Últimas Notícias

OPERAÇÃO SALDO ZERO - Subchefe da Casa Civil do Pará é um dos presos



A Controladoria-Geral da União (CGU), a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) deflagraram nesta quarta-feira (27), a Operação Saldo Zero, no Estado do Pará. O objetivo da força-tarefa é apurar a atuação de organização criminosa responsável por desviar recursos públicos destinados a projetos de pesquisa, transferidos pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) à Fundação de Apoio à Pesquisa, Extensão e Ensino em Ciências Agrárias (Funpea). 

Foram cumpridos sete mandados de prisão temporária e 11 de busca e apreensão em Belém e Ananindeua(PA). Durante a operação foi preso Jardel Rodrigues da Silva, atual  subchefe da Casa Civil do governo do Estado, que na ausência do titular, Parsifal Pontes, tem assumido a Casa Civil e inclusive assinado nomeações para cargos DAS e contratos do governo do Pará. 

A investigação, iniciada em 2018, teve origem a partir de denúncia da Reitoria da UFRA, que ao implementar controles internos recomendados pela CGU, identificou fraudes em extratos bancários apresentados pela Funpea. A CGU também realizou auditoria que constatou que dos R$ 23 milhões repassados à Funpea, entre 2014 e 2018, nenhum dos objetos previstos em 16 projetos examinados foram concluídos, sendo que a maioria sequer foi iniciada. Além disso, não existe perspectiva de conclusão dos projetos em virtude da situação de insolvência da Fundação.

Jardel Rodrigues da Silva era o titular da superintendência da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), ele nomeado pelo então ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, indicado pelo ex-deputado Chapadinha. Os servidores da Ufra e da Funpea Ildenir do Carmo Vaz Vasques Silva, Carlos Albino de Figueiredo de Magalhães, Benedito Gomes dos Santos Filho, Wilson José de Melo e Silva, Jandira Pires Bessa e Joely Patrícia Machado de Oliveira são os outros alvos da operação, que envolve também empresários.

A organização criminosa é composta por servidores ativos da UFRA, eleitos para cargos de direção da Funpea; sócios de empresas fornecedoras de bens e serviços; e funcionários da Fundação. De acordo com as investigações, os recursos eram desviados principalmente pela contratação de empresas ligadas a funcionários da Funpea por meio de licitações direcionadas. Somente uma empresa “de fachada” vinculada a ex-empregados recebeu pagamentos que totalizam R$ 12.035.399,64 para prestação de serviços de assessoria, porém não comprovados.

A operação contou com a participação de 12 auditores da CGU, além de policiais federais e servidores do MPPA.

O nome Saldo Zero faz referência aos valores encontrados nas contas correntes dos projetos, cujos recursos foram integralmente desviados pela organização criminosa.

Com informações da Controladoria Geral da União

Postar um comentário

0 Comentários