Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Júri Popular

PMs vão a julgamento em Santarém por homicídio

Os sargentos Jailson Rebelo Picanço e Rogério dos Santo Rabelo e o soldado Sivaldo Pereira da Silva, todos da Polícia Militar, são os réus do julgamento que ocorre nesta quinta-feira (3), no Fórum de Santarém, no oeste do Pará. Os militares serão julgados pelo crime de homicídio duplamente qualificado contra a vítima Josimar Almeida Bentes, fato ocorrido em 9 de maio de 2005. Josimar teria participado de uma confusão no Bar do Osama, no bairro Jardim Santarém, e os policiais foram chamados ao local. Segundo o MP, os três foram até à casa de Josimar, onde o teriam executado friamente. Consta ainda na denúncia que o motivo do crime seria o fato de Josimar ter namorado com uma enteada de Jailson, e que por isso nutria por ele um sentimento de ódio. A acusação deverá ter dois promotores: Adleer Calderaro Sirotheau e Rodrigo Aquino Silva. Na defesa, quatro advogados: Luis Alberto Mota Figueira e Felipe Martiniano de Almeida (Jailson) e Cláudio Araújo Furtado e Paulo Roberto Corrêa Monteiro

Último júri 2013: matou irmão e mais um e tentou matar outros três dentro do bar

Na última sessão do Tribunal do Júri Popular da Comarca de Santarém, será julgado nesta terça-feira (17/12) o réu preso João Batista Santos Pinto, vulgo “Jango”, acusado de esfaquear e matar dentro de um bar na Nova República seu próprio irmão Rosinei Fernando Santos Pinto e outra pessoa de nome Denilson Gonçalves da Costa, no dia anterior ao Plebiscito pela criação do Estado do Tapajós (10/12/2013). Além disso, Jango esfaqueou mais três pessoas que se encontravam no local: Selson Lopes da Silva, Mateus Paiva da Silva e Lucivaldo Oliveira da Silveira, dono do Bar do Val, que é deficiente físico. Segundo consta nos Autos do processo, Jango e seu irmão foram comprar bebidas, mas o dono do bar se negou em vender já que estava vigorando a Lei Seca por causa do plebiscito no dia seguinte. Nesse momento, chegaram dois desconhecidos que pediram aos irmãos que lhes pagassem cervejas e estes negaram o pedido iniciando-se uma discussão entre Rosinei e os dois. Rosinei puxou uma faca e deu ao ir

Crime passional de São Brás será julgado pelo Júri Popular

O caseiro da chácara Curva do Vento, em São Brás, Elosmar Fernandes de Oliveira, conhecido por Osmar, 37 anos, senta no banco dos réus da 10ª Vara Penal nesta quinta-feira (05/12), para ser julgado pela morte (em 21/10/2012) de sua companheira Sergiane de Sousa Pedroso, à época com 32 anos. Segundo denúncia do MP, Osmar assassinou Sergiane com três facadas quando ela amamentava seu filho, por querer ter relações sexuais com ela naquele momento. Diz ainda a Denúncia que eles já vinham tendo problemas por causa de um ciúme doentio que Osmar nutria pela companheira, com quem tinha outras três filhas. No momento do crime, as filhas do casal ainda chegaram ao quarto, mas o pai apareceu cortado acusando-a de tê-lo ferido. Segundo uma das filhas, a mãe apareceu ensanguentada dizendo o que tinha acontecido e que ele se cortou sozinho para tentar justificar o ato. As meninas viram o irmão menor todo sujo de sangue e cuidaram dele, chamando parentes que moravam próximo e que levaram a mãe ao ho

Condenado homem que tentou matar vigia do Mercadão

Por maioria de votos, os jurados da 10ª Vara Penal da Comarca de Santarém condenaram nesta terça-feira (03) o réu Hugo De Leon Ferreira Assunção, 29 anos, que tentou matar, em 2010, o vigia do Mercadão 2000, Cézar Luiz Feliz Compasso, de 31 anos. Eles acataram a tese defendida pelo promotor público Aldo Saife, e não a tese de legítima defesa sustentada pelo defensor Público, Fabiano Narciso. Os jurados aprovaram também uma causa de diminuição de pena apresentada pelo defensor de que o crime foi cometido por "erro evitável", ou seja, o réu teria errado na ação acreditando que se defendia de agressão da vítima. Com isso, o juiz Gérson Marra Gomes aplicou a pena final de quatro anos de detenção, no regime aberto, que poderá ser convertida em prisão domiciliar, já que Santarém não dispõe de albergue para estes casos. Briga no cais - De Leon foi reconhecido pelo vigia como alguém que já haveria efetuado pequenos furtos no Mercadão e na noite do dia 11/12/2010, foi repreendido e a

