Últimas Notícias

MRN realiza diagnóstico socioeconômico de agricultores


Com o intuito de traçar um perfil e caracterizar a situação socioeconômica das famílias que fazem parte dos projetos de Apoio a Sistemas Agroflorestais (SAFs) e de Agricultura Familiar está sendo realizada uma pesquisa de diagnóstico com os agricultores. O trabalho que começou em maio deverá ser finalizado até o final julho. Até o momento, foi feito um levantamento da realidade de 33 famílias, sendo 17 do SAFs e outras 16 do projeto de Agricultura Familiar. 

Por meio de questionário estruturado, foram realizadas visitas e entrevistas com famílias das comunidades Camixá, Casinha, Boa Nova, Saracá e Ascenção. Foram levantadas informações socioambientais, socioeconômicas, sobre organização social e o impacto dos projetos na vida dos agricultores. “O diagnóstico socioeconômico é muito importante, pois possibilita entender a situação atual de cada família e monitorar o seu desenvolvimento, considerando-se vários quesitos como: escolarização, fontes de renda familiar, condições de moradia, expectativas, dentre outros”, ressalta a analista de Relações Comunitárias da MRN, Genilda Cunha.

As informações vão subsidiar o planejamento de ações do programa para os próximos anos, de acordo com as demandas reais dos agricultores. “As próximas etapas consistem na realização de visitas técnicas para avaliar a situação atual das propriedades rurais e propor melhorias para os cultivos, e na realização de oficinas, cursos e capacitações para aumentar a produtividade e a variedade de cultivos, que foram demandas apresentadas pelos agricultores durante o diagnóstico”, explica a consultora, Juliana Melo.
Até o final do ano, será realizado levantamento, mapeamento e a geração de um banco de dados para o diagnóstico socioeconômico de todos os projetos que compõem o PES.

Os projetos do SAFs e Agricultura Familiar integra o Programa de Educação Socioambiental (PES), que é realizado em atendimento às condicionantes, regulamentadas pelo IBAMA, para o licenciamento ambiental.



Fonte: Divulgação / MRN

Postar um comentário

0 Comentários