Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo IBGE

Brasil já tem 206 milhões de habitantes. Pará 8,27 milhões moradores

O Brasil tem 206,08 milhões de habitantes, segundo dados divulgados hoje (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estimativas publicadas no Diário Oficial da União indicam que o país tinha, em 1º de julho deste ano, 206.081.432 habitantes. No ano passado, a população era de 204.450.649. São Paulo, o estado mais populoso do país, tem 44,75 milhões de habitantes. Mais cinco estados têm populações que superam os 10 milhões de habitantes: Minas Gerais (21 milhões), Rio de Janeiro (16,63 milhões), Bahia (15,28 milhões), Rio Grande do Sul (11,29 milhões) e Paraná (11,24 milhões). População dos Estados Três estados têm populações menores do que 1 milhão: Roraima (514,2 mil), Amapá (782,3 mil) e Acre (816,7 mil). As demais unidades da Federação têm as seguintes populações: Pernambuco (9,41 milhões), Ceará (8,96 milhões), Pará (8,27 milhões), Maranhão (6,95 milhões), Santa Catarina (6,91 milhões), Goiás (6,69 milhões), Paraíba (4 milhões), Amazonas (4 milhões), Espírit

Expectativa de vida do brasileiro sobe para 74,6 anos

A expectativa de vida ao nascer no Brasil chegou a 74,6 anos em 2012, segundo dados divulgados hoje (2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a Tábua Completa de Mortalidade para o Brasil de 2012, entre 2011 e 2012, os brasileiros tiveram ganho de cinco meses e 12 dias na expectativa de vida ao nascer. O número passou de 74,1 anos em 2011 para 74,6 anos no ano seguinte. As mulheres tiveram maior ganho: seis meses e 25 dias, chegando a 78,3 anos em 2012. Já a expectativa entre os homens subiu quatro meses e 10 dias, alcançando 71 anos. Em uma análise retrospectiva, os dados mostram que na comparação com 1980, a população brasileira teve ganho médio de 12,1 anos já que, à época, a esperança de vida era 62,5. Duas décadas depois, em 2000, os números mostram ganho de quatro anos e dois meses. Segundo o pesquisador do IBGE Fernando Albuquerque a tendência é que a expectativa de vida continue a crescer.

Mais da metade das moradias irregulares brasileiras estão em áreas planas

Mais da metade das moradias irregulares brasileiras (52,5%), como favelas e invasões, estão em áreas predominantemente planas e 51,8% têm ruas como principais vias de circulação interna. A maior parte dos domicílios nessa situação está na Região Norte, sobretudo, nas áreas metropolitanas de Macapá (83,5%) e de Belém (99,6%). Os dados fazem parte da Pesquisa Censo 2010 – Informações Territoriais: Aglomerados Subnormais, divulgada hoje (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ). O estudo classifica de aglomerados subnormais o conjunto de, no mínimo, 51 unidades habitacionais carentes de serviços públicos essenciais, em terreno de propriedade pública ou particular, em geral, de forma desordenada e/ou densa. De acordo com o Censo, 3,2 milhões de domicílios particulares permanentes ocupavam 6.329 aglomerados subnormais em uma área de 169,2 mil hectares. Para a pesquisadora do IBGE Maria Amélia Vilanova Neta, o estudo desmistifica a ideia de que a maioria das comuni

Pará tem maior percentual dos que se declaram pretos ou pardos, diz estudo

Com uma população total de 7,5 milhões de habitantes, o estado do Pará é a unidade da federação com o maior número de pessoas que se autodeclaram pretas ou pardas no Brasil, apontou estudo inédito do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ) em parceria com a Secretaria de Políticas de Promoção e Igualdade Racial. Segundo o levantamento (veja mapa abaixo), que será divulgado nesta quarta-feira (6) durante a 3ª Conferência Nacional de Igualdade Racial, em Brasília, 76,7% dos paraenses se declararam pretos ou pardos no censo demográfico de 2010. Destes 69,5% se declararam pardos e 7,2%, negros. AUTODECLARADOS PRETOS OU PARDOS (por unidade da federação) UF Pretos (%) Pardos (%) Total (%) Pará 7,2 69,5 76,7 Bahia 17,1 59,2 76,3 Maranhão 9,7 66,5 76,2 Amapá 8,7 65,2 73,9 Piauí 9,4 64,0 73,4 Amazonas 4,1 68,9 73,0 Tocantins 9,1 63,1 72,2 Acre 5,8 66,3 72,1 Sergipe 8,9 61,4 70,3