Homem que tentou matar vigia do Mercadão vai a Júri Popular

Os jurados da 10ª Vara Penal da Comarca de Santarém, voltam a se reunir nesta terça-feira (3), a partir das 08h00, para julgar o caso que envolve o jovem Hugo Deleon Ferreira Assunção, 29 anos, acusado de tentar matar, em 2010, o vigia do Mercadão 2000 Cézar Luiz Feliz Compasso, de 31 anos. Deleon foi reconhecido pelo vigia como alguém que já haveria efetuado pequenos furtos no Mercadão e na noite do dia 11/12/2010, foi repreendido e acabaram tendo uma discussão, que acabou em desforço físico, até que Deleon pegou uma arma e deu dois tiros acertando o vigia de leve. Foi preso em flagrante, mas responde o processo em liberdade. Ministério Público e Defensoria Pública atuarão no caso sob a presidência do juiz Gerson Marra Gomes. (J. Ninos)

Mulher é condenada por matar marido após traição no arraia

Dando sequência à Semana do Tribunal do Júri iniciada na terça-feira o Conselho de Sentença da 10ª Vara Penal julgou mais um processo nesta quarta-feira (27). Formado por seis mulheres e um homem, o Conselho não aceitou a tese apresentada pelo advogado Celso Furtado de que a ré Josiane Maia Ribeiro não teve a intenção de matar seu marido Jamilson Ribeiro, ao flagrá-lo com outra mulher durante o N. S. da Conceição em 05/12/2009. A maioria dos jurados acompanhou a tese do promotor público Laércio Abreu, que pediu para estes desconsiderarem a qualificadora do crime prevista na Sentença de Pronúncia e condenarem ela por homicídio simples. O juiz Gerson marra Gomes aplicou a pena mínima: 06 anos de reclusão em regime semiaberto. A defesa vai recorrer da pena. Este pode ter sido o último júri do promotor Laércio Guilhermino de Abreu, que entra de férias em dezembro e depois deve ser promovido a outra Comarca do Pará. O júri desta quinta-feira (28/11) tem como réu Arlon Sousa Silva, que é fo

Jurados desclassificam crime de homicídio qualificado

Por maioria de votos dos 7 jurados do Conselho de Sentença da Comarca de Santarém, o réu Ivan Pereira de Sousa, 24 anos, teve seu crime desclassificado de homicídio qualificado para lesão corporal seguida de morte, sendo esta uma das teses apresentadas pelo defensor público Élton Ribeiro da Silva. Diante da decisão dos jurados, o juiz Gerson Marra Gomes aplicou a pena de 06 anos de reclusão ao réu. Como este já se encontrava preso há 02 anos e 05 meses, sua pena foi reduzida para 03 anos e 03 meses, cabendo ao réu o direito de cumprir o restante da pena em Regime Aberto. Por esse motivo, foi expedido Alvará de Soltura para cumprimento do resto sua pena em Prisão Domiciliar (já que em Santarém não existe Albergue para presos). O promotor público Laércio Guilhermino de Abreu anunciou que vai recorrer da sentença. Bebedeira - A vítima do crime foi o braçal Roberto Santos Silva que ocorreu no Dia dos Namorados (12/06) em 2011, quando ocorria uma bebedeira entre amigos, no bairro Santo And

Jurados condenam um irmão e absolvem outro por matar rival

Por: J. Ninos* Foram dois dias de um júri realizado em 25 horas para ouvir depoimentos de dez pessoas e debates entre uma bancada de quatro defensores contra um promotor. Terminou na noite desta quarta-feira, 30/10, às 21h30, a sessão do júri dos irmãos José Ivanildo dos Santos, vulgo "Zeca", 30 anos, e Ivanilton dos Santos, vulgo "Nilton", 22 anos, que estão presos desde 17/04/2011, acusados de matar a facadas o jovem Elisson de Sousa Garcia.  Ao final, os jurados condenaram Ivanildo e absolveram Ivanilton, por entenderem que o segundo não teve qualquer participação no crime. O juiz Gerson Marra Gomes aplicou a pena definitiva de 15 anos de reclusão em regime fechado ao réu condenado e expediu um Alvará de Soltura para o irmão mais novo. SAMU - O júri começou na terça-feira e foi interrompido às 20h30, após serem ouvidas as oito testemunhas presentes. Uma das testemunhas, considerada a principal, passou mal na hora de seu depoimento com crise nervosa e hipert

