Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Porto de Santarém

Governo discute projeto do terminal hidroviário de Santarém

Entidades empresariais, Sindicato dos Armadores, Sindicato dos Estivadores, setores ligados à navegação fluvial participaram de reunião técnica, promovida pela Companhia de Portos e Hidrovias do Pará (CPH), para discutir e avaliar o projeto básico do Terminal Hidroviário de Santarém, que será erguido na área da antiga TECEJUTA, no bairro da Prainha. Além das entidades presentes, estiveram presentes representantes do governo municipal - prefeito Alexandre Von, secretários de Planejamento e Desenvolvimento, Valdir Matias Jr., Meio Ambiente, Podalyro Neto, e os coordenadores de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Dílson Quaresma, e Saneamento Básico, Hugo Aquino – e da Câmara de Vereadores – vereadores Ney Santana e Silvio Amorim. A próxima etapa será a audiência pública na Câmara, que será realizada provavelmente no mês de outubro, com a participação da sociedade civil organizada. O Terminal Hidroviário conta com recursos da ordem de R$ 30 milhões do governo do estado do Pará. Na ocas

BR-163 define o futuro dos portos na Amazônia

Do Valor Econômico Há um clima de calmaria no cais do porto de Santarém. Um cruzeiro gigantesco, com suas piscinas e discotecas, embarca um grupo de viajantes. Ouve-se “Take Five”, de Paul Desmond, maior sucesso do The Dave Brubeck Quartet. Não há filas, nem pressa. Uma feirinha de artesanato vende lembranças aos turistas. A poucos metros dali, no terminal da Cargill, um navio cargueiro recebe os grãos de algumas barcaças. Três caminhões também despejam suas cargas, tranquilamente. Uma hora dessas, esse sossego vai acabar. A conclusão das obras da BR-163, meta que desta vez é prometida pelo governo para o fim deste ano, terá um impacto direto na atividade dos principais portos da região Norte do país. Santarém, que está localizada estrategicamente no ponto final da rodovia, no encontro dos rios Tapajós e Amazonas, passará a ter papel crucial para embarcar a produção que subirá do norte do Mato Grosso, desafogando as estruturas saturadas do Sul e Sudeste. Os cálculos prelimina