domingo, 21 de outubro de 2018

5 mil processos de exploração mineral pressionam áreas protegidas e terras indígenas na Amazônia

Área danificada por mineração no Parque Nacional do Tumucumaque, no Amapá. Foto: Zig Koch / WWF
Ao cruzar dados de títulos minerários ativos com as Unidades de Conservação e Terras Indígenas do país, a organização ambiental WWF-Brasil encontrou sobreposição de 5.675 pedidos de pesquisa e até autorizações de lavras. O estudo alerta para as pressões de setores de mineração e garimpeiros ilegais para que as áreas sejam reduzidas, alteradas ou extintas.

Foram utilizados dados da própria Agência Nacional de Mineração (ANM), responsável por autorizar a atividade mineral em todo o país e apesar de afirmar, aos responsáveis pelo estudo, que o bloqueio é automático quando há sobreposição, apenas 24% dos pedidos de lavras, pesquisa e exploração mineral foram de fato bloqueados em unidades de proteção federal, 46%, nas UCs estaduais e 76% nas Terras Indígenas. O restante dos títulos são considerados ativos ou em áreas de futura disponibilidade para mineração.

“Num momento em que aumentam as pressões para impedir a criação e reduzir o tamanho e o status de proteção de Unidades de Conservação no país, a existência de pedidos de pesquisa e autorizações de lavra, ainda que suspensas, representam um risco potencial”, destaca o diretor executivo do WWF-Brasil, Maurício Voivodic.

Segundo o levantamento, Roraima concentra grande parte dos interesses minerários. A Unidade de Conservação Parque Nacional do Monte Roraima, na fronteira do Brasil com a Venezuela e Guiana tem uma área de 447 quilômetros quadrados, o equivalente a 40% da área total, sobreposta por registros em diferentes estágios. Os parques nacionais do Jamanxim e Serra do do Pardo, no Pará, aparecem em seguida no ranking feito pela organização ambiental.



Fonte: WWF

A Terra Indígena Yanomami, em Roraima, possui quase cem pedidos que alcançam uma área de 11 mil quilômetros quadrados. Além da ameaça de quase 10% do território, os indígenas já denunciaram atividades de garimpo ilegal no território. A Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, aparece na sequência no ranking das terras indígenas mais ameaçadas.

Protegidos pela Constituição, os indígenas têm assegurada a posse de suas terras e a exploração dos minerais só pode ser realizado com autorização do Congresso Nacional e consulta prévia à comunidade, mas há pressões no Congresso para que o acesso às empresas seja facilitado, como Projeto de Lei do Senado 121/95 do senador Romero Jucá (MDB-RO). “Se aprovado, o projeto colocará em risco a floresta e os modos tradicionais de vida dos povos indígenas”, prevê Jaime Gesisky, especialista em Políticas Públicas do WWF-Brasil, coordenador do estudo.

Leia o estudo na íntegra

Fonte: Amazônia.org.br
Compartilhar:

0 comentários:

PONTO FINAL

DESTAQUE:

Alcoa tem projetos de neutralização de emissões no Brasil inseridos no prêmio Global ReLeaf 2019

Quatro projetos de neutralização das emissões de CO2 desenvolvidos pela Alcoa no Brasil estão entre os dez escolhidos para o prêmio Globa...

Amazônia Protege

Publicidade:

Publicidade:

Quem somos

O Blog Quarto Poder está no ar desde: 23/02/2007

O Quarto Poder é um blog jornalístico voltado para divulgação de notícias de interesse público.

Artigos e crônicas assinados são de responsabilidade de seus autores e nem sempre refletem a opinião do Blog.

Jornalistas Responsável:

Renata Rosa

Fale com a gente:

Contatos: (93) 98128-1723 - 99131-2444

E-mails: m_santos1706@hotmail.com / m_santos170676@hotmail.com

FALE CONOSCO:


Quarto Poder

Marcadores

Blog Archive