Brasil tem mais de 200 milhões de habitantes

A população estimada do Brasil é 201.032.714 habitantes, pelos dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referentes a junho deste ano. De acordo com o levantamento, há 7.085.828 habitantes a mais do que o registrado em julho de 2012. Os dados foram publicados hoje (29) no Diário Oficial da União . São Paulo é o estado mais populoso com 43,6 milhões de habitantes, seguido por Minas Gerais com 20,5 milhões de residentes e Rio de Janeiro com 16,3 milhões de pessoas que declaram moradoras da região. A Bahia registra 15 milhões de habitantes, o Rio Grande do Sul 11,1 milhões e o Paraná, 10,9 milhões de residentes. Em seguida aparecem Pernambuco com 9,21 milhões de habitantes, Ceará com 8,78 milhões, Pará com 7,97 milhões, Maranhão com 6,79 milhões, Santa Catarina com 6,63 milhões e Goiás com 6,43 milhões. Com menos de cinco milhões de habitantes, estão Paraíba (3,91 milhões), Espírito Santo (3,84 milhões), Amazonas (3

IDH de Santarém é de 0,691

Divulgado nesta segunda-feira (29), o atlas mostra o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) de cada cidade do país . Para se calcular o IDHM, são considerados três indicadores: vida longa e saudável (longevidade), acesso ao conhecimento (educação) e padrão de vida (renda). No caso da renda, é avaliado o rendimento per capita (por pessoa) do município. IDH de Santarém (PA), por exemplo, foi calculado em 0,691. Em longevidade, o município registrou 0,807; renda 0,632 e educação, 0,648. As informações de 2013 foram obtidas com base no Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010. É a terceira edição do atlas. O primeiro foi divulgado em 1998 com informações de 1991 e o segundo, em 2003 com dados de 2000.

Melgaço, no Pará, é o pior em IDH

O município de São Caetano do Sul, no ABC paulista, tem o melhor Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do país, mostra estudo divulgado nesta segunda-feira (29) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) intitulado "Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013". Os dados do estudo indicam ainda que o município com a pior avaliação é Melgaço, no Pará. Além de Melgaço, outras doze cidades paraenses (Chaves, Bagre, Cachoeira do Piriá, Portel, Anajás, Ipixuna do Pará, Afuá, Curralinho, Nova Esperança do Piriá, Porto de Moz, Breves, e Jacareacanga), estão na lista com os piores índices de IHD. O IDH mede o nível de desenvolvimento humano de determinada região. É a terceira vez que o órgão da ONU realiza o levantamento sobre a situação nos municípios do país – outras duas edições da pesquisa foram divulgadas em 1998 e 2003. No atlas de 2013, o IDH foi calculado com base nos dados do censo demográfico de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e

Municípios do Pará não têm estrutura

Com as cidades a cada dia mais violentas, o Estado do Pará mostrou sua verdadeira cara com a divulgação do estudo “Perfil dos Municípios Brasileiros” - Munic 2012, divulgado ontem pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). De acordo com o estudo, que entre outros temas analisou a questão da segurança pública, dos 143 municípios analisados em 2012, somente 24 tem estrutura pública especializada. Deste total, somente cinco municípios tem uma secretaria municipal de Segurança Pública exclusiva. Em 119 municípios não existem estruturas específicas. O trabalho do IBGE mostrou também que a figura do Guarda Municipal é praticamente inexistente: somente 20 municípios paraenses responderam ter guardas municipais, num total de 2.579 agentes. Segundo os dados, a Guarda Municipal usa arma de fogo em 153 municípios brasileiros. De acordo com a pesquisa, “quando foram criadas, a partir da Constituição Federal de 1988, as Guardas Municipais tinham como principal atribuição a prote

Número de servidores públicos supera 6,2 milhões em municípios brasileiros

Com as mudanças constitucionais das últimas décadas, que redistribuíram poderes e redefiniram atribuições, houve descentralização territorial no Brasil com a criação de municípios e transferência de responsabilidades da União e estados para as prefeituras. Com isso, de 2005 para 2012 o número de servidores públicos que ingressaram nas administrações municipais chegou a 1.512.611, um avanço de 31,7%. Em 2012, o número total de servidores públicos municipais alcançou 6.280.213 servidores, o que representa 3,2% da população do Brasil, segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais (Munic) 2012, divulgada hoje (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a gerente da Munic,Vânia Pacheco, o crescimento não é expressivo quando comparado com o contingente de 2011, mas é necessário para fazer frente às obrigações transferidas para as prefeituras, como políticas de assistência social e saúde que antes eram tratadas em nível federal. “Se a gente considera

