Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Arcon

Arcon propõe à Sinart adequações no terminal rodoviário de Santarém

A diretoria da Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Pará (Arcon) recebeu nesta quarta-feira (9) representantes da Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico em Belém (Sinart) para tratar sobre os terminais rodoviários que a empresa administra no Pará.  Para Santarém, a Arcon propôs adequações físicas e estruturais, como instalação de rampas de acesso, banheiros e plataforma de acordo com as normas técnicas federais; reforma na caixa d’água; implantação de guarda-volumes e dedetização; e maior controle no acesso ao terminal por veículos particulares, que acabam atrapalhando o fluxo dos ônibus. O diretor de terminais da Sinart, Pedro Azevedo, se comprometeu em atender as solicitações o quanto antes.  “É extremamente necessária a atuação conjunta entre o poder concedente e a concessionária. A Arcon tem se mostrado preocupada em atender os usuários dia após dia, e a Sinart se coloca à disposição para o bom andamento do sistema de transporte, sempre cumpri

Donos de barcos denunciam Arcon em Santarém

A Agência de Regulação de Serviço Público do Estado do Pará (Arcon) está sendo denunciada por empresários do ramo náutico por favorecimento a duas empresas que detêm a concessão para explorar a linha fluvial entre os municípios de Santarém e Oriximiná. A denúncia partiu do empresário Leandro Silva, que já teve vários pedidos indeferidos pelo órgão regulador para operar naquele trecho.  Segundo ele, o argumento da Arcon é sempre o mesmo, de que não há necessidade de novas empresas atuando neste trajeto. A pessoa pode até entrar nesta rota, mas em horário diferenciado ao das empresas que hoje se servem dessa linha.  O empresário informou que as empresas que pretendem operar na rota vão ingressar com um mandado de segurança na Justiça tentando furar esse bloqueio imposto pelo órgão estadual às demais embarcações. “Existe um protecionismo e uma atitude ilegal da Arcon, que não permite a livre concorrência, obrigando as pessoas a utilizarem apenas dois barcos para se locomover de uma cida