Pular para o conteúdo principal

Ex-superintendente do Incra de volta à cadeia

Já retornou ao Centro de Recuperação Agrícola 'Silvio Hall de Moura', em Cucurunã, em Santarém, no oeste do Pará, Luiz Bacelar Guerreiro Júnior, ex-superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Ele foi preso pela Polícia Federal, na noite desta quinta-feira (7), no município de Oriximiná, por determinação da 2ª Vara da Justiça Federal de Santarém.

Bacelar estava solto desde o fim do ano passado, quando sua defesa conseguiu, em Belém, um alvará de soltura.

No último dia 30, o Ministério Público Federal (MPF) informou que entraria com recursos contra decisões judiciais que concederam liberdade a dois dos principais alvos de operações realizadas no último ano contra desmatamento no oeste do Pará: Luiz Bacelar e Giovany Marcelino Pascoal.

A Polícia Federal ainda tenta localizar mais três acusados da Operação Madeira Limpa, que estão foragidos, mas com prisões decretadas pela Justiça.

Luiz Bacelar, ex-superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Santarém, estava preso desde agosto deste ano. Ele foi preso durante a operação Madeira Limpa, que desmontou quadrilha acusada de coagir trabalhadores rurais a aceitarem a exploração ilegal de madeira dos assentamentos do oeste paraense em troca da manutenção de direitos básicos, como o acesso a créditos e a programas sociais.

Denúncia contra Bacelar e mais 29 acusados foram encaminhadas pelo MPF à Justiça também em setembro. Os crimes denunciados são estelionato, falsidade ideológica, receptação ilegal, corrupção passiva e ativa, apresentação de documentos falsos, violação de sigilo profissional, advocacia administrativa e crimes ambientais. As penas para esses crimes chegam a até 12 anos de prisão e multa, e podem ser aumentadas por conta da quantidade de vezes que os crimes foram cometidos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Veja fotos do apartamento onde Chorão foi encontrado morto

Imagens obtidas pela imprensa paulista mostram o estado que estava o apartamento do cantor Chorão, do  Charlie Brown Jr, , encontrado morto na madrugada desta quarta-feira (6). Nas fotos é possível ver que o imóvel estava bastante danificado, além de uma grande quantidade de embalagens de bebidas alcoólicas encontradas. Ao deixar o apartamento de Chorão, o delegado Itagiba Vieira, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), disse que o imóvel estava muito danificado, num "processo de deterioração". Itagiba acredita que os danos tenham sido feitos pelo próprio cantor, já que o corpo foi encontrado com um dedo machucado e havia marcas de sangue no local. “Não tem nada que estivesse no lugar. Ele estava machucado no dedo, arrancou parte de uma unha, o que pode explicar as marcas de sangue na parede”, disse o delegado. O delegado Itagiba Vieira, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), disse nesta quarta-feira (6), que não acredita que o vocalis

Operação da PF em Itaituba procura por foragido suspeito de fazer escolta de garimpeiros

  Deflagrada na manhã de ontem (21) , no município de Itaituba, no sudoeste do Pará, a operação ‘Divitia’, da Polícia Federal, continua atrás de um homem suspeito de fazer escolta de máquinas e garimpeiros para dentro de uma área da terra indígena Munduruku. O suspeito tem contra si, um mandado de prisão temporária expedido pela Justiça Federal de Itaituba. Veículos de luxo foram apreendidos pela PF durante a operação realizada na quarta-feira. Foto: Divulgação/PF As investigações da PF apontam para a possível utilização de helicópteros com homens fortemente armados dentro deles para garantir a entrada de máquinas pesadas e pessoas para uma região conhecida como Igarapé Baunilha, no interior de Terra Indígena, no município de Jacareacanga, para a instalação ou ampliação de garimpos ilegais. Na ação realizada na quarta-feira (21), foram apreendidos dois carros de luxo, uma BMW Z4 e um Chevrolet Camaro SS, além de documentos e um aparelho celular , encaminhados para o Posto da P

Apartamento de Chorão estava revirado e com manchas de sangue

A polícia encontrou o apartamento do cantor Alexandre Magno Abrão, 42, conhecido como Chorão, vocalista da banda Charlie Brown Jr., todo revirado e com manchas de sangue. As autoridades, porém, dizem acreditar que o cantor não tenha sido assassinado. Delegado diz que morte de Chorão 'aparentemente não foi homicídio' Chorão, do Charlie Brown Jr., é encontrado morto em SP Charlie Brown Jr. faria show em São Paulo no dia 6 de abril De acordo com o delegado Itagiba Franco, do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa), o cantor estava com a mão machucada e as marcas de sangue no apartamento provavelmente eram desse ferimento. O apartamento, uma cobertura na rua Morás, em Pinheiros (zona oeste de SP), estava mal conservado havia algum tempo e tinha os móveis revirados e alguns objetos quebrados. De acordo com testemunhas, Chorão chegou ao apartamento na última segunda-feira (4) e não saiu mais do local. A polícia acredita que a morte tenha ocorrido de segunda para