Últimas Notícias

Leilões: a bola da vez no mercado imobiliário


Adquirir uma casa ou apartamento em leilão pode ser um ótimo negócio.
Na hora de comprar imóveis no Rio de Janeiro – ou em qualquer região do país – a primeira atitude a ser tomada é começar uma pesquisa por aquilo que você deseja. Algumas pessoas já decidiram o estilo de casa que querem e quanto estão dispostas a pagar.

Geralmente, a forma mais simples de adquirir um novo imóvel é se dirigir a uma imobiliária e começar as visitas aos lugares que mais chamaram a atenção. No entanto, se você busca por alternativas e quer gastar um pouco menos, pode investir também nos leilões, uma situação que vem crescendo muito no mercado imobiliário.

O que é um leilão de imóveis
Um leilão é uma forma de adquirir bens por um preço um pouco mais abaixo da média de mercado. Neste caso, os imóveis que fazem parte do leilão pertenceram a pessoas que fizeram um financiamento e não conseguiram pagar as parcelas. A casa ou apartamento foi então tomado pelo banco e vai a leilão para que outros interessados possam adquirir.

A grande diferença em relação a compra tradicional é que não existe um comprador e um vendedor. O imóvel é colocado em leilão judicial e as pessoas interessadas dão seus lances. Um juiz determina se o imóvel será ou não arrematado por aquele valor. Geralmente, a pessoa que dá a melhor oferta fica com a casa ou apartamento leiloado.

Como funcionam os leilões
Existem dois tipos de leilões, os judiciais e os extrajudiciais. Os judiciais já se auto explicam, são realizados dentro de um processo judicial, com um juiz por trás de toda a ação. Já os extrajudiciais são aqueles realizados pelos bancos e instituições financeiras, nos casos de inadimplência do contrato de financiamento.

Os leilões judiciais costumam dar menos dor de cabeça, já que o próprio juiz responsável é quem vai se encarregar da entrega do imóvel e conceder um prazo para o ocupante atual do imóvel deixar o lugar – e caso isso não ocorra, será forçado a entregar a casa ou apartamento.

Nos casos dos leilões extrajudiciais, o banco apenas repassa o imóvel para a pessoa que realizou o maior lance. Porém, a responsabilidade de entrar em contato – e realizar um possível processo de despejo – é toda da pessoa que adquiriu o imóvel.

Sabendo quais são os tipos de leilão, seu funcionamento é bastante simples. As pessoas interessadas buscam pela licitação do leilão e começam a dar seus lances. Geralmente há um valor mínimo estipulado e não se pode aceitar menos do que isso. Quem der a melhor oferta fica com a casa ou apartamento em questão.

Em média, o valor mínimo estipulado pelo juiz para dar início ao leilão fica entre 40% e 60% do valor total do imóvel. Um valor bem abaixo daquele estipulado pelo mercado para outros imóveis no mesmo padrão.

Como participar de um leilão
O processo para participar de um leilão de imóveis é mais simples do que parece. Primeiro é preciso acessar o site da empresa responsável pelo leilão e realizar seu cadastro. Depois que estiver habilitado, você estará pronto para dar seus primeiros lances.

Caso dê o lance vencedor, receberá informações sobre os documentos necessários para adquirir o imóvel, forma de pagamento e informações relativas à existência de um morador no local. Aí é preciso seguir os procedimentos de acordo com o tipo de leilão.

Dicas para não cair em ciladas
Apesar dos leilões serem uma ótima forma de conquistar o tão sonhado imóvel, é preciso ter alguns cuidados para evitar ciladas e dores de cabeça futuras.

· Saiba os preços médios dos imóveis

Se você se interessou por apartamentos à venda no Rio de Janeiro, mas deseja adquirir o seu através de um leilão, antes de começar a dar lances dê uma olhada nos preços do mercado. Quando se trata de um imóvel com muitos interessados, o valor pode acabar ficando mais alto, deixando de ser atrativo.

Também conte com alguém que possa fazer uma avaliação do imóvel que está sendo leiloado, assim você consegue perceber se há um desconto real e se o investimento é válido.

· Prefira imóveis já desocupados

Busque se informar se ainda há alguém morando na casa ou apartamento que está sendo leiloado, principalmente quando se trata de leilões extrajudiciais. Tenha em mente que o antigo proprietário não está contente com a ideia de deixar seu imóvel e pode oferecer resistência para deixar o local.

E, como você leu anteriormente, no caso dos leilões extrajudiciais, toda a responsabilidade, de falar com o antigo proprietário e pedir que deixe o imóvel, é sua. Inclusive os custos com possíveis ordens de despejo.

Em um imóvel já desocupado não há essa preocupação. Mesmo para quem optou pelos leilões judiciais, pois já pode mudar para a nova propriedade assim que entrega toda a documentação.

· Atenção ao edital

Todo leilão conta com um edital, explicando todo o processo. Não ignore este documento e leia com atenção antes mesmo de começar a dar seus lances.

Ali você terá acesso a informações como: data em que o leilão ocorre, de quem será a responsabilidade do pagamento dos impostos, quem está leiloando e até do estado de conservação da casa ou apartamento.

· Considere custos extras

Por mais que o valor do imóvel esteja abaixo do mercado e exista uma chance do seu lance – mais baixo – ser escolhido, lembre-se sempre de considerar possíveis custos extras. Terá que reformar a casa? Que dívidas estão atrasadas e precisam ser pagas? (IPTU, água, condomínio).

Esta dica, inclusive, está diretamente ligada com a anterior, pois você terá acesso a essas informações no edital do leilão. Quando está escrito ali que todos os impostos e dívidas serão de responsabilidade do novo proprietário e que o imóvel está em estado razoável de conservação, o barato pode sair caro e o melhor é desistir do leilão.

· Conte com um advogado

Como envolve um imóvel que foi retirado de outra pessoa, por falta de pagamentos, o ideal é ter um advogado para acompanhar todo o processo do leilão. Ele irá verificar quem era o antigo proprietário e se já existem processos judiciais, que ainda estão em andamento, contra esta pessoa.

O antigo proprietário também tem o direito de recorrer a justiça e questionar o leilão e aí será preciso solicitar o dinheiro investido de volta, já que todo o processo do leilão poderá acabar anulado.

Como você pode ver, leilões são interessantes para adquirir um imóvel por valores abaixo do mercado, ainda assim, todo cuidado é necessário para evitar dores de cabeça futuras.

Fonte: Comparaja 

Postar um comentário

0 Comentários