Dez anos depois jurados absolvem acusados do Crime da Transmaicá

Por maioria de votos dos jurados, os réus Ronald Neres Ribeiro, vulgo "Paizinho", 37 anos, auxiliar de vidraceiro e Clésio Alves GonçalvesS, 29 anos, auxiliar de eletricista foram absolvidos no final da noite desta quinta-feira (17), da acusação de serem os autores do crime ocorrido em um terreno baldio na Avenida Transmaicá, bairro do Maicá, onde hoje foram construídas algumas casas do PAC. O jovem Hélton Moraes dos Santos (que à época tinha 26 anos) foi encontrado morto com o crânio decepado por pancada de pedaços de madeira. Uma testemunha que teria visto a vítima com os dois acusados, reafirmou no Tribunal o que viu. Mas os réus sempre negaram a participação. O júri deveria durar dois dias, mas muitas testemunhas não foram encontradas e as partes não usaram todo o tempo de debates. Quatro advogados atuaram na defesa do réu Clésio: Jarbas Cunha, Cláudio Araújo Furtado, Felipe Martiniano e Felipe Campos, enquanto Ronald foi defendido pelo advogado Benones Amaral. O promo

Crime da Transmaicá chega ao Tribunal do Júri 10 anos depois

A morte ocorrida no dia 04 de setembro de 2003 em um terreno na avenida Transmaicá, bairro do Maicá, do jovem Hélton Moraes dos Santos (que à época tinha 26 anos) pode ter um desfecho a partir desta quinta-feira (17), num júri que deve levar dois dias para ser concluído, já que há expectativa da oitiva de oito testemunhas e dos dois réus.  Os jurados da 10ª Vara Penal julgarão os réus Ronald Neres Ribeiro, vulgo "Paizinho", 37 anos, auxiliar de vidraceiro e Clésio Alves Gonçalves, 29 anos, auxiliar de eletricista, acusados de executar a vítima naquele dia após estarem bebendo juntos num mesmo bar e saírem em direção ao local do crime.  Os dois réus, que respondem ao processo em liberdade, negam a participação no homicídio desde o início das investigações. Eles serão defendidos pelos advogados Benones Agostinho Amaral e Jarbas Cunha dos Santos, respectivamente. O promotor público Evandro Ribeiro deverá sustentar a tese de Homicídio Qualificado por não terem os réus dado ch

Morte de garimpeiro assassinado na frente da família vai a Júri Popular

Os jurados da 10ª Vara Penal, em Santarém (PA), voltam a se reunir nesta quinta-feira (3), para julgar um caso ocorrido na década de 1990. Há dezoito anos, um homem armado entrou numa residência e deu três tiros à queima-roupa no garimpeiro João Pereira dos Santos Filho, à época com 30 anos e conhecido pelo apelido de "Neguinho". O crime ocorreu na frente dos filhos do garimpeiro em sua casa, no dia 15/01/1995, no bairro de Santana, e segundo o Ministério Público o homem que cometeu o crime também seria garimpeiro, Pedro Félix Pereira Sobrinho, atualmente com 50 anos e que era conhecido pela alcunha de "Primitivo".  À época ele era foragido da polícia, mas acabou capturado e preso em Roraima e em seguida recebeu Alvará de Soltura e se apresentou para responder o processo em liberdade, tendo recorrido da Sentença de Pronúncia, negada pelo TJE.  "Primitivo" nunca foi ouvido pela Justiça, na primeira fase do processo, mas garante que estará presente na sessã

Réu é condenado ao tentar matar por causa de um cigarro

Os jurados da 10ª vara Penal condenaram nesta quinta-feira (26), por volta de 19h30, o réu Adailton Mota Pereira, vulgo "Meruim", de 36 anos que quase matou com uma facada há nove anos, Ediones Alves Marinho, 32 anos, vulgo "Sapo". Os jurados acataram, por maioria de votos, a tese do promotor público Evandro Aguiar. O defensor público Eduardo Augusto Dias, apresentou cinco teses para negar o crime, baseando-se no fato de que não foi feito o laudo do IML para comprovar a lesão, mas não conseguiu convencer a maioria dos jurados. O juiz Gérson Marra Gomes aplicou a pena de oito anos de reclusão, em regime fechado. A defesa vai recorrer da sentença. Apareceu - A vítima não havia sido ouvida na fase inicial do processo por não ter sido mais encontrada pelos oficiais no endereço que constava dos Autos, mas compareceu ao plenário, nesta data, depois de se informar por um noticiário de TV local, de que o júri seria realizado. Réu e vítima moravam no bairro do Mapiri e enc

