegando cada vez mais perto”, afirmou a liderança, que escapou no último domingo (18) com a ajuda da CPT (Comissão Pastoral da Terra), após ser informado de que havia uma emboscada para ele.

O caso já foi apresentado ao Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos do governo federal. Como evidência, as lideranças têm em mãos o áudio de uma gravação telefônica na qual um motorista de ônibus da região diz a Pereira que há garimpeiros interessados em matá-lo.

O PAE tem cerca de cem famílias cadastradas e uma área de 54,4 mil hectares. Os moradores são, na definição local, beiradeiros: vivem às margens do rio Tapajós e descendem de famílias estabelecidas há pelo menos 150 anos.

A principal atividade econômica da região de Itaituba é o garimpo de ouro, feito tanto em terra como por meio de dragas. Muitos moradores do PAE prestam serviços aos garimpeiros, incluindo venda de alimentos e roupas, e alguns trabalham diretamente com a exploração de ouro.

A família de Pereira mora na área do PAE há sete gerações. É a primeira vez que ele teve de deixar o lugar onde nasceu por problema de ameaça.

“Não é fácil a gente largar a colônia da gente, a família”, diz a liderança, que pretende voltar para casa caso consiga proteção policial. “É muito doído isso, muito difícil.”

Por: Fabio Maisonnave I FSP
Compartilhar:

0 comentários:

DESTAQUE:

Navio-hospital Abaré retoma atendimento às comunidades ribeirinhas

Após quase um ano sem fazer viagens, o navio-hospital Abaré está nas águas novamente, na região do rio Arapiuns, com uma equipe de saúde pa...

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive