quarta-feira, 2 de maio de 2018

MRN inicia campanha prevenção e combate à malária

Em maio, a Mineração Rio do Norte (MRN) dá início ao primeiro ciclo do projeto de Combate à Malária. A segunda etapa será realizada em outubro. Executada há 19 anos, a iniciativa compreende um raio de ação de mais de 100 km e alcança comunidades quilombolas e indígenas do Alto Trombetas, atingindo, anualmente, uma população de 3500 pessoas. O projeto é parte do Programa de Educação Socioambiental (PES), desenvolvido pela MRN em atendimento a condicionantes estabelecidas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA).

A malária é uma das doenças que mais matam em todo o mundo e a sua transmissão ocorre por meio da picada da fêmea do mosquito do gênero Anopheles, conhecido como mosquito-prego, que se infecta ao sugar o sangue de uma pessoa doente.

O controle da doença é feito a cada seis meses, considerando os períodos em que as condições climáticas favorecem reprodução do mosquito. Mediante permissão do morador, a equipe responsável pelo projeto aplica inseticida nas paredes internas das casas, do chão até o teto. Nas áreas externas, é feita aplicação do fumacê. Essas ações tem a finalidade de atingir e matar principalmente os mosquitos infectados e, assim, evitar que transmitam a doença.

O coordenador de contratos de Saúde Pública da MRN, Edmundo Barbosa explica que o sucesso da inciativa é uma responsabilidade compartilhada. “A participação da comunidade é fundamental. Os moradores precisam ficar atentos à programação da campanha para receber os agentes e, mesmo que o dono da casa não possa estar presente no momento da atividade, é preciso deixar uma pessoa autorizada a permitir a entrada da equipe de saúde. Quando uma casa não recebe a borrifação, toda a comunidade fica vulnerável”.

O projeto de Combate à Malária ainda realiza ações educativas como palestras e distribuição de folhetos com orientações sobre como evitar a propagação do mosquito e tratamento adequado. “O controle de vetor tem que ser constante para que a doença não retorne”, reforça Edmundo.


O controle da doença é feito a cada seis meses - em maio e outubro – para conter o ciclo de vida e reprodução do vetor, o mosquito Anopheles

Fonte: Divulgação / MRN
Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive