Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Floresta Nacional do Tapajós

Sistema de água potável chega à aldeia Takuara, na Floresta Nacional do Tapajós

A espera durou mais de três décadas. Nesta quarta-feira (20), as quarenta e quatro famílias indígenas comemoraram a conclusão das obras de construção do sistema de abastecimento de água. Agora, os moradores indígenas tem acesso à rede com água potável. "Perdemos 12 índios em trinta dias" lamentou o presidente da Confederação dos Moradores da Floresta Nacional do Tapajós, no oeste do Pará, sobre a morte de indígenas devido a contaminação da água usada na aldeia, localizada na floresta amazônica. Por muitos anos, os povos tradicionais dessa região usavam o líquido retirado de uma cacimba (buraco aberto manualmente pelos moradores). Com alto índice de contaminação, alguns indígenas acabaram morrendo devido a ingestão do líquido. Os episódios serviram de incentivo para que eles buscassem novas formas de captação de água e apoio. Apesar da luta, não desistiram e acreditaram na possibilidade de um dia ter água encanada de qualidade. A esperança deu certo: "Ao longo de tri

Câmeras decifram ritmo sazonal da fotossíntese na floresta amazônica

Uma pesquisa recente explica a sazonalidade na fotossíntese da floresta na Amazônia Central. Liderado por Jin Wu durante seu doutorado na Universidade do Arizona, o estudo usou uma combinação de câmeras e dados de fluxo de gás carbônico entre a atmosfera e a floresta, registrados pelas torres do Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA), coordenado pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI). “Já era conhecido que o gás carbônico da atmosfera é fixado pela floresta com maiores taxas no fim da estação seca e no início da chuvosa, e fixado com taxas menores no final da estação chuvosa e no início da seca”, diz o pesquisador do Inpa e coautor do artigo, Dr. Bruce Nelson. Segundo o pesquisador, a novidade está em demonstrar que esta sazonalidade da fotossíntese não ocorre apenas em função da variação da luz, da temperatura ou da umidade ao longo do ano. “Nos meses mais secos (entre junho e novembro) a floresta exibe uma troca acelerada das folhas