Jurados desclassificam crime e pena torna-se prescrita para o réu

Os sete jurados do Tribunal do Júri Popular da Comarca de Santarém, desclassificaram nesta terça-feira, 27/08, o crime de Francisco Erinaldo Lira de Oliveira, 39 anos, acusado de tentar matar com tiros, em 09/04/1998, as senhoras Maria Francisca Augusta da Conceição, 46 anos e Maria do Carmo Melo Cavalcante, 52 anos, que trabalhavam como garçonetes no Bar "Se é gostoso vem", que ficava na avenida Cuiabá, próximo ao viaduto. O promotor público Laércio Guilhermino de Abreu queria a condenação do réu por dupla tentativa de homicídio, mas o júri acatou a tese do defensor público Fabiano de Lima Narciso, que pediu a desclassificação para Lesão Corporal Leve. Com a desclassificação a pena caiu consideravelmente e o juiz Gérson Marra Gomes aplicou a prescrição da mesma, já que o caso ocorreu há mais de 15 anos. Erinaldo, que atualmente é cabeleireiro (antes era vigia), à época do crime teria discutido com a dona do Bar por estar alcoolizado, foi expulso e ao retornar deu tiros com

Vigia que tentou matar garçonetes em um bar vai a Júri Popular

Será julgado nesta terça-feira (27), a partir das horas, pelo Tribunal do Júri Popular da Comarca de Santarém, o vigilante Francisco Eirnaldo Lira de Oliveira, 39 anos, acusado de tentar matar com tiros, em 09/04/1998, as senhoras Maria Francisca Augusta da Conceição, 46 anos e Maria do Carmo Melo Cavalcante, 52 anos, que trabalhavam como garçonetes no Bar "Se é gostoso vem", que ficava na avenida Cuiabá, próximo ao viaduto. Segundo denúncia do MP, Erinaldo teria discutido com a dona do Bar por estar alcoolizado, foi expulso e ao retornar deu tiros com revólver de fabricação caseira, mas atingiu as duas garçonetes que não estariam envolvidas na confusão. Ele responde pelo duplo crime de tentativa de homicídio. Defesa e acusação debaterão sob a presidência do juiz Gerson Marra Gomes. Fonte: J. Ninos.

Caso do "Racha na Ruy Barbosa" vai a Júri Popular

Será nesta quinta-feira (20), a partir das 8 horas, o julgamento de um dos réus do caso do "Racha na Ruy Barbosa", que vitimou cinco pessoas num acidente de trânsito de grandes proporções, em 02.02.2010. Roberto Júnio Mendonça de Oliveira, 26 anos, sentará no banco dos réus para responder por um homicídio (da jovem Susana dos Reis Lima, 20 anos, à época) e quatro crimes de lesão corporal grave (Zanara Sousa Silva, Dalila Limeira Araújo, Marlon Halley Figueira Pereira e Jairo Luis Vinhote) por atropelar pessoas na parada de ônibus da Avenida Ruy Barbosa com Sete de Setembro, no centro da cidade.  Segundo o Ministério Público, Roberto disputava naquela noite um "racha" em alta velocidade com Felipe de Sousa Bello, pela avenida que havia sido asfaltada pouco tempo antes. O corréu Felipe não será julgado nesta data, por ter recorrido junto ao TJE de sua sentença de Pronúncia. Os dois respondem ao processo em liberdade, após terem suas prisões revogadas ao final da inst

Assassino de taxista senta no banco dos réus

O homicídio de um taxista e a tentativa de homicídio de outras sete pessoas ocorridos em 03/07/2010, em frente a uma danceteria no bairro Diamantino, em Santarém, oeste do Pará, serão analisados na sessão do Tribunal do júri programado para acontecer nesta terça-feira, 14/05, a partir das 08h00, no Fórum de Santarém. O taxista Francion Ferreira de Sousa foi morto naquele dia com vários tiros que teriam sido desferidos por membros da Gangue do Piseiro, que tentavam matar passageiros do mesmo táxi, com os quais tinham se desentendido na festa. O julgamento desta terça-feira será apenas de André dos Santos Sá, vulgo ‘Andrezinho”, réu preso que é um dos acusados dos crimes. Outro acusado, Lauro Pereira, o “Índio”, nunca foi encontrado e o processo em relação a ele está suspenso até que seja encontrado. Um terceiro indivíduo foi impronunciado (ou seja, as provas contra ele não eram suficientes para levá-lo a Júri). O promotor público Laércio Abreu e o advogado Wlandre Leal, atuarão no júr