IBGE divulga estudo sobre uso de terra no Pará

O Estado do Pará ainda preserva cerca de 77% de suas áreas de vegetação natural, segundo dados do Relatório sobre Cobertura do Uso da Terra no Estado do Pará, divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ). De acordo com os dados de 2010, as florestas respondem por 909 mil quilômetros quadrados (km²), ou 72,9% do território paraense, e os campos, por 54 mil km² (ou 4,3%). A maior parte das áreas preservadas está nas mesorregiões do Sudoeste Paraense e do Baixo Amazonas paraense, que representam a metade ocidental do Estado. De acordo com o IBGE, isso é favorecido pela concentração de unidades de conservação e de terras indígenas nessas regiões. Das áreas que já sofreram com a ação do homem no Estado, as pastagens para pecuária ocupam 187 mil km², ou 15,2% do território paraense. A maior parte das pastagens fica na mesorregião Sudeste Paraense, que faz divisa com o Tocantins e o sul do Maranhão. As áreas urbanizadas ocupam 7,5% do Pará e a mineração, 9,7%

Passageiros de cidades menores gastam mais tempo e dinheiro em viagens aéreas

  As dificuldades enfrentadas por passageiros nos aeroportos brasileiros estão comprovadas em números. O estudoLigações Aéreas 2010 divulgado hoje (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela problemas como longas esperas em saguões superlotados, nas grandes cidades ou ainda conexões absurdas e preços altos, para quem parte de cidades menores ou do Norte e Nordeste do país. O estudo aponta, por exemplo, a concentração de voos nos aeroportos. Das 877 rotas aéreas registradas no país em 2010, praticamente 50% do tráfego de passageiros se concentrava em somente 24 pares de cidades. Os trechos que ligam São Paulo com as seis principais metrópoles do país (Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre, Salvador, Belo Horizonte e Curitiba) foi responsável por 25% do total de passageiros transportados - 71.750.986 pessoas, em 2010. De acordo como coordenador da pesquisa, Marcelo Paiva Motta, a concentração das ligações não é ruim para a empresa aérea, pois gera economi

IBGE vai ofertar 950 vagas temporárias

Foi dada a largada de mais um concurso público para o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a Portaria nº 114/2013, até 24 de outubro de 2013 deverá ser liberado edital para o provimento de 440 cargos do instituto. Brevemente, serão divulgadas as regiões de lotação e a organizadora contratada. No total, serão 20 vagas para Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas, 60 para Tecnologista em Informações Geográficas e Estatísticas, 60 para Analista de Planejamento, Gestão e Infra-Estrutura em Informações Geográficas e Estatísticas (nível superior) e 300 para Técnico em Informações Geográficas e Estatísticas (médio/técnico). A remuneração dos referidos cargos varia de R$3 a R$9 mil mensais. No último concurso do IBGE para cargos de nível superior, realizado em 2009, a oferta foi de 350 vagas no cargos de Analista e Tecnologista em Informações Geográficas e Estatísticas. Outro certame no IBGE foi autorizado pelo Ministério do Planejamento em abril

Expectativa de vida do brasileiro aumenta para 73,5 anos

A expectativa de vida do brasileiro, ao nascer em 2010, chegou a 73,5 anos, para ambos os sexos. Em 2009, a expectativa ficou em 73,2 anos. O dado foi divulgado hoje (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e publicado no Diário Oficial da União . As expectativas de vida divididas por sexo serão divulgadas na manhã de hoje, na pesquisa Tábua da Mortalidade do IBGE. Historicamente, homens têm expectativas de vida menores do que as das mulheres. Em 2009, a expectativa de vida dos homens ficou em 69,4 anos. Entre as mulheres, chegou a 77 anos. (ABr)

Número de brasileiros sozinhos triplica em 20 anos. Já são 6,9 milhões

Deu no Estado A família tradicional, com pai, mãe e três filhos, está cada vez mais rara no Brasil. Pela primeira vez na história, o número de pessoas morando sozinhas ultrapassou o das famílias com cinco integrantes. Hoje, os domicílios com apenas um morador já são 12,2% do total, ante 10,7% das residências com cinco pessoas. Os brasileiros solitários já somam 6,9 milhões – quase três vezes mais que os 2,4 milhões de 1991. Os dados constam de um recorte inédito feito pelo Estado nos dados do Censo Demográfico de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa revela que o País está seguindo uma tendência internacional: há cada vez menos gente dividindo o mesmo teto. Em 1960, a média de moradores por domicílio era de 5,3 pessoas. Cinquenta anos depois, caiu para 3,3. Ainda assim, é bem maior do que a proporção em países europeus e nos Estados Unidos: por volta de 2,5. Existem, porém, duas grandes diferenças no aumento dos “solitários” brasi

Concursos: IBGE ofertará 4,5 vagas temporários

O Ministério do Planejamento autorizou a seleção pública para o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que disponibilizará 4,5 mil vagas temporárias para nível médio e superior. Os profissionais terão como função fazer pesquisas econômicas e sociodemográficas. Os dois editais do concurso ainda não foram divulgados, a previsão é para 18 e 22 de julho. Concurso do IBGE realizado em 2009 ainda está em andamento. Foi destinado a contratação de 3.638, por prazo determinado, e vence em agosto desse ano.