Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo ANP

Foz do Amazonas desperta interesse de petroleiras

A disputa pelos blocos da Ba­cia da Foz do Amazonas, no ex­tremo norte do País, promete ser a mais acirrada da 11ª roda­da de licitação de blocos exploratórios de óleo e gás, que será promovida pelo governo fede­ral em maio. O motivo é a des­coberta, no litoral da vizinha Guiana Francesa, praticamen­te ao lado da bacia brasileira, de grandes reservatórios ex­ploráveis de petróleo. Em sigilo, as grandes petrolei­ras articulam sociedades para concorrer às áreas ofertadas pe­la Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). De olho no súbito inte­resse despertado nas compa­nhias pelas jazidas de óleo e gás presumivelmente escondidas no subsolo marinho do litoral do Amapá, o governo aumentou de 172 para 289 os blocos a serem leiloados. Das 117 novas áreas, 65 estão na Bacia do Foz do Amazo­nas, o início da chamada mar­gem equatorial brasileira. A formação de consórcios pa­ra explorar a bacia tem mobiliza­do os executivos das petroleiras desde o ano passado. Esse pro­ce

Comércio ilegal de gás de cozinha prolifera no planalto

A denúncia foi encaminhada ao QP no início desta semana por comerciantes que moram na região do planalto santareno e que seguem as normas de segurança estabelecidas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Preocupados com a concorrência desleal e também com os riscos que essa atividade oferece aos consumidores, os donos de estabelecimentos comerciais legalizados pelo órgão regulador decidiram denunciar a proliferação do comércio clandestino, que além de gerar prejuízo aqueles que se enquadram à lei, é nocivo também à segurança da população. A venda clandestina, no entanto, não é peculiaridade apenas nas regiões afastadas da zona urbana. Em diversos bairros da cidade, os flagrantes desta ilegalidade estão por todos os lados. De acordo com a denúncia, os pontos de revenda irregulares de gás de cozinha no município se ampliam por uma série de fatores, sendo a falta de fiscalização o principal deles. Vale ressaltar que a comercialização, o armazenamento e o transporte do produto sem auto