Júri do Caso Thaís Florêncio adiado e OAB acionada sobre postura de advogado

A sessão do Tribunal do Júri que seria realizada nesta quinta-feira (7), para julgar o réu Fábio Júnio Santos de Sousa, acusado de estuprar e matar a menina Thaís Florêncio, no bairro do Santarenzinho, em 26/12/2009, foi adiada a pedido do Ministério Público. O promotor responsável pelo caso, Laércio Abreu, encontrava-se de licença médica e ao retornar recebeu os autos do processo na segunda-feira, não tendo tido tempo de apreciar todos os documentos. Ocorre que os procedimentos de distribuição dos autos às partes (Defesa e Acusação), foram prejudicados pela demora na devolução ao cartório, pelo advogado que havia se habilitado no processo no ano passado. O advogado em questão, Rodrigo Jennings de Oliveira, entrou no caso depois da desistência dos primeiros advogados, que atuaram no processo até o julgamento do recurso da Sentença de Pronúncia, que determinou o julgamento pelo júri popular. Rodrigo se habilitou nos Autos em setembro, levou os autos com carga e só devolveu o processo

Juradas desclassificam crime e réu que esfaqueou desafeto é liberado

Mais uma vez um júri formado por 7 mulheres decidiu o destino de um réu, no julgamento que terminou na noite desta quinta-feira (28), depois de 13 horas de julgamento. O júri estava previsto para dois dias, mas as partes dispensaram a oitiva de 6 das 10 testemunhas. As juradas da 10ª Vara Penal julgaram o marceneiro alenquerense, Raimundo Ivaney Ferreira Barbosa, de 37 anos, acusado de tentar matar com várias facadas seu antigo desafeto Nildo Ferreira Assunção, 43 anos, e acataram parte de uma das teses da defesa, o que acabou determinando a liberação do réu. Segundo os testemunhos em plenário, Nildo e Ivaney tinham uma rixa há mais de 15 anos, por causa de uma prima de Ivaney que se envolveu com o réu. No dia 17/04/2011, na beira do gramado do campo do Águia Verde, da Matinha, a vítima que é técnico de um time de futebol daquele bairro, se encontrou com Ivanei e os dois tiveram uma discussão, sendo Nildo atingido por três facadas, mas tendo resistido ao ataque. O promotor público Ev

Eletricista acusado de matar mototaxista vai a júri popular

O Júri Popular da 10ª Vara Penal volta a se reunir nesta terça-feira (27), para julgar o eletricista Armando Ivaldo de Sousa Barbosa, 50 anos, vulgo "Calango". Ele é acusado de tentar matar o mototaxista Marlon George Galúcio Pereira, 34 anos, com dois tiros de revólver, no dia 04 de dezembro de 2006, no bairro do Aeroporto Velho. O motivo do crime teria sido o sumiço de uma moto pertencente a um amigo da vítima, sendo que "Calango" teria dito que Marlon sabia onde a moto estava. Marlon foi tomar satisfações de "Calango" se encontrava num bar próximo à sua residência, e este teria sacado de um revólver dando diversos tiros, mas acertando apenas dois na vítima. "Calango" fugiu do local num carro e foi perseguido pela vítima em sua moto, baleado, junto com seu amigo, mas esta acabou perdendo as forças por conta dos ferimentos e caiu na rua, sendo em seguida foi internado no hospital municipal.

Chacina de Cucurunã: último réu condenado a 40 anos de prisão

A 10ª Vara Penal de Santarém, especializada em crimes dolosos contra a vida, condenou nesta terça-feira (13), o detento (foragido) Denis Welverton Silva Sousa, 29 anos, um dos oito presidiários que liderou a "Chacina de Cucurunã" e ajudou a matar dois colegas de pavilhão, Néris Fernandes Vieira e Julciney da Silva Gonçalves.  O fato ocorreu no Pavilhão B da penitenciária de Cucurunã, em 17 de julho de 2005, quando o grupo de detentos matou as vítimas com várias estocadas pelo corpo todo. Este foi o 85º júri da Vara Especializada do Tribunal do Júri, em dois anos de atuação. A exemplo do que ocorreu com os outros 7 detentos, Denis também foi condenado a 40 anos, na soma das penas de dois homicídios duplamente qualificados e formação de quadrilha.