Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo abastecimento de água

Cosanpa mantém obras de ampliação do abastecimento de água em Santarém

Além de redobrar os esforços para garantir o fornecimento de água aos 53 municípios atendidos pela Companhia de Saneamento do Pará, as obras de ampliação do abastecimento seguem em andamento. Em Santarém, existem três frentes de trabalho nos bairros Nova República e Livramento, além da reforma na sede da Companhia no município, no sistema conhecido como Irurá. Nesse sistema, a reforma inclui implantação de áreas em alvenaria, instalação de cerca, revitalização do prédio administrativo e urbanização da área interna. Além disso, já há mobilização de uma máquina perfuratriz para a abertura de mais um poço para este sistema. No bairro Livramento, estão sendo feitos um novo reservatório apoiado, a revitalização interna do reservatório existente, instalação da parte elétrica e a perfuração do segundo poço (já em andamento). O primeiro já foi concluído. No bairro Nova República, já foram feitas as estruturas de base dos reservatórios, casa de química e casa de cloração. Este sistema irá be

Água podre

Há três dias que os moradores dos bairros São José Operário, Santo André, Santana e Uruará estão sem água potável. A Cosanpa, segundo o líder comunitário Mário Gomes, informou que faria a limpeza do poço, localizado na rua Sol Nascente, que fornece o produto para estas comunidades, porém, não há previsão de quando este serviço será concluído. A cor amarelada da água que sai das torneiras acentua o nível de sujeira do poço. Além disso, o líquido apresenta mau cheiro insuportável e nauseante. Para conseguir água, as pessoas recorrem aos vizinhos que possuem poços artesianos. Os consumidores se queixam que há bastante tempo são obrigados a consumir produto de qualidade duvidosa. "Há indícios de que o poço da Cosanpa está contaminado. Pela quantidade de ferrugem que sai das torneiras essa suspeita fica evidente", diz Mário. A foto que ilustra este post é de autoria da estudante Laiane Fernandes Rocha, 12 anos, moradora do bairro São José Operário. 

Cosanpa vai começar obras para ampliar atendimento em Itaituba

O governador Simão Jatene assinou na manhã desta segunda-feira (5) o contrato que dará início, dentro de aproximadamente 20 dias, às obras de ampliação do sistema de abastecimento de água da Cosanpa (Companhia de Saneamento do Pará) em Itaituba.  O município, localizado no sudoeste paraense, foi um dos pontos de parada do governador durante a viagem da “Rota da Integração”, uma caravana organizada pelos governos do Pará e Mato Grosso para mostrar a importância do eixo logístico da rodovia BR-163 (Santarém-Cuiabá). A obra representa um investimento de R$ 9,8 milhões e será a primeira fase da expansão do serviço de abastecimento de água no município. “No total, estão previstos dois outros módulos de ampliação, sendo que o terceiro módulo foi dimensionado para um horizonte de 20 anos”, informou o presidente da Cosanpa, Antônio Braga. 

Famílias do Mapiri terão água encanada

Começam nesta quarta-feira (24), os serviços de ampliação da rede de abastecimento de água na rua Silvério Sirotheau até a rua Campos Sales e orla do bairro Mapiri. Cerca de 40 famílias serão beneficiadas com água encanada. Os trabalhos serão executados pela Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa).

Organizações sociais consideram que privatização do serviço de água trará prejuízos para a população

Da Agência Brasil A privatização das empresas públicas de abastecimento de água e tratamento de esgoto poderá ter como consequência o aumento nas contas de água e a diminuição dos investimentos no setor. O alerta é das organizações sociais que participaram ontem (20) de seminário que discutiu como a população pode se organizar para impedir que as empresas sejam vendidas. De acordo com representantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), 90% da rede de distribuição de água no país são controlados por empresas públicas, com uma cobertura de quase 100% das grandes e médias cidades. Para o MAB, um negócio que não requer grandes investimentos e pode movimentar anualmente cerca de R$ 120 bilhões, mais que todo setor elétrico, desperta o interesse da inciativa privada.