Últimas Notícias

Prefeitura ignora existência do Plano Estratégico de Turismo de Santarém


O vereador Valdir Matias Jr. (PV), usou a tribuna da Câmara de Vereadores de Santarém, no oeste do Pará, durante a sessão desta segunda-feira (21), para manifestar surpresa e preocupação com um convite que recebeu em seu gabinete convidando-o para participar da oficina pública de construção do plano municipal de turismo, que será realizada nesta terça-feira (22), no auditório do Centro de Informação e Educação Ambiental (CIAM). A surpresa do parlamentar se dá por causa da existência do Plano Estratégico de Turismo Santarém/Belterra, lançado no dia 25 de junho de 2015, durante as comemorações de aniversário de 354 anos da Pérola do Tapajós. A preocupação dele é pelo total desconhecimento dos atuais gestores da pasta e da própria administração municipal do Plano Encontro, elaborado pelo Estado e Município para nortear os rumos do turismo nos dois municípios para os próximos anos.

No ofício assinado pelo secretário municipal de Turismo, Diego Pinho, o documento justifica a realização da oficina. Em um dos trechos, menciona que “a oficina pública para a construção do Plano Municipal de desenvolvimento do Turismo, além de fazer parte do processo básico de construção de plano público municipal, o qual deve ser realizado com oficinas abertas para a participação de toda a sociedade, tem uma grande importância, uma vez que permite que a comunidade civil organizada participe dando suas considerações para nortear as futuras ações e diretrizes de todo o trade turístico da cidade, tais como: bares, restaurantes, hotéis e todos os equipamentos turísticos, sendo eles do setor privado e do público, que trabalham na área de Santarém”.

Para Valdir, já existe um Plano que definiu ações específicas para o setor turístico de Santarém e Belterra. O Plano Estratégico é dividido em três fases distintas. A primeira foi realizada com os operadores, o trade turístico e quem utiliza os serviços, caracterizou-se por um diagnóstico completo da situação atual do turismo em Santarém e Belterra, como fundamento para identificar as oportunidades, ameaças, pontos fortes e pontos fracos para o desenvolvimento do setor na região. Neste sentido, foram analisados os seguintes aspectos: a situação atual do Turismo, a situação atual da região nos canais de venda, a situação da oferta turística, a opinião interna, a opinião externa e a Política de Turismo. A segunda fase buscou definir a estratégia baseada nas conclusões da análise da primeira e a terceira fase estabeleceu os planos operativos de desenvolvimento e marketing com os projetos e ações para alcançar as metas e objetivos previstos na fase II.

O líder do PV, que na gestão do ex-prefeito Alexandre Von foi secretário de Desenvolvimento e Turismo, e um dos responsáveis pela elaboração do Plano Encontro, mostrou-se bastante preocupado com essa proposta do atual governo, uma vez que demonstra que o Plano Estratégico de Turismo, elaborado em parceria com o governo do Estado, foi feito seguindo os padrões internacionais e seguiu levantamento técnico de alto nível, está sendo totalmente ignorado pela Prefeitura, na gestão do prefeito Nélio Aguiar. “Eu faço um alerta aos pares desta Casa para que fiquem atentos com a proposta de criação deste Plano. Eu particularmente não concordo. O Plano Encontro, feito pela empresa Chias Marketing, responsável também pelo Plano Ver-o-Pará (Plano Estratégico de Turismo do Pará), e pelos Planos de Barcelona e Montevidéu, foi todo feito por consultores técnicos altamente capacitados. A Secretaria Municipal de Turismo não tem pessoal técnico qualificado para fazer um plano desta envergadura. Além disso, é preciso que se justifique o motivo pelo qual o Plano Encontro, lançado no governo passado, está sendo ignorado. Se for para atualizar ou revisar, ainda assim precisa de uma boa justificativa. Agora, criar um novo plano, não faz o menor sentido”, alertou o vereador.

Plano Estratégico de Turismo Santarém e Belterra

O Plano Encontro, lançado em junho de 2015, prevê como metas a serem alcançadas até o ano de 2025: triplicar o volume total de turistas; multiplicar por 13 o volume de turistas estrangeiros no Tapajós; sextuplicar a receita turística; aumentar em 150% a oferta hoteleira e aumentar a presença da oferta turística do Tapajós nos mercados nacionais e internacionais. A visão para o ano de 2025 é que todos reconheçam o Tapajós como sendo a melhor experiência turística da Amazônia, reconhecido pela singularidade de seus atrativos, pela excelência de suas ofertas de natureza e pelo conjunto diferenciado e qualificado de atividades e serviços integrados ao ambiente e ao modo de vida amazônico.

Para alcançar as metas, serão realizadas 37 ações do Programa de Estruturação do Destino, entre as quais: a promoção da qualidade ambiental e o ordenamento urbano, a sinalização turística, o projeto Orlas do Tapajós e melhoria dos acessos. Além destas, serão realizadas 30 ações do Programa de Produtos Turísticos, entre as quais: a segmentação de produtos, bancos de conteúdos e informações e serviço e equipamentos. O Plano, também, destaca oito ações do Programa de Gestão em Turismo: gestão do turismo sustentável, passaporte Destino Verde e regulação de serviços e equipamentos.

O Plano também pretende estabelecer uma nova identidade turística do destino, com a definição de projetos de promoção nos mercados e programas para monitoramento permanente da demanda e dos resultados da gestão. Para que isso aconteça, o setor de Marketing e Comunicação deve estar afinado, com Programas voltados para a Comunicação, Promoção e Competitividade e Inovação.

Postar um comentário

0 Comentários